Mais de 20 botões num volante de um Fórmula 1. Para que servem?

Compartilhe!

 

Com o início de mais uma temporada de Fórmula 1, vamos  entender para que servem mais de duas dezenas de botões no volante de um carro da categoria. Só isso já é suficiente para ter uma ideia do trabalho que é guiar um desses carros.

Certamente você já pode ver, em vídeo ou foto, os volantes de um Fórmula 1. Não são redondos e estão repletos de botões, cenário também cada vez mais comum nos carros que dirigimos. O volante de um Fórmula 1 é um componente caro, extremamente sofisticado e complexo. Apesar de pequeno em dimensão, a maior parte da sua superfície está coberta com todo o tipo de chaves, botões, luzinhas e até uma tela digital.

São mais de 20 os botões e  chaves que observamos no volante do Mercedes-AMG Petronas F1 W10 EQ Power+ que Valtteri Bottas levou à vitória no primeiro GP de 2019, em Melbourne, Austrália, que ocorreu dia 17 de março.

A Mercedes-AMG Petronas fez o vídeo abaixo, onde Bottas e Evan Short (dirigente da equipe), tentam explicar a complexidade do volante de um Fórmula 1.

O volante de um Fórmula 1 há muito tempo deixou de servir apenas para virar o carro de um lado para outro. Entre todos aqueles botões, podemos limitar a velocidade do carro nas boxes (botão PL), falar via rádio (TALK), alterar o equilíbrio da frenagem (BB), ou até ajustar o comportamento do diferencial na entrada, durante e na saída das curvas (ENTRY, MID e HISPD).

Também existem variados modos para atuar no motor (STRAT), cobrindo todas as necessidades, sejam para defender uma posição, poupar o motor, ou até para extrair todos os “cavalinhos” que o V6 tem para oferecer. Em paralelo temos também o botão que controla a unidade de potência (HPP) —motor de combustão, mais duas unidades motor-gerador elétricas—, com o piloto mudando o gerenciamento de acordo com as decisões dos engenheiros na box.

Para evitar colocar o carro em ponto morto de forma acidental, o botão N encontra-se isolado, e se o mantivermos pressionado, a marcha-ré é engrenada. O comando rotativo em posição central inferior permite navegar por uma série de opções de menu.

 

 

E como os pilotos não se enganam ao controlar tantos botões? Mesmo quando não está disputando uma posição, a tarefa de um piloto não é fácil. Está pilotando uma máquina que não admite erros, capaz de gerar forças G elevadas, com acelerações e frenagens fortíssimas, além de contornar curvas com absoluta velocidade.

As velocidades elevadas são ainda acompanhadas de muitas vibrações e os pilotos estão usando luvas grossas, tendo que ajustar a todo momento o setup do carro em movimento andamento. Apertar um botão errado é uma forte possibilidade.

Para evitar erros, a Fórmula 1 inspirou-se no mundo da aviação, equipando os volantes com botões e chaves de alta confiabilidade, que requerem mais força do que o normal para serem acionados. Assim, não corre o risco de acionar acidentalmente um botão quando se está brigando, por exemplo, em uma curva apertada em Mônaco, por exemplo. Mesmo com luvas, o piloto consegue sentir um forte “click” quando aciona um botão ou gira um dos comandos.


Compartilhe!
简体中文 简体中文 English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano 日本語 日本語 Português Português Español Español