Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

E-diesel sintético da Audi que não polui já está sendo fabricado

Compartilhe!

A Audi dá um grande passo na produção de combustíveis sintéticos que não emitem CO2. Com a inauguração de uma fábrica-piloto na Alemanha, em Dresden-Reick, a marca vai produzir 160 litros de “Blue Crude” por dia por meio de água, CO2 e eletricidade “verde”.

audi-hybrid-sportscar-24-750x400

A fábrica-piloto foi inaugurada na semana passada sexta-feira e se prepara agora para produzir “Blue Crude”, com 50% da matéria produzida podendo ser transformada em diesel sintético. O “Blue Crude”, isento de enxofre e aromáticos, é rico em cetano, o que significa que é altamente inflamável.

As propriedades químicas deste combustível permitem a sua mistura com diesel de origem fóssil e a utilização como combustível. Esta incursão da Audi nos e-combustíveis começou em 2009 com o e-gas: no Audi A3 g-tron é possível abastecer com metano sintético, produzido na Baixa Saxônia, em Werlte, na fábrica de e-gas da Audi.

TECNOLOGIAS E PARCERIAS

Em parceria com a Climaworks e a Sunfire, a Audi e os seus parceiros pretendem provar que é possível a industrialização dos e-combustíveis. O projeto, parcialmente financiado pelo governo a alemão, foi precedido pela pesquisa e desenvolvimento que consumiu dois anos e meio.

Do ar do meio ambiente é extraído o CO2, e daí se segue o processo “power-to-liquid” que é introduzido no trabalho por meio da Sunfire. Mas, como é que é produzido? A fábrica parceira Sunfire, que trabalha de acordo com o princípio “power-to-liquid”, recorre a matérias-primas como o dióxido de carbono, água e eletricidade. O dióxido de carbono é extraído direto do meio ambiente capturando diretamente o ar, por intermédio de uma tecnologia desenvolvida pelos parceiros suíços da Climeworks.

Neues Audi e-fuels Projekt:  e-diesel aus Luft, Wasser und Oekostrom

Num processo em separado, uma unidade de eletrólise alimentada com eletricidade “verde” decompõe a água em hidrogênio e oxigênio. O hidrogênio reage, então, com o dióxido de carbono em dois processos químicos realizados a 220 oC e à pressão de 25 bar, para produzir um líquido energético composto de hidrocarbonetos denominado “Blue Crude”. Este processo aumenta a eficiência até 70%.

Também está em estudo a produção de e-gasolina, em parceria com a francesa Global Bioenergies, e a produção de Audi e-diesel e Audi e-etanol com recurso de micro-organismos, em parceria com a empresa norte-americana Joule.

Antes da inauguração da fábrica piloto, o Cleantech Group, de São Francisco (Estados Unidos) adicionou a Sunfire à sua lista das 100 empresas ecológicas mais inovadoras do mundo (“Global Cleantech 100”). Na “liderança da técnica”, a Audi inicia uma nova fase no seu investimento em e-combustíveis com parceiros sérios e com exclusividade.


Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *