Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

MORREU WILSON FITTIPALDI, O “BARÃO”

Compartilhe!

Barão, Dona Juze, Wilsinho e Emerson. O início da saga dos Firttipaldi.
Barão, Dona Juzy, Wilsinho e Emerson. O início da saga dos Firttipaldi.

Morreu no Rio de Janeiro aos 92 anos, na madrugada desta segunda-feira (11/03) o ex-piloto, empresário e radialista Wilson Fittipaldi, conhecido como Barão. Wilson Fittipaldi era o pai de Émerson e Wilsinho Fittipaldi, e avô de Christian e Pietro Fittipaldi.

Ele estava internado desde 25 fevereiro no Hospital Copa D’Or, na Zona Sul do Rio de Janeiro. De acordo com a assessoria do hospital, ele deu entrada com problemas respiratórios e estava internado no centro de tratamento intensivo coronariano. O hospital não divulgou mais detalhes sobre a causa da morte, a pedido da família.

Barão foi piloto e fundador da Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA), e o primeiro locutor de corridas no rádio brasileiro. Marcou em sua carreira a temporada de 1972 da Fórmula 1, quando transmitiu na Jovem Pan, ao lado do jornalista Domingos Piedade, todas as provas daquele ano. Assim,  o primeiro título mundial de Fórmula 1 do filho Émerson foi narrado por ele.

Emerson ao lado do Barão.
Emerson ao lado do Barão.

Émerson Fittipaldi publicou nesta madrugada, no Twitter, que foi graças ao pai que ele entrou no automobilismo; contou também como foi o último momento dos dois. “Ontem, domingo, falei no ouvido do meu pai que linda família que ele formou”, escreveu. “Foi nesse momento que ele abriu os olhos pela primeira vez desde que estava internado, era um sinal de amor”.

Wilson Fittipaldi nasceu no dia 04 de agosto de 1920, filho dos imigrantes italianos Paschoal e Henriqueta Fittipaldi. Eles haviam se mudado para o Brasil no final do século XIX. O pai de Wilson se tornou caixeiro viajante no interior de São Paulo, vendendo baterias, viajando no lombo de mulas. Desde a infância Wilson se interessou por carros e motos. Com 15 anos de idade, Wilson foi sozinho para o Rio de Janeiro, assistir uma prova do circuito da Gávea. Ele disse aos pais que iria acampar, e vestido de escoteiro pegou o trem no sábado à noite, chegando, na manhã de domingo à então Capital Federal. Sem dinheiro e sem ingresso, assistiu a prova em cima de uma árvore.

wilson-fittipaldi-pai-barao[1]
Em fevereiro de 1943 casou-se com Juzy Vojciechoski, filha de imigrantes russos, que se tornou sua parceira nas aventuras automobilísticas, chegando até a disputar algumas corridas. O primeiro filho, Wilson Fittipaldi Júnior nasceu no dia 25 de dezembro de 1943. Emerson nasceu quase três anos depois, no dia 12 de dezembro. No final da década de 1930 ele já era locutor profissional, fazendo a primeira transmissão de um prova internacional em 1948, o GP do Bari, pela Rádio Panamericana. No ano seguinte Wilson foi de novo à Europa para transmitir ao vivo a prova. Foi um enorme sucesso, com ele também narrando as provas em Possilipo e Monza, naquele ano. Grande amigo do piloto Chico Landi, esteve em Maranello, quando Landi foi encomendar ao Comendador Enzo Ferrari um carro da fábrica italiana, em 1949.
Wilson narrou a prova da Gávea de 1947 até 1954. Além da locução ele também passou a organizar provas de moto e carro, acompanhando de perto o nascimento do autódromo de Interlagos. Sua carreira de piloto terminou depois de um terrível acidente em um prova de moto, com duração de 24 horas. Usava o número 7, e Emerson considera esse número de sorte, pois foi um milagre o Barão ter sobrevivido. Wilson queria inovar, e participaria de prova como piloto e repórter. Mas a aventura acabou depois de um choque entre ele e um piloto japonês. Fittipaldi voou com sua BMW de 600 cm3 para o meio do mato. Com diversas fraturas, foi hospitalizado e precisou de muita fisioterapia para recuperar os movimentos do braço direito.
Em 1956, Wilson realizou a primeira “Mil Milhas Brasileiras”, em parceria com o Centauro Motor Clube e a Rádio Panamericana, hoje Jovem Pan. Depois de uma luta de 11 anos com o Automóvel Clube Brasileiro, Wilson e mais alguns amigos, conseguiram fundar a Confederação Brasileira de Automobilismo. Na década seguinte passou a acompanhar o início da carreira de seus filhos, no kart e depois em provas de turismo e Formula Vê. Com os filhos indo para a Europa no final dos anos 1960, Wilson retornou àquele continente, em 1969, para transmitir a final da F-3 Inglesa, em Brands Hatch, onde Emerson se sagrou campeão.
Com a estreia Emerson na Fórmula 1 pela Lotus, o “Barão” (que recebeu esse apelido do jornalista Ney Gonçalves Dias), passou a acompanhar as provas do campeonato mundial, ao vivo. Durante a década de 1970 acompanhou o bi-campeonato de Emerson, a carreira de Wilsinho e a equipe Fittipaldi. O GP dos EUA-Oeste, em Long Beach, 1980, foi o transmitido por Wilson. Acostumado a narrar às corridas na pista, Wilson se negou a transmitir via televisão, em estúdio.
Longe das pistas, Wilson passou a acompanhar a carreira do filho Émerson nos Estados Unidos, e do neto Christian. Durante algum tempo ele e Dona Juzy foram dar apoio ao inicio da carreira do neto, indo morar em Londres.
A contribuição que o Barão deu ao automobilismo brasileiro pode se resumir no fato de que, sem ele, o Brasil não teria seus oito títulos na Fórmula 1.
Força Emerson e Wilsinho. Obrigado Barão, por toda a inspiração.

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *