Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

1939: o incrível Pontiac fantasma

Compartilhe!

Nos anos 1930, o plástico era visto como o material do futuro, quando apareceram os primeiros produtos fabricados em polímero sintético. A indústria automotiva não ficou indiferente a este novo produto e por isso, em 1939, a General Motors apresentou na exposição “New York World’s Fair”, o “Ghost Pontiac” (o “Pontiac Fantasma”), um Deluxe Six de quatro portas, com a carroceria totalmente construída em plexiglas, transparente.

Foi no comecinho da década de 1930 que a Rohm & Haas desenvolveu o primeiro vidro de segurança para automóvel, o pára-brisas laminado, com uma pequena película de plástico ensanduichado em duas partes do vidro.

Com a produção do vidro laminado, a Rohm & Haas descobriu que aquele tipo de plástico poderia ser utilizado para a produção de outros produtos, dando o nome de plexiglas. Para divulgar esse novo material, a empresa decidiu construir um Pontiac muito especial, em conjunto com a General Motors.

Para a “New York World’s Fair” de 1939/1940, todas as marcas americanas estavam preparando algo para apresentar e impressionar os visitantes, e a GM não foi exceção. A sua exposição Futurama roubou todo o protagonismo das outras marcas, prevendo como seria a mobilidade das cidades na então distante década de 1960. Além dessa exposição, a GM tinha ainda a “Previews of Progress”, que mostrava todas as novas tecnologias possíveis, e o “Glass Car—The first full-sized transparent car ever made in America”.

O Glass Car era um Pontiac Deluxe Six Series 26 de 1939, com uma carroceria totalmente transparente, pois todo o metal foi substituído pelo acrílico. Para dar melhor aspecto à vista, o painel em metal foi cromado e todas as peças de aço estruturais foram revestidas de cobre.

Além disso, todas as borrachas, incluindo os pneus, eram brancas, produzidas pela empresa de pneus U.S. Royal, hoje Uniroyal. O custo de produção do Ghost Pontiac rondou os US$ 25 mil, traduzidos em cerca de US$ 450 mil hoje hoje, valor idêntico ao custo de produção de qualquer protótipo na época.

Este carro é totalmente funcional, equipado com motor de seis cilindros em linha, com cabeçote em L, 3,6 litros e 85 cv. Acoplado ao motor está uma caixa de câmbio manual de três velocidades, com alavanca na coluna de direção.

1939 NEW YORK WORLD'S FAIR PONTIAC GLASS CAR EXHIBIT ADVERTISING ...

Um segundo Ghost Pontiac, nome dado a este veículo, foi produzido, desta vez com base no Pontiac Torpedo Eight, para a “Golden Gate Exposition” de 1940, em San Francisco. Após as exposições, ambos os protótipos percorreram vários concessionários da marca, para exposição. Infelizmente, não se sabe o que foi feito ao último Ghost Pontiac, e possivelmente foi destruído.

Carro de acrílico por Pontiac Deluxe Six | Estação Cultural

Por outro lado, o primeiro Ghost Pontiac ficou em exposição no Smithsonian Institution, em Washington, até 1947, passando pelas mãos de vários concessionários da Pontiac na Pensilvânia, até 1973. Após isso, foi vendido a Don Barlup, que fez uma restauração na S&H Pontiac. Depois vendeu o carro a Leo Gephart, em 1979, que o vendeu no ínicio dos anos 1980, permanecendo na mesma família até 2011.

the story behind the pontiac ghost car - the first fully-sized ...

Naquele ano foi vendido em leilão pela Sotheby’s a um colecionador privado, com apenas 140 km rodados, por US$ 308 mil. E nunca mais foi visto em público…

The Mystery of the Transparent Car |

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *