Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

Coronavírus: equipes pressionam, e o GP da Austrália está cancelado

Compartilhe!

Prova de abertura do mundial deve ser adiada devido ao Covid-19

Está cancelado o GP da Austrália de Fórmula 1. Tudo começou quando a equipe McLaren confirmou que não iria participar da prova de abertura do Mundial de F-1, que aconteceria neste fim de semana. Em seguida Lewis Hamilton e demais pilotos e equipes pressionaram a organização, e o GP foi cancelado.

A decisão da equipe britânica aconteceu por conta de, surge de um membro da sua equipe ter sido colocado em isolamento no hotel por suspeita de infecção de Covid-19.

O resultado dos exames efetuados no mecânico da McLaren acabou por confirmar a contaminação de coronavírus, o que iniciou a polêmica sobre a realização ou não do evento.

“A equipa estava preparada para esta situação e dá todo o apoio ao nosso funcionário, que vai agora entrar em período de quarentena. Estamos trabalhando com as autoridades locais para analisar toda a situação”, explicou a McLaren em comunicado

O chefão da McLaren, Zak Brown, e Andreas Seidl, chefe da equipe, informaram a F-1 e a FIA da sua retirada do GP da Austrália.

“A decisão foi tomada pensando em nossa equipe e em todas as equipes do paddock da Fórmula 1 e fãs “, concluiu o comunicado.

Lewis Hamilton, o mais politizado dos pilotos da categoria e respaldado pelos seis títulos de campeão, se mostrou surpreso por não ter sido suspenso de imediato o GP da Austrália, prova de abertura da nova temporada, devido à pandemia do Covid-19.

“Estou muito surpreso por estarmos em Melbourne. Acho incrível e chocante haver corridas, estou surpreendido por estarmos todos sentados nesta sala”, afirmou na coletiva de imprensa de lançamento do evento.

“O dinheiro é o rei. Vemos os Estados Unidos fechando a fronteira para 26 países europeus, a NBA a suspendendo jogos, mas nós continuamos…”, desabafou.

O seis vezes campeão mundial, que este ano deve igualar o recorde de títulos e superar o de vitórias doo alemão Michael Schumacher, mostrou preocupação com a possibilidade de haver contágios.

“Cruzei com Jackie Stewart e com outras pessoas de mais idade. Para mim, é preocupante”, disse Hamilton, frisando: “Espero que todos tenham cuidado e tomem precauções até ao tocar nas fechaduras e outras superfícies”.

Também o finlandês Kimi Raikkonen (Alfa Romeo), campeão mundial em 2007, afirmou que realizar a prova “provavelmente, não era a melhor decisão”.

Neste momento, há suspeitas de que cinco membros de equipes estejam contaminados com o novo coronavírus. Caso isso se confirme, ou seja, positivo nos exames, as equipes a que pertencem -Haas e McLaren- deverão entrar todas em quarentena.

“Ouvi dizer que os resultados dos exames só serão conhecidos dentro de cinco dias. Coincidência…” , ironizou Hamilton. Mas no fim o bom senso prevaleceu.


Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *