Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

Fórmula 1: Há 32 anos morreu Gillles Villeneuve, o “voador”

Compartilhe!

Villeneuve_2002

Muitos se lembram de Jacques Villeneuve, outros não esquecem as façanhas de seu pai, Gilles. O que começou com um desentendimento entre dois companheiros de equipe na Ferrari, acabou em tragédia. Em 8 de maio de 1982, Gilles Villeneuve morreu após um violento acidente no circuito de Zolder, na Bélgica, durante os treinos de classificação. A origem do acidente fatal teve início algumas semanas antes.

Villeneuve era considerado o grande favorito ao título naquele ano. Rápido e inconsequente, não apresentava grandes resultados, mas tinha muita garra, que é o que os torcedores da Ferrari admiram num piloto. A sua Ferrari parecia capaz de colocá-lo entre os melhores e a sua qualidade de andar rápido era inquestionável. O francês Didier Pironi, também rápido e muito técnico, era o seu companheiro de equipa, mas a Ferrari nunca anunciou oficialmente quem era o segundo piloto. Os dois brigavam pelo título.

gilles-villeneuve-sideways-long-beach-19821

No GP de San Marino daquele ano, que contou com apenas sete equipes devido a um boicote das restantes, Pironi ultrapassou Gilles Villeneuve quando o canadense pensava que a corrida estava ganha. Villeneuve não gostou e deixou isso claro na hora. Na corrida seguinte, na Bélgica, após semanas em que as notícias de uma mudança para a Williams foram muito cogitadas pelos jornalistas, Villeneuve se esforçou para superar Pironi. No treino de classificação, em busca do melhor tempo, acelerou além do limite. Pela última vez. Bateu na traseira do March de Jochen Mass e sua Ferrari decolou. O piloto foi arremessado para fora do carro e morreu ao bater no alambrado.

Foi há exatamente 32 anos. Seu número era o “27”, imortalizado dentro da Ferrari. Um GP depois, Pironi se acidentou e abandonou a Fórmula 1, falecendo anos depois num acidente de barco. A história de Villeneuve -que dá nome à curva de Imola onde morreu Ratzemberger-é recordada como exemplo de como não deve ser a relação entre companheiros de equipe, num momento em que este ano o assunto é debatido na Mercedes, Red Bull e Williams.


Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *