Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

Limo-jet, a absurda limusine Learjet

Compartilhe!

Como a imaginação não tem limites, a Jetsetter fez o que parecia impossível: construiu, não um carro voador, mas um avião para o asfalto. Uma limusine Learjet, a Limo-jet.

Apresentado há alguns dias no KnowledgeFest, feira de eletrônica em Dallas, Estados Unidos, o projeto saiu da mente da dupla Dan Harris e Frank DeAngelo, no já distante ano de 2006. Só foi finalizado agora, com a divulgação nas redes sociais do modelo final.

Na base do projeto está um jato Learjet, no qual foi adaptada uma estrutura tubular, suspensão, faróis/lanternas e rodas. O interior foi também totalmente reformulado, surgindo, nesta nova “configuração”, repleto de luzes e neons, alto-falantes e outras tecnologias, além de bancos suficientes para acomodar os convidados de uma pequena festa. Afinal, é uma enorme limusine!

Quanto ao outrora cockpit, agora o local foi reduzido a apenas um único banco, tipo de competição, instalado diante de um volante, painel de instrumentos e comandos de automóvel. Mas também conta com uma série de pequenas telas preenchendo o painel —que talvez permitam mostrar o exterior, ajudando nas manobras de estacionamento, obviamente difíceis…

Batizado de Limo-Jet, o avião-carro (ou será carro-avião?),  mantém ainda apenas o acesso do Learjet, ou seja, por meio de uma única porta lateral, integrada na fuselagem que, no modelo de exposição, está pintada de vermelho metalizado.

Mas não, não é a jato, apesar das carcaças das turbinas nas laterais traseiras, onde antes ficavam os motores a jato do Learjet. Foram transformados em meros componentes decorativos (até porque manter a propulsão a jato nas ruas seria um problema incontornável), iluminados, para potencializar (ainda mais) o efeito de showcar.


Embora sem revelar as características técnicas, ou até mesmo as dimensões e peso desta invulgar proposta, a Jetsetter adiantou que, em substituição do sistema de propulsão aeronáutico, os mentores do projeto decidiram escolher —não poderia ser de outra forma— um motor V8 de origem não especificada, sem desvendarem qualquer outro dado sobre o mesmo.

Da mesma forma fica para ser esclarecido, após a apresentação da suposta versão de produção em Dallas, qual o preço final deste invulgar veículo, já que a empresa pretende aceitar encomendas para mais unidades. Seus criadores garantem estar homologado para utilização nas ruas e estradas.


Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *