Carro elétrico da Ford usará plataforma VW

Compartilhe!

Agora é oficial. O carro elétrico da Ford recorrerá à plataforma MEB, a mesma do Volkswagen ID.3. Isso mesmo, de uma possibilidade ao anúncio oficial. A recém criada aliança entre Ford e a Volkswagen fará da plataforma MEB a base do futuro elétrico da marca norte-americana.

Volkswagen ID.3
O VW ID.3

 

O que começou com uma parceria para o desenvolvimento de veículos comerciais e picapes entre Ford e Volkswagen, acabou de ser ampliada para o desenvolvimento de veículos elétricos e também em investimento na Argo AI, empresa que desenvolve sistemas para condução autônoma de nível 4.

Confirmado está pelo menos um modelo elétrico com a marca Ford, e outros em discussão. O novo modelo derivará da plataforma MEB, a base de componentes da Volkswagen dedicada a veículos elétricos, cujo primeiro produto será o ID.3, a ser exibido no próximo Salão de Frankfurt, no início de setembro.

O objetivo da Ford é vender 600 mil unidades do seu novo veículo elétrico durante seis anos, começando em 2023. Este será desenvolvido no centro de pesquisas da Ford em Köln-Merkenich, na Alemanha, com a Volkswagen fornecendo peças e componentes MEB (Modular Electric Toolkit).

Herbert Diess, CEO da Volkswagen; Jim Hackett, CEO e Presidente da FordHerbert Diess, chefão da Volkswagen, e Jim Hackett, CEO e presidente da Ford

 

A produção do novo modelo também será feita na Europa, com a Ford precisando converter uma das suas fábricas. O acordo celebrado com a Volkswagen é apenas mais uma parte do investimento superior a US$ 10 bilhões por parte da Ford para veículos elétricos em nível global.

O desenvolvimento da arquitetura e componentes MEB foi iniciado pela Volkswagen em 2016, o que corresponde a investimento superior a US$ 6 bilhões. A MEB será a base dos futuros modelos elétricos do grupo alemão, estando previstas a produção de 15 milhões de unidades durante a próxima década, distribuídas pela Volkswagen, Audi, SEAT e Skoda.

A Ford torna-se, assim, no primeiro fabricante a licenciar a MEB. O construtor alemão já tinha revelado anteriormente que estaria disponível para licenciar a MEB a outras marcas, um passo fundamental para garantir os volumes e economias de escala para rentabilizar o investimento, algo extremamente difícil para a indústria, quase impossível, nesta fase inicial da transição para a mobilidade elétrica.

A Argo AI, que é a empresa dedicada ao desenvolvido de sistemas para condução autônoma de nível 4, acaba de se tornar uma das mais importantes do setor em nível global, após o anúncio da Ford e da Volkswagen -construtores com quem trabalhará de forma mais próxima- apesar de estar aberta a outros.

Jim Hackett, CEO e Presidente da Ford; Bryan Salesky, CEO da Argo AI, e Herbert Diess, CEO da Volkswagen.
Jim Hackett, da Ford; Bryan Salesky, da Argo AI, e Herbert Diess, da Volkswagen.

A Volkswagen investirá US$ 2,3 bilhões, aproximadamente US$ 1 bilhão de investimento direto com o restante vindo da integração da sua própria empresa Autonomous Intelligent Driving (AID) e os seus mais de 200 funcionários. Investimento que vem na sequencia do já anunciado anteriormente pela Ford de US$ 1 bilhão; a valorização da Argo AI é agora superior a US$ 6 bilhões.

O acordo entre a Ford e a Volkswagen as torna detentoras de partes iguais da Argo AI —criada por ex-funcionários da Uber Technologies e Waymo—, e ambos serão os principais investidores da empresa, detendo uma parte considerável desta.

A AID passará a ser, assim, a central da Argo AI na Europa, baseado em Munique, Alemanha. Com esta integração, o número de funcionários da Argo AI crescerá de 500 para mais de 700 em nível global.

 

 

Compartilhe!
简体中文 简体中文 English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano 日本語 日本語 Português Português Español Español