Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

Chery passa a perna na JAC e inaugura fábrica no Brasil

Compartilhe!

fabrica_chery_3

A JAC Motors fez festa, enterrou carro, prometeu, prometeu, e até agora não fez. Aí veio outra chinesa, a Chery, e inaugurou sua fábrica de veículos no Brasil. Localizada em Jacareí, SP, tem capacidade produtiva inicial de 50 mil carros/ano e deve começar a fabricar em dezembro. Os carros escolhidos são o Celer, hatch e sedã. O pequeno QQ chega no ano que vem.

Anunciada em 2011, exigiu investimentos de US$ 500 milhões, sendo US$ 400 milhões destinados à linha de montagem e US$ 130 milhões na fábrica de motores, que fica a 5 km do local. São cerca de 400 mil m2 de área construída numo terreno de 1.000.000 m2. A área construída inclui funilaria, solda, pintura, montagem de veículos, área de teste, estação de tratamento dos efluentes e uma subestação de energia. Os veículos que serão fabricados em Jacareí irão abastecer o mercado nacional e outros países da América do Sul.

Nova Fábrica da Chery (Foto: Divulgação)

Em junho a marca mostrou o primeiro Celer fabricado no Brasil, ainda de maneira manual. A Chery já contratou 300 funcionários e deve chegar a 500 até o fim do ano, número que vai crescer para 1.200 empregos diretos com o início das produções e 4.000 mil quando a fábrica estiver operando com capacidade total.

A marca espera vender 14 mil carros importados até o final do ano, mas no primeiro semestre deste ano Chery vendeu apenas 369 Face, 1.411 QQ, 1.119 Tiggo, 1.402 Celer, 29 Cielo e 35 S-18, estes dois últiomos modelos fora de linha. No total são cerca de 4.300 carros nos primeiros seis meses.

fabrica-chery-4

Na fábrica de motores serão feitos os 1.0 e 1.5 para  equipar os Celer e QQ. Enquanto a fábrica de motores não ficar pronta, os carros serão equipados com conjuntos importados. A Chery pensa grande, e planeja fazer no Brasil também o novo SUV Tiggo, talvez em 2016, e um modelo exclusivo para nosso mercado em 2018.

A montadora projeta que até 2018 terá 3% do mercado nacional, sendo que hoje tem apenas,25%.


Compartilhe!
English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano Português Português Español Español