Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

DE CARRO POR AÍ, com ROBERTO NASSER

Compartilhe!

Chrysler 300C, a cara de Detroit

É canadense, traz as exigências dos compradores dos EUA, e simbiose interessante e de bons resultados. Mudado externamente, amenizado em linhas, trocando a cara de mau, depois que a Fiat assumiu, para poder vende-lo na Europa – lá é Lancia. É o maior da Chrysler, em nova fase, com boa parelha mecânica: novo motor V6 feito em casa, o Pentastar de 3,6 litros, 286 cv, e entrosado câmbio automático de 8 velocidades, capazes de fazer entre 8 e 12 km/litro de gasolina, em ambiente silencioso e confortável, de rolar superior pela suspensão independente nas 4 rodas, com cinco braços de ligação no diferencial traseiro.

Objetivamente é casamento bem articulado: um Mercedes-Benz Classe E por baixo, transmissão ZF comum com a marca alemã e diferencial idem. Eflúvios do controle e mau negócio para a Mercedes sobre a Chrysler; pior para esta, que faliu; ótimo para a Fiat, assumindo-a apenas pelo investimento em produtos de menos consumo.

Chrysler 300C: único representante de Detroit no Brasil.

Preço bom. Em torno de R$ 160 mil.

A hora do charme. Citroën DS3

Mercado ruim em todo o mundo marcas se acertam, fundem, fazem acordos. Outras, às vezes centenárias, fecham. A Citroën resolveu se re-inventar apostando em sua imagem mundial – atrevimento em design- aproveitou o presente dado pela BMW – produzir motores turbo de baixa cilindrada, o 1.600HTP, 156 cv e fantásticos 24 mkgf de torque a rotações mínimas, apto a puxar veículos leves – sedã, cupê, utilitário esportivo … E, com liberdade para transformar, criou a adicional família DS.

Inicia trazer ao Brasil o menor deles, DS3, apresentado com assustada alegria, exatamente no dia do anúncio das medidas de fomento, fazendo contas rápidas para definir preço com redução, R$ 79.900. Plástico adicional para personalizar e colar no teto, mais R$ 700 e, bancos revestidos em couro, caros R$ 2.900.

Nesta fase de transição entre a mecânica antiga e a aplicação de novos conceitos, os resultados parecem milagre, mas são, apenas a soma de tecnologias e de eletrônica. Melhor medida, o grande torque grande em baixa rotação, num gráfico não desenharia centenária curva, difícil de subir, fácil no cair. Os motores de agora dão pico de enorme torque logo acima da marcha lenta, mantém-no plano como um tampo de mesa, e o levam quase ao limite de giros para a potência máxima. Na prática, dirigir em baixas rotações, motor inaudível, vai bem. Mas se você amanheceu, como se diz em Minas, com a vó-atrás-do-toco, o motor alemão topa desaforo. O resultado sensorial é te colar no banco enquanto cresce de rotação e o chão passa cada vez mais rápido. Do sair aos 100 km/h, 7,3s – tempo de gente grande. Exemplifica novos parâmetros de rendimento, novos tempos de engenharia de downsizing, o diminuir o motor em cilindrada, volume e peso, sem prejuízo no gerar torque e potência.

O carro é bem composto nas linhas atrevidas, cuidados aerodinâmicos. Há incompatibilidade entre os pneus com aro 17” e série 45, lateral baixa, e o apetite dos buracos nacionais.

É distintivo, não passa sem chamar atenções, combina com as pretensões. Venderá ? Ninguém sabe neste país de emoções, com aumentos de impostos para os importados. Mas a Citroën projeta 250 unidades mensais, concorrendo com o Audi A1e o Mini.

DS3. Nova família Citroën conjuga charme com motor valente

Fiat Doblò. Não muda, que estraga

Diferente, esquisito, peculiar, insólito, mais feio-que-bater-em-mãe, vários adjetivos referenciam o Fiat Doblò. Um conceito, entretanto, é unanimidade: é competente. Entrega mais que se imagina, tem muitas composições para bem aproveitar seu espaço, e bem se casa com o novo motor FPT EtorQ 1.8, 16V.

Sem querer evoluir para o Qube, este sim, mais-feio-que-bater-em-mãe-no-dia-das-mães, a Fiat aplicou-lhe novidades para caracterizar a linha 2013 e criou, entrando na canoa amazônica conduzida pelos irmãos Villas Boas, a versão Adventure Xingu. Agrega itens que os valentes sertanistas nunca conheceram: rádio CD MP3 /WMA com RDS, retrovisores externos elétricos, bordados nos bancos, faixas adesivas. Do brinde oferecido aos compradores, conheceram alguns itens – mochila, lanterna, caderno e amuleto.

Também desconhecidos aos irmãos inspiradores de filme e versão automobilística, o kit HSD, com duas almofadas de ar para passageiros da linha de frente, e sistema anti bloqueio nos freios.

 Quanto?

Versão                                                    R$
Doblò Attractive 1.4 Flex                        51.020
Doblò Essence 1.8 16V Flex                    56.890
Doblò Adventure Xingu Flex                    60.980
Doblò Cargo 1.4 Flex                             40.460
Doblò Cargo 1.8 16V Flex                      45.300

Sonic, outro importado da GM

Missão dura: substituir o nacional Astra pelo coreano Sonic, nestes dias em que o governo constrói parede anti-importados, mas única opção à GM sem renovar sua linha de produtos, e sobreviver à crise causada por sua empáfia.

O Astra empregava plataforma e motores antigos, e o Sonic é mais recente. Coreano Daweoo tem motor 1.6, 24 válvulas e não consegue romper com o passado, vivos resíduos de Monza e Corsa ainda remanescentes em alguns Chevrolet no Mercosul, mostrando motor com bloco em ferro e transmissão mecânica com apenas 5 velocidades – a automática, mais moderna, tem seis.

Em versões hatch cinco e sedã quatro portas, decoração LT e LTZ, é bem composto esteticamente e bem aproveita o espaço interno. Segue os sedimentados parâmetros GM de fazer carro para mostrar o exterior aos vizinhos, como os faróis com dois canhões de luz, e deixar as deficiências da composição interna aos usuários.

Internamente padrão idêntico, comum pacote de facilidades eletrônicas, dois porta luvas, porta objetos, e instrumentos e comandos futurísticos – ou para compradores mais jovens em países com maior renda que o Brasil.

Mecânica razoável, sem inovações. Suspensão frontal Mc Pherson e traseira por simplório eixo torcional. O motor mostra antiguidade e aproveitamento com bloco de ferro, oposto ao esforço de aumentar rendimento e diminuir peso através de ligas leves. Nele, atualizados são os dois comandos de válvulas com regulagens automáticas de abertura, assim como para os dutos de admissão.

A engenharia local adaptou-o para flex e, ao final, com álcool produz 120 cv e com gasolina 116. Pico de torque em 16,3 e 15,8 kgmf, com 90% a 2.200 rpm.

Com preços referenciados em R$ 46.200 e 56.100 emprega conhecido adjetivo Premium para explicar ser caro, porém o Premium do Sonic é menos Premium que os Honda Fit e City, os Ford New Fiesta.

 De olho

Questão pessoal, não aceito convites para eventos da GM e, para não deixar os leitores menos informados, completo leitura com ouvir dois jornalistas especializados presentes à apresentação. Visões antagônicas. Para um o Sonic deve ter sido projetado por Nelson Rodrigues, lembrando sua famosa peça teatral “Bonitinha mas Ordinária”. Outro, nitidamente insandecido disse, a GM perderá dinheiro com o Sonic, tão bom por tão pouco. A verdade passa pelo meio.

Duas questões: Venderá ? Sim, concessionários GM são mais mais aguerridos e se capazes de vender Corsa e Ágile, qualquer produto levemente melhor, dão festa. Interessa ? É de se perguntar: Agrega valor ao país a crescente desnacionalização dos produtos GM, empregando coreanos fazendo o Sonic, e dispensando os que faziam o Astra em São Paulo ?

Quanto?

Modelo/versão                                  R$
Sonic LT hatch                               46.200
Sonic LTZ hatch                             48.700
Sonic LT sedã                                49.100
Sonic LTZ sedã                              51.500
Sonic LTZ A/T hatch                       53.600
Sonic LTZ A/T sedã                        56.100
Sonic. Diga Sônic…

Roda-a-Roda

Alfa-san – Se você gosta de Alfas, em especial conversíveis, prepare-se para o choque. O próximo não será Zagato, Pininfarina, Bertone, porém da japonesa Mazda, contratada pela Fiat. O produto, com plataforma do MX5, novo Miata, servirá às duas marcas, com novidades como tração traseira e motorização separada. Em 2015.

Mercedes – Há anos a Renault lançou pacote de medidas de valorização e lucros. Nele, evolução em qualidade ao nível dos Mercedes. Não deu certo, mas foi direto à fonte alemã e fará veículos de luxo baseados na plataforma MB E, os Initial Paris. Razão ? No mercado europeu vendas dos carros de luxo caem menos que a dos populares. Contraprestação, a Renault, fará o pequeno Smart sobre a plataforma do novo Twingo, a partir do próximo ano.

Surpresa – Qual o Utilitário Esportivo grande mais vendido ? Acredite, o Jeep Grand Cherokee. De janeiro a abril, 512 unidades. Distante, das 374 unidades do 2º. Colocado, Land Rover Discovery 4. Explicação simples, dirigiu, perguntou o preço, comprou. A base é Mercedes-Benz e o novo motor, vigoroso e novo V6 de 286 cv ajudam na escolha, garantida por mais de 80 prêmios mundiais.

Mistura – Mais de 300 mil unidades vendidas, sucesso, o Novo Uno linha 2013 mescla equipamentos e acessórios, como incorporar o kit HSD – duas almofadas de ar e freios ABS com EBD em versões Way e Sporting 1.4; apoio de cabeça em todas as versões. Preços a partir do Vivace 1.0 a R$ 24.260.

Diploma – No Brasil pouco influi aprovação nos testes Euro NCap, mas aos europeus, exigentes e educados, é grande referência. Indica superar avaliações por instituto independente, em especial sobre danos a usuários pós pancadas sérias. No caso o laureado é o Peugeot 208, aqui em 2013.

Opção – A Volkswagen não marcou a linha 2013 por mudanças estéticas ou visuais, mas a melhor compor os automóveis para suas funções, como bolsos com zíper, baixo relevo nos revestimentos. É pouco.

Aval – Na listagem de veículos como melhores compras, a revista Autoesporte indicou o Nissan Versa como Melhor do Segmento.

E então – A falta de projeto para a indústria automobilística e as soluções empregadas, sempre com renúncia fiscal – com a sociedade bancando incentivos – é de se perguntar como ficará o mercado após setembro, quando acaba a pequena redução do IPI. A benesse será estendida ?

Fim – Caíram do telhado: Renault Megane Gran Tour; Citroën Picasso; GMs Corsa, Meriva, Zafira. Se a fim de bom negócio por compra com grandes descontos, vá atrás. Se não, espere o bloco passar.

Líder – Tabulação da agência Millward Brown, os bons resultados de vendas da BMW, produtos, projetos, bom comportamento no grande mercado chinês, e seus dados econômicos – faturamento, lucro, tamanho do cofre – fizeram superar a Toyota como a marca mais valiosa do mundo.

Negócio – Ágil, a Audi criou novo canal de vendas para seus produtos, falando direto com quem tem meios e interesse técnico: mostra-os nos eventos técnicos da MAN, dona da Volkswagen Caminhões.

Bem cotada – Motores Renault na Fórmula 1 fazem boa imagem: vencendo pela terceira vez seguida no GP de Mônaco, sexta no circuito e terceira – metade – nas provas desta temporada.

Acordo – Usar as provas da Fórmula Indy para fazer vendas e marketing de relacionamento, deu resultado quatro vezes superior ao investimento. Nas 500 Milhas de Indianapolis exportadores brasileiros venderam US$ 509M. Daí a Agencia Brasileira de Promoção de Exportações e Investimento – APEX Brasil – renovar patrocínio. Uma das ações é fornecer o álcool utilizado nos carros.

Mistura – Futebolista Neymar Jr tem patrocínio das Baterias Heliar. Emerson Fittipaldi, da Moura. Um ilustra, outro avaliza. Em quem dar crédito na hora da compra ? Nas caras Caterpilar que duram como as japonesas, ou nas que duram um ano e um dia ? Melhor seria que anunciassem as Optima, também da Johnson Controls, de nível superior.

Tiro e queda – Graves fortes, pouco espaço, resumem a bazuca amplificada Fusion, importada pela AV2. 30 cmx30cm, dita ideal para som em picapes.

Ecologia – Pesquisa da japonesa fábrica de pneus Bridgestone com a flor Dente de Leão, deu resultados promissores na produção de borracha para pneus.

Gente – Sérgio Pugliese, gerente na MAN Latin America – ex VW Caminhões – exportado. Será número 1 na divisão argentina da empresa. ++++ Julio Steg, engenheiro, idem. Gerente de marketing no vizinho mercado. ++++ Martin Fritsches, 35, crescimento. Diretor da BMW, vendia motos, Minis, agora promovido diretor comercial da marca. Começa lançando a nova Série 3. ++++ Carlos Alberto Oliveira Santa Cruz, peruano, engenheiro, desafio. Executivo laureado na 3M teve passe comprado para dar ordem à PPG, multi de tintas automotivas. Quer mostrar ao mercado ter a empresa o maior portfólio de produtos.

Endereço eletrônico: edita@rnasser.com.br Fax: 55.61.3225.5511


Compartilhe!
English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano Português Português Español Español