Ford enfrenta as aranhas em seus carros

Compartilhe!

FordSpiderScreen_01_MR-1024x683

A Mazda já teve que enfrentar as aranhas. Agora é a vez da Ford. Por mais estranho que possa parecer, as aranhas podem causar sérios problemas mecânicos nos automóveis. Por isso, algumas marcas chegaram mesmo a ter que promover recall de alguns modelos para eliminar infestações de aranhas, em especial as  de saco-amarelo (Cheiracanthium mildei ou Cheiracanthium inclusum) que se escondem, entre outrps locais, no tanque de combustível.

Foi isso que aconteceu com a Mazda, há cerca de quatro anos e, mais recentemente, em 2014, quando o Mazda6 foi vítima de recall por duas vezes devido à necessidade de desobstruir os tubos de evaporação dos vapores de combustível, local onde esta espécie de aranha gosta de instalar seus ninhos e deixar os seus ovos.

O problema –além do óbvio de contar com uma indesejável colônia de aranhas no automóvel– está no bloqueio dos tubos pelas teias, impedindo que os vapores do combustível fluam, o que pode levar ao aumento da pressão do sistema de combustível, com problemas de segurança e de funcionamento.

aranha-saco-amarelo

A Mazda não foi a única  enfrentar as aranhas, pois a Suzuki e a Toyota tiveram problemas semelhantes com esta espécie de aracnídeo, sendo que no caso da Toyota o local visado era o sistema de ar condicionado.

Para driblar esse problema, a Ford desenvolveu um filtro para impedir que as aranhas entrem no sistema de combustível dos seus modelos, começando já pela aplicação no novo Focus RS. A marca norte-americana já havia desenvolvido uma solução parecida em 2004, para afastar as aranhas dos seus automóveis, mas agora em 2015 apresenta uma evolução da mesma, por enquanto disponível apenas para o mercado dos Estados Unidos, onde o problema se manifestou em primeiro lugar.

“Este aracnídeos em particular não são sedentários, são caçadores que estão em constante movimento. Quando chega o momento de fazer um ninho para deixar os ovos ou para passar o inverno, procuram cavidades ou depressões, como uma abertura do tubo de vapor de combustível, que permite maximizar a utilização da sua teia”, expliucou David Gimby (na foto abaixo), engenheiro de sistemas de combustível da Ford, que começou a dedicar a sua atenção a este problema em 1999.

FordSpiderScreen_03_MR-1024x672

“Estamos constantemente melhorando e nos adaptando, mesmo no que diz respeito a tecnologias que já funcionam bem”, explicou, por sua vez, William Euliss, outro engenheiro daquele departamento da marca.


Compartilhe!
简体中文 简体中文 English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano 日本語 日本語 Português Português Español Español