Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

Alfa Romeo homenageia suas pilotos

Compartilhe!

Sexo frágil? Isso é coisa do passado. No Dia Internacional da Mulher, a Alfa Romeo fez uma bela celebração, homenageando as pilotos de competição que se destacaram na história da marca. “Mulheres, cuja afirmação transcende o mero valor esportivo das suas conquistas, que se tornaram exemplo de superação de preconceitos e de barreiras. Mulheres de diferentes épocas e de diferentes países, que tinham em comum o espírito pioneiro e a paixão pela competição, explorando territórios desconhecidos num esporte extremamente desafiador”, afirmou a marca italiana. 

por Marcos Cesar Silva

Do início do século XX aos dias de hoje, a Alfa Romeo recupera a história das mulheres que pilotaram os seus carros de competição. Confira.

Tatiana Calderón 

T atiana Calderon: "I'm there because I'm capable of doing the jo

Nascida em 1993 em Bogotá, Colômbia, Tatiana Calderón deu os primeiros passos no automobulismo em 2005, conquistando um campeonato nacional na categoria “Easy Kart Pre-Junior”. Apenas três anos depois, tornou-se a primeira mulher a vencer a classe JICA do “Stars of Karting Championship East Division”, nos Estados Unidos. 

Em 2017, Tatiana tornou-se piloto de desenvolvimento da equipe Sauber de Fórmula 1. Um ano mais tarde, a Sauber promoveu Tatiana de piloto de desenvolvimento de Fórmula 1 para piloto de testes da Alfa Romeo Racing. 

Tamara Vidali 

Facebook

Em 1992, Tamara Vidali conquistou o Campeonato Italiano de Turismo daquele ano (Grupo N), ao volante de um Alfa Romeo 33 1.7 Quadrifoglio Verde, concebido pelo recém-criado departamento de competição da marca. Igualmente inesquecível é a decoração completamente amarela do Alfa Romeo 155 que Vidali pilotou no Campeonato Italiano de Superturismo  (CIS) em 1994. 

Maria Grazia Lombardi e Anna Cambiaghi 

Maria Grazia Lombardi – detta Lella – piloti vintage – DannataVintage.com
Lella Lombardi
Anna Cambiaghi Profile | Racing Years
Anna Cambiaghi

Depois de Maria Teresa de Filippis na década de 1950, a segunda italiana a competir na Fórmula 1 –num total de 13 Grandes Prêmios– foi Maria Grazia Lombardi, mais conhecida como “Lella” Lombardi. Entre 1982 e 1984, participou no Campeonato Europeu de Turismo com o Alfa Romeo GTV6 2.5 , juntamente com Anna Cambiaghi, Giancarlo Naddeo, Giorgio Francia e Rinaldo Drovandi, tendo contribuído para a conquista de diversos títulos para a marca. Continua a ser a única piloto italiana a conquistar pontos numa corrida de Fórmula1. Faleceu em 1992, vítima de câncer.

Christine Beckers e Liane Engeman 

Christine Beckers — Wikipédia
Christine Beckers
Liane Engeman🇱🇺️ - Ford Escort 70s-80s | Facebook
Liane Engeman

Os anos 1960 foi a época do Alfa Romeo Giulia Sprint GTA. Os seus resultados, vitórias e importância na história da Alfa Romeo são bem conhecidos. Menos conhecidos, porém, são os feitos do Alfa Romeo GTA SA (sobrealimentado). Preparado em 10 unidades para Grupo 5, era equipado com dois compressores centrífugos de comando hidráulico, tinha 220 cv de potência e atingia 240 km/h de velocidade máxima. Oferecia desempenho muito bom mas, como explicou Teodoro Zeccoli, histórico piloto de testes da Autodelta, o GTA SA tinha “uma explosão de potência imprevisível que surgia sem pré-aviso, fazendo do SA um veículo inconstante, difícil de controlar em curvas ou em situações de manobra”.

Se houve alguém capaz de dominar este temperamental modelo melhor do que qualquer outra pessoa, foi a jovem piloto belga Christine Beckers, que venceu em Houyet em 1968 e alcançou resultados excelentes também nos anos seguintes: em Condroz, no Trois-Ponts, em Herbeumont e em Zandvoort. Beckers, no entanto, não foi a única piloto a fazer sucesso ao volante do GTA. Também a rápida piloto holandesa Liane Engeman, depois escolhida pela Alfa Romeo como modelo, se destacou ao volante do Alfa Romeo 1300 Junior da equipe de Toine Hezemans. 

Susanna “Susy” Raganelli 

SUSANNA RAGANELLI (1965) - Si ringrazia... - Kartosauri (old lovers of kart  ) | Facebook

A única mulher a ter conquistado um campeonato mundial em um veículo de quatro rodas foi Susanna “Susy” Raganelli. Natural de Roma, venceu em 1966 o Campeonato Mundial de Kart de 100 cm3, batendo Leif Engstrom e nada mais, nada menos, que o lendário Ronnie Peterson. Susy ligou para sempre o seu nome ao da Alfa Romeo quando encerrou a carreira ao volante de um Alfa Romeo GTA, mas foi também a primeira pessoa na Itália a comprar uma das poucas unidades produzidas, de um total de 12, do mítico Alfa Romeo 33 Stradale de 1967. 

Ada Pace (“Sayonara”)  

ADA PACE TRIBUTE - YouTube

Nos anos 1950, mais uma piloto alcançou resultados notáveis ao volante de diversos modelos Alfa Romeo: Ada Pace, natural de Turim. Ao longo dos seus 10 anos de carreira, Ada Pace ganhou 11 provas de velocidade nacionais, seis na categoria Turismo e cinco na categoria Sport. Inscrita nas competições quase sempre sob o pseudónimo “Sayonara”, alcançou os principais sucessos ao volante do Alfa Romeo Giulietta Sprint Veloce e do Alfa Romeo Giulietta SZ, com que chegou a vencer a prova Trieste-Opicina, em 1958. Faleceu em 2016.

Odette Siko 

odette siko - Dumb Little Man

Na década de 1930, a Alfa Romeo impôs-se entre os protagonistas do automobilismo. O mérito foi de carros automóveis, mas também de pilotos que se tornaram parte da lenda: são os anos de Nuvolari, Varzi, Caracciola e Sommer. Este último conquistou a “24 Horas de Le Mans” em 1932, ao volante de um Alfa Romeo 8C 2300, mas o Alfa Romeo 6C 1750 SS da bela Odette Siko terminou em quarto lugar na geral e venceu a classe de 2 litros.

Jovem parisiense, Odette tornou-se rapidamente uma das atrações das corridas, com a sua elegância desfilando tanto no paddock como na pista, frequentemente na companhia de outra piloto francesa cujo destino também se cruzou várias vezes com o da Alfa Romeo: Hellé Nice. Faleceu em 1984.

Hellé Nice 

Helle Nice: The incredible life story of the first Women's Grand Prix  winner - BBC Sport

Muito conhecida dos brasileiros. Mariette Hèlène Delangle, modelo, acrobata e dançarina, era conhecida pelo nome artístico de Hellé Nice. Famosa pela personaidade extrovertida para a época, Hellé era amiga dos Rothschild e dos Bugatti. Participou em provas na Europa e nas Américas, e se tornou um dos primeiros pilotos a exibir as marcas dos seus patrocinadores na carroceria de uma carro de competição. Em 1933, correu com o seu próprio 8C 2300 Monza no GP da Itália, em Monza, a trágica prova em que Campari, Borzacchini e Czaikowski perderam a vida. Em 1936, venceu a Taça das Senhoras, em Montecarlo, e participou no GP de São Paulo, no Brasil, onde sofreu um terrível acidente, que deixou vários mortos, tendo saído milagrosamente do coma passados três dias.  Faleceu em 1984.

Anna Maria Peduzzi 

Anna Maria Peduzzi - Wikipedia

Os anos da Scuderia Ferrari representaram um capítulo fundamental na história da Alfa Romeo. Entre os pilotos do “Cavallino Rampante” estava Anna Maria Peduzzi, natural de Como, mulher do piloto Franco Comotti e conhecida pela alcunha de “Marocchina” (Marroquina). Depois da estreia ao volante do seu Alfa Romeo 6C 1500 Super Sport, que tinha comprado do próprio Enzo Ferrari, Anna Maria corria quase sempre sozinha, e só ocasionalmente com o marido. Em 1934, venceu a Classe 1500 na “Mille Miglia” e, no período do pós-guerra, correu com o Alfa Romeo 1900 Sprint e com o Alfa Romeo Giulietta. Faleceu em 1979.

Maria Antonietta d’Avanzo 

Maria Antonietta Avanzo, queen of motors - Italian Ways

Precursora das mulheres piloto da Alfa Romeo, a baronesa Maria Antonietta d’Avanzo estreou nas competições após o fim da primeira Grande Guerra. Pioneira do automobilismo italiano, era ainda aviadora e jornalista, Maria Antonietta conquistou o terceiro lugar com um Alfa Romeo G1 no circuito de Brescia, em 1921, e demonstrou o seu valor em muitas competições, revelando uma grande rival dos melhores pilotos da época, incluindo aí o jovem Enzo Ferrari. A baronesa d’Avanzo competiu até aos anos 1940, numa grande diversidade de carros e de corridas, e em todos os cantos do planeta.  Faleceu em 1977.


Compartilhe!
English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano Português Português Español Español