Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

Dieselgate: ex-Audi e hoje chefão na Porsche, vai para a cadeia

Compartilhe!

Jörg Kerner ex-executivo da Audi quando eclodiu a fraude dos motores a diesel e providencialmente transferido para a Porsche, foi detido na Alemanha após operações de busca e apreensão vinculadas ao escândalo do “Dieselgate” que abalou -e ainda abala- as estruturas do Grupo Volkswagen.

O chefe de desenvolvimento de motores da Porsche, Jörg Kerner, foi preso em Stuttgart, na Alemanha, segundo noticiou a agência Reuters. O engenheiro estava sendo investigado por autoridades alemãs pelo envolvimento no escândalo das fraudes de emissões, o Dieselgate. O chefe da Porsche foi preso para evitar que ele fuja ou destrua provas, atrapalhando as investigações que estão em andamento.

A Porsche -que faz parte do Grupo Volkswagen- também instalou (com Audi e VW) um software em seus motores a diesel, para fraudar os níveis de emissão de poluentes emitidos durante testes. Quando o sistema identificava uma situação de teste, mudava os parâmetros de medição; rodando, os níveis e emissões eram criminosos. O esquema esteve em uso desde 2009 e afetou pelo menos 11 milhões de veículos em todo o mundo. O escândalo veio à tona em 2015 e já teve diversas penalizações nos Estados Unidos.

As autoridades alemãs fizeram buscas em escritórios propriedades da Porsche e Audi. Segundo se noticiou na época, os alvos da investigaçãoeram três funcionários do Grupo, e agora se sabe que um deles era Jörg Kerner. O executivo da Porsche continuará preso enquanto for considerado risco para as investigações. 

A  justiça local está acusando os envolvidos de saberem que o software -criado pela Bosch- estava sendo instalado em nos veículos do Grupo. O motor em questão, equipado com o programa fraudador é o 3.0V6 a diesel desenvolvido pela Audi e que equipou cerca de 80 mil veículos da Volkswagen, Audi e Porsche, incluindo o Macan e Cayenne.

A investigação vem ocorrendo há algum tempo, embora poucas informações vazem. Em setembro, um segundo suspeito foi preso em Munique (Alemanha), e se tratava de um funcionário ou ex-funcionário da Audi.

 

 


Compartilhe!
English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano Português Português Español Español