Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

COROLLA XRS: PARECE MAS NÃO É…

Compartilhe!

O novo Honda Civic perdeu sua melhor versão, a esportiva Si. Vendia pouco mas consolidava a imagen do carro. A Toyota, de olho nesse público, apresentou o seu esportivo, o Corolla XRS, com vários mimos para agradar clientes de uma faixa etária mais baixa. Mas não comemore, pois as
mudanças foram apenas na parte estética, e nada foi modificado no motor 2.0 16V de 142 cv (gasolina) ou 153 cv (etanol). A base usada pelos japoneses para o “esportivo” foi a versão XEi. Aparências, nada mais…

Com o XRS, a idéia da Toyota é não dar espaço no mercado para que o novo Civic ameace sua liderança, como aconteceu na geração anterior. Ao apresentar a nova geração do Civic, a Honda excluiu da lista o versão Si, pois segundo ela, hoje o motor mais potente encareceria demais o
modelo, que poderia chegar a custar R$ 120 mil. Como a Honda peca pelos seus constantes erros, abriu caminho para a Toyota e deixou de atender uma faixa pequena de público, mas de caráter institucional importantíssimo.

 O XRS tem ar-condicionado digital, freios com ABS, airbags, sistema de som com MP3 e conexões com iPod e USB, Bluetooth e sensor crepuscular, entre outros itens. Como na época dos melhores Corcel GT, foram incluídos detalhes para deixá-lo com “aparência” esportiva: nova grade dianteira com filete único, máscara escurecedora nos faróis, spoiler dianteiro e aerofólio traseiro com terceira luz de freio, saias laterais, rodas com pintura escura e terceira luz de freio. Por dentro, revestimento interno preto, detalhes prateados, bancos de couro com costuras vermelhas, volante com a parte inferior do aro reta e “borboletas” para as trocas de marchas, e tapetes exclusivos da versão.

A Toyota já havia frequentado ese segmento há alguns anos, com o Corolla S. Como agora não tem concorrentes, o Corolla não sofreu mudanças mecánicas, e nessa parte não há nada que diferencie o XRS das demais com motor 2.0. Assim, mesmo que o visual passe a impressão de “carro esportivo”,
a dirigibilidade continua exatamente a mesma. Nada que comprometa, pelo contrário, pois o Corolla é um carro muito agradável de dirigir. Mas longe de ser um esportivo de pelo menos 200 cv.

Mas a característica mais decepcionante é o câmbio automático Shift Tronic. Isso mesmo, esse Corolla é um incoerente “esportivo” com transmissão automática de quatro velocidades. Tudo
certinho, funciona bem, mas isso torna a direção apenas confortável, eliminando qualquer possibilidade de diversão ou de fazer o carro render mais. Segundo a marca, o Corolla XRS acelera de zero a 100 km/h em 11,6s com etanol e em 11,8s com gasolina. O consumo urbano é de aproximadamente 6 km/litro com etanol e 8 km/litro com gasolina. Em ciclo rodoviário, os números são de 10 km/litro e 12 km/litro, respectivamente.

Outra bobagem da Toyota é em relação às cores disponíveis, apenas prata e preto. Faltou o branco –que está na moda- e o vermelho. A Toyota conta com vendas de 80% do preto e 20% do prata, e espera que o XRS represente cerca de 10% nas vendas do Corolla. O preço é R$ 79.500, entre o XEi e o top de linha Altis.

 

Confira os preços dos Corolla:

XLi manual – R$ 64.500,00

XLi Automático – R$ 68.500,00

GLi manual – R$ 68.000,00

GLi Automático – R$ 71.500,00

XEi Automático – R$ 78.000,00

XRS Automático – R$ 79.500,00

Altis Automático – R$ 87.800,00

 

 


Compartilhe!
English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano Português Português Español Español