Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

Esportivos: Renault recupera o controle da Alpine

Compartilhe!

i

A Renault encerrou o acordo que tinha com a Caterham e recuperou o controle da Alpine, empresa que iria produzir os Alpine e Caterham. Segundo a marca francesa, o divórcio foi feito em consenso e não significa que as duas empresas não possam voltar a trabalhar juntas no futuro. A questão é saber se haverá futuro para a Caterham.

A ideia da Renault ao associar-se à Caterham era recuperar a marca Alpine e aproveitar os conhecimentos dos ingleses para isso. As coisas acabaram não dando certo, e agora a Renault seguirá sozinha com o seu projeto, mantendo-se firme na idéia de lançar um Alpine em 2016, talvez o “Berlinette” (reedição do nosso conhecido Interlagos), que a marca francesa deseja ver nas ruas.

O estilo do modelo, segundo a Renault, está 90% definido, com um interior sendo finalizado ainda este ano. Isso tem lógica, pois os 300 empregos que os franceses criaram na fábrica de Dieppe não estão ameaçados. O Clio RS, por exemplo, passou a ser produzido lá, até que o Alpine entre em produção.

Os problemas de relacionamento entre Renault e Caterham começaram este ano, quando boatos indicavam que existiam fortes desavenças em termos criativos entre os responsáveis pelas duas marcas. Isso aconteceu porque, quando o acordo estava assinado e com um protótipo quase definitivo, várias clínicas de clientes mostraram reações opostas em relação ao modelo. As inevitáveis mudanças no projeto, em especial em termos de estilo, acabaram atrasando o desenvolvimento do carro e criou muitos atritos. As tensões surgiram mais do lado da Caterham, pois o seu carro já estava definido há bastante tempo, aguardando que a Renault finalizasse o Alpine. A espera foi muito longa, a Renault exigiu mais tempo e a marca britânica, necessitando apresentar alguma novidade, não aceitou.

A Caterham vai continuar usando a tecnologia desenvolvida com a Renault para a fracassada “joint venture”, e seguirá com seu projeto; boatos davam como certa a compra do falido construtor alemão Artega. A compra da marca seria uma forma de ter um chassis com motor central, mas foi desmentido. Seja como for, o Caterham terá motor cde 300 cv e peso em torno de 1.000 kg. Já o Alpine ficará nos 250 cv com peso de 1.100 kg.


Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *