Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

Na Itália: a fábrica abandonada da Bugatti

Compartilhe!

A fábrica da Bugatti em Campogalliano, na Itália, foi abandonada nos anos 1990.

Com a morte do seu fundador Ettore Bugatti, em 1947, e com o desenrolar da Segunda Guerra Mundial, a marca francesa interrompeu suas atividades no início dos anos 1950. Em 1987, mais de três décadas depois, o empresário italiano Romano Artioli adquiriu a marca Bugatti, com o objetivo de reavivar a histórica marca francesa.

Uma das primeira medidas foi a construção de uma fábrica em Campogalliano, na província de Modena, Itália. A inauguração aconteceu em 1990, e um ano depois, foi lançado o primeiro modelo da nova era da Bugatti (o único sob o coimando de Romano Artioli), o Bugatti EB110.

Fábrica Bugatti (35)

Em nível técnico, o Bugatti EB110 tinha tudo para ser um esportivo de sucesso: motor 3.5V12 de 60 válvulas (5 válvulas por cilindro), quatro turbos, caixa de câmbio manual de seis velocidades, 542 cv de potência e sistema de tração integral. Tudo isto permitia aceleração de zero a 100 km/h em 3,4 segundos e velocidade máxima de 343 km/h.

Mesmo com todas essas credenciais, saíram da fábrica apenas 139 unidades. Nos anos seguintes, a recessão econômica nos principais mercados forçou a Bugatti a fechar portas, com dívidas a rondando os US$ 200 milhões. Em 1995, a fábrica de Campogalliano foi vendida a uma empresa imobiliária, que por sua vez faliu e acabou deixando as instalações abandonadas, como é possível ver nas fotos abaixo. Seria a alegria dos saqueadores brasileiros, ávidos em busca de souvenirs.


Compartilhe!
English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano Português Português Español Español