Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

A vida nada fácil do Renault Kwid: terceiro recall

Compartilhe!

Assim que foi lançado, em setembro do ano passado, embalado por uma boa estratégia de marketing e pré-vendas (apesar do exagero de rotular o carrinho como SUV), o Renault Kwid assustou o mercado de forma positiva. Teve de cara 10 mil unidades emplacadas, foi o vice-líder do mercado e, em seguida, não só despencou em vendas, como ainda teve que enfrentar um imenso recall no final de novembro, para correção ou substituição do tubo de combustível e do sistema de freios. Isso em mais de 20 mil unidades. Agora mais um recall.

A euforia com o Renault durou pouco. O Kwid caiu de 10.356 unidades em setembro de 2017 para quase 4 mil no mês seguinte e, até o fim do ano, não passava das 3 mil unidades mensais. Mas como desgraça pouca é bobagem, a Renault identificou mais um problema e está convocando desde o dia 20 de janeiro os proprietários do modelo. Os carros devem ser levados às concessionárias para verificação, e se necessário, substituição do berço do motor.

De acordo com a marca francesa, pelo fato do fornecedor não ter feito a peça em conformidade com o solicitado, a solda do berço pode se romper e causar perda de dirigibilidade, obviamente causando risco de acidente. Acidente que pode levar a ferimentos de diversos níveis e até morte. A chamada para o recall desta vez envolve 1.918 unidades, produzidas entre 9 e 16 de setembro de 2017, com chassis não sequenciais de JJ003408 a JJ998344.

Assim, o primeiro recall -envolvendo todas unidades vendidas-  estava relacionado com um tubo de combustível que podia rachar, causando vazamento e risco de incêndio, e os freios que poderiam trincar algum componente. Isso explica a queda nos emplacamentos, pois é claro que a Renault estava retardando as entregas enquanto reparava os carros em estoque. 

O anúncio desse recall foi feito no final de novembro, mas então surgiram outros problemas, que podem ser comprovados nas redes sociais, incluindo a página da marca no Facebook ou o site Reclame Aqui. As reclamações vão do não reparo no recall por falta de peças até atrasos na entrega dos veículos comprados na pré-venda. Vai dar trabalho e custar caro, mas a Renault vai se recuperar dessa. 

De acordo com a Renault, a verificação e/ou troca do item são gratuitos (é claro…) e o serviço, realizado em até três horas e meia, deverá ser agendado junto às concessionárias da marca.

Em caso de dúvidas, o cliente poderá ligar para o SAC (0800-0555615) ou acessar o site www.renault.com.br/servicos/recall.


Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *