A IMPRESSIONANTE HISTÓRIA DE FRANÇOIS CEVERT E A VIDENTE

Compartilhe!

 

Há 44 anos, no dia 6 de outubro de 1973, a Fórmula 1 perdeu François Cévert, o piloto que simbolizava todo o glamour da categoria na época. Atendendo a muitos pedidos, AUTO&TÉCNICA reconta uma história que impressiona. Confira.

tumblr_m0a82qBpb81r9m8mwo1_400

“A morte está prevista em todos os nossos contratos.” Albert Francois Cevert Goldenberg, 1944-1973.

Em 1974, um ano após a morte de François Cevert, foi publicada uma biografia do piloto chamada: “Contrato com a Morte”. Nesse livro, está a impressionante história contada por Anne Van Malderen, a “Nanou”, que por muito tempo foi namorada do piloto. Bonita e divertida, conheceu Cevert em 1964, em Saint Tropez, quando ele tinha 20 anos de idade. Tinha 25 anos e era casada, e não resistiu aos olhos azuis e ao sorriso do piloto.

$(KGrHqIOKjYE6hfCHlw1BOwYFyq1ig~~60_12

Segundo ela conta, “em 1959, fui com a minha mãe visitar uma vidente que tinha sido recomendada a ela. Essa mulher morava na França, numa casa simples, e nada fazia crer que havia um elo dela com o ‘outro mundo’. Ela não lia cartas de baralho, nem tinha bola de cristal. O seu método era simplesmente olhar para você durante um longo período de tempo, ou então observar uma fotografia, quando alguém lhe trazia uma. E então ela concentrava-se, num silêncio total.

$(KGrHqJ,!iYE6ZWtPfm0BO)bzfs9gQ~~60_12

Nessa época eu tinha 20 anos, e tinha somente ido ali para acompanhar a minha mãe. Naqueles dias eu era completamente cética em relação a esse tipo de previsões sobre o futuro. Subitamente, a vidente olhou para mim e fixou-me com os seus olhos. ‘Preciso falar consigo’, disse ela. Assustada, a segui até seu quarto”.

$(KGrHqJHJCME63(5C-Q(BO6Clmt+1w~~60_12

“O seu casamento não vai durar. Você irá encontrar um jovem que deixará marcas profundas na sua vida. Você vai ser profundamente feliz… posso ver os olhos azuis dele… posso ver o mar… vocês vão se encontrar perto do mar”. Tinha acabado de me casar, então isso me deixou curiosa por algum tempo. Com o tempo, acabei esquecendo a visita. Cinco anos mais tarde, em 1964, conheci François Cevert em St.Tropez, na praia.

$(KGrHqF,!qEE63Z2e1KSBO1D)vUIfQ~~60_12

Dois anos mais tarde, quando François decidiu tentar o ‘Shell Scholarship’ (competição cujo vencedor ganhava um patrocínio para a Fórmula 3), senti necessidade de voltar à casa da vidente para saber o que o destino havia reservado para nós dois. Quando cheguei, ela não disse uma palavra sobre ele. Apenas lhe entreguei uma fotografia. Ela permaneceu em silêncio por aproximadamente uma hora. E nada disse.

1973-holland-cevert-stewart1-lg

‘Você já veio aqui antes’, disse, para logo a seguir afirmar: ‘Você já o encontrou! Que estranho, a foto dele está toda embaralhada nesta máquina estranha, tem rodas, mas não corpo, o que poderia ser?’

‘É um carro de corridas’, expliquei, disse. ‘ele quer ser piloto’.

‘Ele vai fazer um tipo de teste, e vencerá facilmente. Vejo uma brilhante carreira à sua frente…’Logo ela parou, olhou para mim e disse: ‘Você vai ser muito feliz, mas não vai conseguir segurá-lo, pois o sucesso dele irá se intrometer entre vocês dois’.

Outro silêncio prolongado, e ela continua:

‘Preciso lhe dizer uma última coisa… Este jovem não viverá para comemorar os seus 30 anos’.

Havia um calendário na parede. Até o dia da minha morte jamais esquecerei do dia em que lá fui: 29 de junho de 1966.

Quando mais tarde encontrei François, confesso que foi com um sorriso amarelo. Logo a seguir contei: ‘Fui a uma vidente. Ela disse que você vai vencer o Shell Scholarship’. Isso lhe deu segurança. Ele estava ansioso, pois só então decidimos fazer a inscrição na escola de pilotagem em Magny-Cours, e ele já tinha mais que certeza que estava preparado para o teste.

Depois, afirmei-lhe o seguinte:

‘Ela também disse que sua carreira seria brilhante, mas que acabará por nos separar’.

‘Separar-nos? Essa sua vidente é louca. Seja como for, esse tipo de coisa não passam de conversa fiada. Vou vê-la pessoalmente e aposto como vai prever para mim um futuro completamente diferente do seu’.

Cerca de dois meses mais tarde, ele foi vê-la. Quando voltou, perguntou: ‘Você ligou para ela, né?’

‘Ligar para ela para quê?’, respondi.

‘É que o que ela previu para mim exatamente aquilo que você me disse’, afirmou.

De repente fiquei com medo. ‘Isso não significa nada, ela provavelmente te reconheceu. Eu mostrei uma foto sua…’

– ‘Ela também te disse que eu não chegaria aos 30 anos?’

– “François, isso é bobagem! Essas velhinhas falam pelos cotovelos, como pode alguém prever o futuro?’

– ‘Então ela disse isso para você também…’

E então François olhou para mim e sorriu: ‘Que importa? Até lá, já terei sido campeão do mundo. Desaparecer no auge da fama… que morte gloriosa!’. Ele me abraçou e me beijou”.

$(KGrHqMOKi8E62QOYv!uBO)bomTUHw~~60_12

O resto da história todos conhecem: chegou à Formula 1 em 1970, após a retirada surpreendente de Johnny Servoz-Gavin. François Cevert correu na Tyrrell durante as três temporadas seguintes, onde venceu por uma vez, no GP dos Estados Unidos de 1971. Em 6 de Outubro de 1973, durante os treinos para o GP dos EUA, o carro de Cevert bateu contra um guard-rail, matando o francês instantaneamente. Era o último GP que faria antes de comemorar o seu 30º aniversário.

tumblr_ly6lezqULf1qzltk2o1_1280tumblr_ly6lezqULf1qzltk2o2_1280tumblr_ly6lezqULf1qzltk2o3_1280tumblr_ly6lezqULf1qzltk2o4_1280

Algum tempo após a morte de Cevert, Nanou decidiu -após algumas conversas com a família do piloto- visitar mais uma vez a vidente, nessa altura já uma mulher idosa. Novamente, entregou a foto dele, desta vez de quando era criança, para que ela não pudesse reconhecê-lo. A vidente olhou para a foto, fechou os olhos e mergulhou em profundo silêncio. Quando abriu os olhos, olhou para Nanou e disse: “Ele não está mais aqui com a gente. Ele está morto…”.

AS ÚLTIMAS IMAGENS DE CÉVERT

Estas são as últimas fotos do piloto, momentos antes de ir para a pista pela última vez.

A PASTA

Após o acidente, a equipe Tyrrell recolheu nos boxes os pertences do piloto e os entregou à Jean Pierre Beltoise, seu cunhado, casado com Jacqueline Cévert. Entre eles sua pasta, com documentos e itens pessoais, que ela guarda com muito carinho até hoje.


Compartilhe!

Um comentário em “A IMPRESSIONANTE HISTÓRIA DE FRANÇOIS CEVERT E A VIDENTE

  • 18 de outubro de 2017 em 22:58
    Permalink

    Durante minha infância, a Tyrrel sempre foi a minha equipe favorita da F1, então o nome Cévert ficou gravado em minha mente, pricipalmente depois de sua trágica morte.
    Nunca tinha ouvido falar dessa incrível estória; gostei muito da leitura e das fotos… parabéns pelo post.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *