O fabricante de caminhões que fez o carro mais rápido do mundo

Compartilhe!

A Pegaso foi uma fabricante de caminhões e ônibus da Espanha, fundada em 1946 pela ENASA (Empresa Nacional de Autocamiones S.A.), quando esta adquiriu a antiga fábrica da Hispano-Suiza. Graças à grande procura de veículos de carga após o fim da Segunda Guerra, a produção aumentava cada vez mais e trazia bons ganhos financeiros, suficientes para arriscar o desenvolvimento de automóveis esportivos.


 
Assim, em 1951 chegou ao mercado o Pegaso Z-102, desenvolvido por Wifredo Ricart, com muitos anos de experiência na Alfa Romeo. O desenho, projeto e construção das carrocerias ficaram a cargo da italiana Carrozzeria Touring. Toda a carroceria é produzida em alumínio, o que ajuda o baixo peso, de apenas 450 kg. Fora a carroceria, todo o restante era produzido na fábrica da Pegaso, em Barcelona.

Havia vários motores à escolha, todos V8 com duplo comando de válvulas em cada cabeçote, 32 válvulas e sistema desmodrômico (a abertura e fechamento das válvulas é feita pelo comando), com cilindradas de 2.5, 2.8 e 3.2 litros.

O melhor motor, claro, era o 3.2V8, que com a ajuda de um compressor elevava a potência para os 360 cv. De acordo com alguns testes da época, esta última versão era capaz de atingir os 243 km/h de velocidade máxima, fazendo com que se tornasse o automóvel mais rápido do mundo.

A caixa de câmbio manual de cinco velocidades estava montada na traseira, para a melhor distribuição de peso, mas atrás do diferencial.



Além de um excelente esportivo, o Pegaso Z-102 também competiu em provas importantes, como a “24h de Le Mans” de 1953, assim como na Carrera Panamericana, no entanto, nunca obteve resultados marcantes.



Acredita-se que somente foram construídas 84 unidades, 54 na carroceria cupê e berinetta e 28 conversíveis, fazendo com que se torne um automóvel extremamente raro.



Infelizmente, em 1968 a Pegaso decidiu encerrar a produção de automóveis, para focalizar novamente na produção de veículos de carga. Em 1990, a Iveco adquiriu a Pegaso, sendo esta absorvida pela marca italiana, desaparecendo os modelos espanhóis nos quatro anos seguintes.



Compartilhe!
简体中文 简体中文 English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano 日本語 日本語 Português Português Español Español