Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

Mitsubishi AMG: filhos bastardos que os alemães ignoram

Compartilhe!

Se você acredita que a AMG só trabalhou com a Mercedes-Benz, está redondamente enganado. AUTO&TÉCNICA traz a curiosa história dos Mitsubishi AMG, espécie de filhos bastardos que a marca alemã tenta esconder. E esquecer…

por Marcos Cesar Silva

Mitsubishi Galant AMG: forza

Como todos sabem, a AMG nasceu como empresa preparadora independente da Mercedes-Benz. Mas foi só em 1990 -depois de muitos anos de namoro e noivado- que o casamento entre a AMG e a Mercedes foi finalmente consumado. Isso aconteceu com a compra do capital majoritário da AMG pela Daimler, criando assim o que conhecemos hoje como Mercedes-AMG GmbH.

Entretanto, todos sabem como são os namoros de verão: a AMG não resistiu aos encantos de uma bela japonesa, e teve uma aventura extra-conjugal antes de consumar o matrimônio com a alemã.

Mitsubishi Galant AMG
Mitsubishi Galant AMG

A bela japonesa era a Mitsubishi, que diante da grande procura na época por sedãs potentes no mercado, impulsionada pelo gigantesco crescimento econômico que o Japão conheceu na década de 1980, pediu à AMG que preparasse dois dos seus modelos. O estranho Debonair e o pior ainda Galant. O resultado é aquele que podem ver nas imagens, espécie de pré-história dos carros tunados de péssimo gosto que vieram depois.

The Mitsubishi Galant AMG Is An AMG Tuned Mitsubishi - Automacha

Sobre o Debonair temos poucas informações. Sabemos que era o top de linha da marca. que também era vendido como Hyundai Grandeur e que vinha equipado com um motor 3.0V6 de 167 cv de poitência máxima. A tração era dianteira e o sedã quadradinho pesava 1620 kg. Foi por causa de todo este peso, e pelo fato de ser um modelo de tração dianteira, que a AMG sequer abriu o capô e não mexeu no motor.

Por isso, a AMG pouco mais fez do que emprestar ao Debonair um pouco da sua aura esportiva. O resultado foi aquele que podem ver nas fotos. Um desaswtre de estilo.

Mitsubishi Debonair AMG

O outro filho ilegítimo da AMG com a Mitsubishi, foi o Galant AMG, nascido em 1989. Naquele modelo, o trabalho da marca alemã não foi meramente estético. Felizmente, o Galant herdou alguma coisa do pai alemão, e o resultado foi interessante.

Rare Rides: The Sporty and Very Rare 1991 Mitsubishi Debonair, by AMG (Part  III)

A AMG pegou o Galant GSR e aplicou nele um pouco do seu “know how” e experiência, levando a potência do motor 2.0 DOHC de 4 cilindros de modestos 138 cv para uns mais interessantes 168 cv de potência. A receita foi aquela que já conhecíamos de outros modelos: novos comandos de válvulas, pistões mais leves, válvulas e molas em titânio, escapamento esportivo e sistema de admissão retrabalhado.

Mitsubishi Galant AMG
Não, não é “photoshop”. É algo bem real

A caixa de câmbio de cinco velocidades teve suas relações encurtadas, e o eixo dianteiro recebeu um diferencial autoblocante. Os freios e suspensões não foram esquecidos e foram recalibrados para manter a cavalaria sob controle.

No interior, usou-se tudo o que havia de bom na época. Rádio com leitor de CD e de fitas cassetes, computador de bordo, ar condicionado automático, revestimentos de couro e detalhes AMG por todos os lados.

Esta relação estranha com a Mitsubishi talvez tenha sido o que fez a Mercedes acordar para o valor que a AMG já tinha como marca. Assim, em 1990 -talvez motivada pelo ciúmes- a Mercedes enfim consumou o casamento do qual falamos antes.

Hoje, andar por aí num destes dois Mitsubishi deve ser uma experiência muito frustrante. Por qualquer lugar que vocxê passe, vai ouvir comentários do tipo “olha lá aquele tonto, pensa que tem um Mercedes esportivo”. Mas não é assim. São apenas os filhos ilegítimos da AMG, meios-irmãos dos Mercedes-AMG (que ninguém quer assumir, afinal criança feia não tem pai) e raros, muito raros..


Compartilhe!
English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano Português Português Español Español