Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

Brütsch Mopetta, o raro “mini mini carro” dos anos 1950

Compartilhe!

Com o fim da Segunda Guerra Mundial, os micro-carros tornaram-se num sucesso no então combalido mercado europeu, pois eram baratos de produzir, e por consequência, baratos de comprar. Além disso, tinham um consumo de combustível extremamente baixo, o que devido à escassez de recursos, era outro benefício inegável. Um dos exemplos mais estranhos disso foi o alemão Brütsch Mopetta.

O Brütsch Mopetta foi desenvolvido pelo alemão Egon Brütsch, e produzido de 1956 a 1958, em Stuttgart, na Alemanha. Era o mais simples possível, e numa escala evolutiva, vinha logo depois das meias e de um par de Havaianas.

Era composto por uma carroceria em fibra de vidro, chassi de aço simples, três rodas, um banco, um pequeno para-brisas e era controlado por um guidão de moto, com alavancas para o freio e embreagem. Tem apenas um farol na frente, duas luzes de freio atrás e dois piscas, um de cada lado, montados ao centro.

O Mopetta é impulsionado por um pequeno motor de um cilindro arrefecido a ar, dois tempos, o ILO-Motorenwerke V50, com 50 cm3 de cilindrada, que trazia integrado uma caixa de câmbio manual três velocidades, que mandava a pouca potência para as rodas traseiras, por meio de corrente. A partida é feita com uma corda, como nas moto-serras. Atinge os 35km/h e faz 40 km/litro, devido ao seu baixo peso de apenas 89kg. Tinha 1,76 metros de comprimento, 1,02 m de entre-eixos, 91 cm de largura e 1,14 m de altura.

A procura pela Mopetta superou, e muito, a sua produção. Foram fabricados apenas 14 exemplares, e hoje existem apenas cinco. Egon Brütsch contactou a Opel para a produção em massa do Mopetta, mas infelizmente (para ele) o projeto não foi para a frente, tendo a produção encerrada em 1958. De todos os micro-carros produzidos por Egon, o Mopetta foi o que teve a menor produção.

O Mopetta que mostramos, produzido em 1957 é, possivelmente, o mais conhecido de todos os exemplares, tendo inclusive ido ao Goodwood Revival em 2006, onde alcançou o pior tempo alguma vez estabelecido por um automóvel. Está licenciado no Reino Unido, com a placa “408 EPD”, tem o número de chassis 482/226267 e esteve na coleção de Malcolm Goldsworthy, sem nunca ter sido restaurado.

A RM Sotheby’s vendeu este carro num leilão, no ano passado, por US$ 75 mil.


Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *