Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

Enlouqueceu? Ecclestone quer a Fórmula 1 sem Monza

Compartilhe!

997454283959728811

Das duas, uma. Ou a senilidade o atacou de forma definitiva, ou ele é um fanfarrão. Bernie Ecclestone, o poderoso chefão da Fórmula 1, quer a categoria com três carros por equipe, com menos equipes e sem o GP da Itália em Monza. Para ele, esta é a solução para as críticas aos elevados custos da competição.

A ideia de mais carros e menos equipes não é nova. Aliás, foi várias vezes defendida pelo presidente da Ferrari, Luca di Montezemolo, mas agora é objetivo de Ecclestone, detentor dos direitos comerciais da competição. “Quero a Fórmula 1 com oito equipes e três carros”, defende Ecclestone. “Acredito que esta é a solução para acabar com as queixas sobre os elevados custos da competição. Assim poderemos ver lutas entre três Ferrari ou três Caterhams, o que aumentaria a competitividade na Fórmula 1”.

Sobre a crise financeira da Caterham, Ecclestone diz desconhecer o que está acontecendo. “Tony Fernandes investiu muito dinheiro. Tem pilotos competitivos, mas não sei, o que houve?”, questionou. Ecclestone admitiu ainda que o objetivo agora é conseguir atrair novos fabricantes para a Fórmula 1, que está minguando ano a ano. “Precisamos de um campeonato que seja bastante atrativo”. “As equipes estão investindo valores em torno de US$ 200 milhões para construir túneis de vento e simuladores monolugares. Acreditamos que com três carros posso diminuir os custos”, salientou.

Bernie Ecclestone não parou por aí, e arranjou mais um motivo para deixar os fãs da Fórmula 1 contra ele. A razão? A possibilidade do circuito de Monza deixar o calendário da categoria a partir de 2016. Em declarações a jornais italianos, Ecclestone mostrou-se insatisfeito com o atual contrato, que considera um desastre do ponto de vista comercial.

“Acho que não vamos assinar outro contrato”, disse Bernie. “O antigo é um desastre para nós, e depois de 2016, adeus…”. Questionado sobre o interesse de Luca de Montezemolo, presidente da Ferrari, de levar a Fórmula 1 para o circuito de Mugello, Ecclestone limitou-se a dizer: “Não recebi qualquer proposta”.

Sobre este assunto, Antonio Rossi, do Departamento de Esportes e Políticas para a Juventude da Região da Lombardia, pediu a intervenção do governo nas negociações com Ecclestone. “As declarações de Ecclestone são de grande preocupação para nós. Como conselheiro regional, apelo ao governo para ajudar a proteger o GP da Itália, que não só teve papel importante na história da Fórmula 1, mas também na economia da região”, defendeu.


Compartilhe!
English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano Português Português Español Español