Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

Airgeep, o “Jeep Voador” recusado pelo exército norte-americano

Compartilhe!

As forças armadas norte-americanas sempre estiveram dispostas a experimentar novas tecnologias, para tentar ganhar vantagem nas frentes de batalha. Durante a Segunda Guerra Mundial, o Jeep foi a forma ideal encontrada para transportar tropas de infantaria para qualquer tipo de terreno que fosse necessário. Assim, nos anos 1950, o Exército dos Estados Unidos foi mais longe e propôs a criação de um “Jeep voador”, que poderia chegar com maior rapidez ao local de uma missão.

 

Foi em 1957 que o Exército escolheu a Piasecki, especialista em helicópteros e outras aeronaves com início de voo na vertical, para criar um carro voador que pudesse transportar tropas a baixa altitude e à velocidade pelo menos três vezes mais rápida que um Jeep. Por causa disso, o projeto rapidamente perdeu o seu nome original, Sky Car, e passou a ser conhecido como Airgeep (“Jeep” vem da sigla G.P., de “General Purpose”; a grafia diferente deriva de um personagem das histórias de Popeye, o Jeep).

O Airgeep, nome de código VZ-8P, devia utilizar dois motores de pistões Lycoming, com potência combinada de 367 cv. Estes deviam pôr em movimento dois rotores, comandados por uma transmissão única, de modo  que o veículo pudesse continuar voando com os dois rotores, mesmo que um motor falhasse. Após o voo inicial, onde o Jeep voador não passou dos 80 km/h, e por sugestão do exército, os motores de pistões foram substituídos por uma turbina Turbomeca de 428 cv, fazendo o seu primeiro voo em 1959, e depois, por indicação da Marinha, por uma turbina AiResearch mais leve e mais potente.

O protótipo original tinha oito metros de comprimento e pesava pouco mais de 800 kg vazio, mas só podia transportar o piloto e um passageiro. Quando a Piasecki transformou o VZ-8P no Airgeep II, ficou ligeiramente mais curto mas a nova concepção do desenho já tinha espaço para cinco pessoas, incluindo um co-piloto e um artilheiro, podendo disparar do ar. Com duas turbinas Turbomeca Artouste, tinha mais de 900 cv de potência e podia ultrapassar os 130 km/h. O trem de aterrisagem passou a ser de três rodas, para facilitar o movimento em terra, e também conseguir planar com mais facilidade.

Uma novidade em aeronaves, o desenho dos rotores do Jeep voador permitia-lhe sobrevoar um terreno a altitude baixa o suficiente para ser não ser detectado por tropas inimigas e até por radares, servindo de inspiração para futuros aviões de combate “invisíveis” à detecção. No entanto, nos anos 1960, o exército ainda não tinha conseguido testar o Airgeep com sucesso. Considerado demasiado frágil e perigoso, foi abandonado e substituído por helicópteros de transporte convencionais.


Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *