Classic CarsSlide

DKW F102, o “avô” do Passat

Compartilhe!

 O DKW F102 foi um carro da Auto Union alemã, apresentado em 1963 e encerrado em 1966, que só teve vida muito curta devido à aquisição do grupo pela Volkswagen em1964 (o mesmo se repetiu no Brasil, em 1967). Por isso, o DKW F102 foi não só o último automóvel do grupo Auto Union, mas também o último modelo desenvolvido de modo independente pela DKW e o último modelo com motor de dois tempos produzido pela Auto Union. Chegou mesmo a ser comercializado com a marca Audi e teve cerca de 50.000 unidades produzidas. Trazia algumas qualidades que permitiram a sobrevivência do grupo por algum tempo.

por Ricardo Caruso

dkw-f102-4

 “Unir para sobreviver” parece ter sido o slogan que norteou a criação da Auto Union em 1932, quando quatro marcas alemãs se uniram durante a crise para unir os seus recursos. Conseguiram assim uma união sólido, que permitiu a este grupo enfrentar, por exemplo, a Mercedes-Benz, e uma prova disso foi durante as competições da década de 1930, com suas “flechas de prata”! Dentro deste grupo, a marca DKW era responsável por projetar, além das motos, carros com vocação popular.

dkw-f102-5

 Após a Segunda Guerra Mundial, com a Alemanha em frangalhos, a DKW lançou em 1950 o F89, carro cuja carroceria foi utilizada ao longo da década (e deu origem aos DKW Vemag nacionais), equipado com motor de dois tempos, que a DKW continuou desenvolvendo, aumentando gradualmente a sua cilindrada e potência com o aparecimento de novas versões. Mas no início da década de 1960, este modelo, que desde 1958 se chamava DKW 1000, estava obviamente ultrapassado, e a Auto Union tinha que oferecer algo realmente novo aos seus clientes.

 Foi assim que a DKW começou a trabalhar em um novo sedã médio, que deu origem ao F102, apresentado em agosto de 1963. Este carro oferecia um novo desenho, na forma de um verdadeiro sedã e, embora só tivesse duas portas, seu espaçoso interior permitia acomodar cinco pessoas, sem esquecer o generoso porta-malas com 600 litros de volume. O modelo tem linhas que claramente inspiraram os DKW Fissore brasileiros pouco tempo depois.

Infelizmente, mesmo com essa abordagem moderna que permitiu à DKW entrar forte no mercado de automóveis da época, a marca manteve-se fiel aos seus motores de dois tempos, no caso do DKW F102 era um três cilindros em linha com uma capacidade de 1.175 cm3. Alimentado por carburador, este motor tinha 60 cv, que chegavam às rodas dianteiras por meio de uma caixa de câmbio manual de quatro velocidades. Por outro lado, o baixo peso do carro (860 kg) permitia que o F102 tivesse bom comportamento dinâmico.

 Além disso, durante a apresentação do carro, a imprensa elogiou muito o comportamento nas ruas e estradas do F102 que, no entanto, utilizava o chassi da linha F12, com suspensões com barra de torção, freios a disco dianteiros e tambores traseiros. Mas acima de tudo, o DKW foi construído em torno de uma carroceria monobloco, uma inovação no grupo Auto Union que, no entanto, exigiu adaptações significativas nas linhas de produção das fábricas.

 É por isso que a produção do DKW F102 só começou realmente em 1964, e os primeiros comentários dos clientes apontaram para o motor que era considerado pouco potente e bastante voraz em termos de consumo de gasolina. A DKW tentou corrigir a situação alterando as configurações para favorecer o consumo, mas isso aconteceu em detrimento da confiabilidade. Por outro lado, o conforto e a dirigibilidade do F102 eram suas grandes qualidades.

dkw-f102-3

 No início de 1965, o DKW F102 precisava de um modelo de quatro portas, mas este variação não teve tempo de decolar já que em março de 1965 a Volkswagen comprou a Auto Union da Mercedes, e depois disso analisou as vendas dele durante os últimos meses meses dentro do grupo. Se o DKW F102 teve alguns bons números de vendas, a Auto Union também possuía um grande estoque não vendido deste modelo.

Foi por isso que a Volkswagen decidiu interromper a produção do DKW F102 em março de 1966, após 52.753 exemplares produzidos, mas aproveitou sua carroceria para adicionar um motor de quatro cilindros arrefecido a água em linha e comercializá-lo sob o nome Audi F103 (ou Audi 60). Foi o primeiro carro novo da Audi desde o fim da guerra, e pode ser considerado o “avô” do primeiro VW Passat.

O Audi 60, ou Audi F103. Aqui começou a nascer o Passat.

Compartilhe!
1721660997