Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

Kia, Fiat, VW, Benz…corrupção na FIFA usava marcas de carros…

Compartilhe!

Os responsáveis pelos subornos na FIFA utilizavam nomes de marcas de carros para esconder a identidade dos presidentes de federações que recebiam ilegalmente verbas pelos seus votos.

A FIFA tem estado envolvida num imenso escândalo relacionado com a organização dos campeonatos mundiais de futebol. Neste exato momento, acontece um processo judicial em solo norte-americano onde são acusados vários ex-presidentes de federações de futebol sul-americanas, incluindo -claro- o Brasil.

Segundo as informações mais recentes, a forma utilizada para esconder a identidade de vários destes dirigentes que, alegadamente, receberam dinheiro para ajudar a levar o Mundial de 2022 para o Qatar, foi trocar o nome deles pelo de marcas de automóveis.

Segundo se apurou, “Honda” era a forma utilizada para identificar o antigo chefão da Federação do Paraguai, Juan Angel Napout. Já quando era dito “Fiat”, o receptor do suborno seria o presidente da federação peruana, Manuel Burga. Também o homem que dirigia os destinos do futebol na Venezuela, Rafael Esquivel, estaria envolvido, sendo conhecido como “Benz”, e amealhou US$ 750 mil.

Entre os codinomes descritos na planilha apresentada à justiça norte-americana, o ex-presidente da Federação Equatoriana de Futebol, Luis Chiriboga, era o “Toyota” e recebeu pagamento de US$ 500 mil. Os pagamentos foram relacionados ao código “Q2022” que, tudo indica, está relacionado à compra de votos para a escolha do Qatar como sede da Copa de 2022. A votação ocorreu em 2010.

Também há dirigente identificado pelos codinomes “VW” (Carlos Chávez, da Federação Boliviana de Futebol); “Kia” (Sergio Jadue, da Associação Nacional de Futebol Profissional, do Chile); “Peugeot” (Jose Meiszner, secretário geral da Conmebol); e “Flemic” (Luis Bedoya, da Federação Colombiana de Futebol). Para os brasileiros, provavelmente “Lada” seria um bom codinome…

Sem dúvida uma curiosa forma de esconder o envolvimento de altos dirigentes que, como já explicamos, votaram a favor -e cometendo crimes- na escolha do Qatar como sede para o Campeonato Mundial de Futebol de 2022.

Em tempo: a foto dos Smart é puramente ilustrativa.

 


Compartilhe!
English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano Português Português Español Español