Naufrágio: quais carros estão descansando no fundo do mar?

Compartilhe!

Apesar do navio “Felicity Ace” ter naufragado na costa dos Açores há cerca de um mês, só agora se conseguiu saber exatamente o que estava a bordo da embarcação, que saiu do porto de Emden, na Alemanha, em 9 de fevereiro de 2022, tendo os Estados Unidos como destino.

No total, afundaram com o “Felicity Ace” cerca de 4000 veículos e, apesar de ser possível consultar o seu manifesto de carga, a verdade é que há uma diferenças nos números anunciados antes e aqueles que podemos ver no documento.

por Marcos Cesar Silva

Felicity Ace

A justificativa para isso parece estar relacionado com o fato de que só a carga com destino aos Estados Unidos foi aparentemente mencionada, com a restante tendo como destino outros países, como o Canadá ou o México.

Já se sabia que a maioria dos carros a bordo do navio pertencia ao Grupo Volkswagen, incluindo modelos da Audi, Bentley, Lamborghini, Porsche e SEAT, mas havia mais veículos a bordo. O “Felicity Ace” transportava também tratores e guinchos para gruas, como também outros automóveis, de clientes particulares.

Entre estes estavam um BMW Série 7 2007, um MINI Countryman, um Land Rover Santana 1977 e ainda um Honda Prelude SiR 1996 que, segundo um post do seu proprietário no Facebook, seria apenas a 65.ª unidade produzida da quinta geração do modelo e que estaria a caminho dos Estados Unidos para ser restaurada.

Neste grupo de automóveis particulares, o “Felicity Ace” transportava também um Porsche Cayenne 2015, um Ford Mustang 2015, um Kia Soul 2014, um Nissan Versa Note 2018 e um Volkswagen Jetta 2017.

Ver a imagem de origem

A ampla maioria de veículos naufragados são, no entanto, do Grupo Volkswagen. Apesar de não vender nos Estados Unidos, havia três SEAT Ateca a bordo, com destino ao México.

Naufragaram também cerca de 1100 Porsche, mas neste documento contam-se apenas 589 carros da marca e, ao contrário das restantes marcas do Grupo alemão, não estão identificados; a Porsche identifica apenas as fábricas onde são produzidos.

Assim, é possível saber que descansam agora no fundo do Atlântico 126 Cayenne (feitos na Bratislava) e 23 unidades ou do 718, 911 ou Taycan (todos eles feitos em Zuffenhausen). Zuffenhausen volta a ser citada, com mais 25 unidades, praticamente todas referentes ao Taycan, devido ao peso médio declarado de cada unidade acima de duas toneladas; e, por fim, 19 unidades vindas de Leipzig, onde são produzidos o Macan e o Panamera. Um dos poucos Porsche descriminados é um 718 Boxster GTS 4.0.

A Lamborghini também foi seriamente afetada, já que transportava 15 unidades do Aventador Ultimae, o final da produção do superesportivo italiano, levando o fabricante a reiniciar a produção deste para cumprir seus compromissos. Além do Aventador, jazem no fundo do oceano 20 Huracán e 50 Urus.

A Bentley tinha anunciado a perda de 189 carros no total, apesar dos números revelarem uma unidade a mais quando somamos os 77 Bentayga, 38 Continental GT, 50 Continental GT Convertible e 25 Flying Spur.

A Audi parece ser a marca mais afetada no naufrágio do “Felicity Ace”, com 1944 unidades perdidas. Entre eles encontramos o A5 (nas três carrocerias), o Q3 e Q3 Sportback, o TT e também os elétricos e-tron, e-tron Sportback e e-tron GT.

A Volkswagen registra a perda de 561 unidades, contando de Golf ao elétrico ID.4, passando pelos comerciais Caddy e Transporter (T6),


Compartilhe!
简体中文 简体中文 English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano 日本語 日本語 Português Português Español Español