Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

Cuidado: cadeirinhas infantis são reprovadas em testes

Compartilhe!

A PROTESTE avaliou diversas cadeirinhas para crianças de 0 a 36 kg e, como nas outras três avaliações, nenhuma chegou perto da nota máxima.

images

Diversas cadeirinhas infantis vendidas no Brasil não oferecem proteção adequada para as crianças em caso de acidente automotivo. Relatório divulgado pela PROTESTE (Associação de Consumidores) envolveu nove modelos destinados a bebês de até 3 anos. Apesar de aprovadas pelo Inmetro, nas avaliações da PROTESTE os resultados foram considerados “preocupantes”.

Nenhuma cadeirinha alcançou a nota máxima de segurança, só uma garantiu proteção na simulação de impacto lateral, teste que não faz parte das exigências necessárias para homologação desse tipo de cadeirinhas no Brasil. Pior: dois modelos de cadeirinhas não suportaram o impacto frontal e simplesmente quebraram.

A bateria de testes contemplou duas das cinco classes de cadeirinhas existentes no mercado: 0+ (de 0 a 13 kg, peso médio de bebês entre 0 e 1 ano) e 1 (9 a 18 kg, o peso de crianças entre 9 meses e 3 anos). Também entraram na avaliação modelos que combinam os dois tipos (0+/1, de 0 a 18 kg).
Diferente do Inmetro, que realiza o teste de batida frontal a 50 km/h, com as cadeirinhas fixadas nos bancos traseiros, a PROTESTE simulou impactos frontais a 64 km/h (de acordo ccom a Latin NCAP para crash tests); os laterais são feitos a 28 km/h. Nas avaliações foi usada uma estrutura de carroceria semelhante ao Volkswagen Golf. A escala de avaliação é de “Ruim”, “Fraco”, “Aceitável”, “Bom” e “Muito bom” nas avaliações específicas, contempmando com estrelas na análise geral.

COLISÃO FRONTAL

No impacto frontal, houve grande deslocamento do boneco nos modelos Baby Style Cadeira 7000, Chicco Xpace e Galzerano Orion Master. Neste último, a parte traseira se rompeu perto do cinto de segurança da cadeirinha. Na Baby Style 333, a presilha lateral quebrou, jogando o boneco bruscamente para os lados. Ocorreu muito movimento também com Chico Eletta e Nania Cosmo SP Ferrari.

Os resultados foram ainda piores no teste de colisão lateral, que ainda não é exigido pelo Inmetro para cadeirinhas vendidas no Brasil e que lutaremos para que seja incluído no país.

IMPACTO LATERAL

A única cadeirinha com proteção lateral aceitável foi a Bebe Confort Axiss. Nos modelos Burigotto Touring SE 3030 e Lenox Casulo, houve forte contato da cabeça do boneco com a lateral da porta. Os demais, ruins, tiveram um choque menos intenso. Para mais proteção, instale a cadeira no centro do banco traseiro, caso o carro tenha cinto de três pontos, pois o cinto abdominal não a prende com firmeza.

INSTALAÇÃO

Por não adotarem o simples e eficente sistema ISOFIX de fixação de cadeirinhas, a mais complicada de instalar foi a Baby Style 333, pelas dificuldades em passar o cinto pelos caminhos e ajustá-lo. Os resultados melhoraram ao colocar a criança na cadeirinha, em que Baby Style Cadeira 7000 e Galzerano Orion Master exigiram mais força para bebês mais pesados.

(Fonte: PROTESTE).

Fica a nossa dica: ao transportar seu filho no carro, reze, triplique a atenção e dê preferência às cadeirinhas vendidas no mercado norte-americano, que são muito mais seguras e muito mais baratas.

CONFIRA OS RESULTADOS


Compartilhe!
English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano Português Português Español Español