Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

O aerodinâmico Pininfarina X 1960

Compartilhe!

A aerodinâmica é uma ciência que tem bastante impacto no desenvolvimento de um automóvel nos dias atuais, seja para melhorar seu desempenho, seja para obter o menor consumo possível, ou até para aumentar o conforto a bordo. Uma referência nesse quesito é o Pininfarina X de 1960.

Fechar

No entanto, na história secular do automóvel nem sempre foi algo que estivesse presente nas necessidades principais do automóvel. Desde cedo se percebeu que o automóvel atingia maior velocidade quanto melhor fosse a sua aerodinâmica, mas normalmente isso era associado aos automóveis de competição e não aos carros de rua. Só na década de 1960 foi que os automóveis começaram a ter um estudo mais sério no que diz respeito à aerodinâmica.
 


É aí que entra na história o Pininfarina X, conceito com código interno Pf-X, um automóvel que foi o limite do estudo cientifico da aerodinâmica, feito por Alberto Morelli (professor no Politecnico di Torino), e um desenho original da carroceria, com um posicionamento incomum das quatro rodas e com reduzida área frontal. Com isso, conseguia um coeficiente de penetração aerodinâmica (Cx) de apenas 0,23.

1960 Pininfarina X Sedan | Hyman Ltd.

Isso seria muito bom mesmo nos dias de hoje, pois permite conseguir também uma maior velocidade máxima -cerca de 20% de ganho- com menor consumo, mesmo usando um motor convencional, que neste caso era um Fiat de 1.089 cm3 e 43cv, acoplado a uma caixa de câmbio manual de quatro velocidades manuais.

pininfarina_model_x_6

A apresentação ao público aconteceu no Salão de Turim de 1960 e, posteriormente, foi levado ao Salão de Bruxelas de 1961.
 

Fechar


O visual era tipicamente aeroespacial. Era a época em que o homem sonhava em ir à Lua, Estados Unidos e União Soviética disputavam a corrida para ver quem chegaria primeiro ao satélite da Terra e começaram a aparecer vários automóveis com desenho inspirado em naves de ficção científica. Por isso, o Pininfarina X foi talvez o resultado mais radical desse desenho.

PININFARINA Y, AERODINÂMICA EXTREMA – Autoentusiastas


As rodas obedeciam um layout incomum, em forma de losango. A única roda frontal era responsável pela direção, enquanto que as duas rodas laterais serviam apenas para estabilizar o carro. A roda traseira é a única que tinha tração, ligada diretamente ao motor, que era montado também ena traseira, deslocado para o lado direito; do lado esquerdo ficava um pequeno espaço para bagagem.

carro de luxo | smartluxury

Aquela não foi a primeira vez que esse layout de rodas em losango foi aplicado num automóvel. A Sunbeam, no início do século XX fez cerca de 100 carros assim. Mais adiante, a Voisin e Wolseley fizeram algo assim. O americano Gordon Hansen em 1947 também tentou o formato de losango num carro batizado de Gordon Diamond.

Ainda em 1947, a francesa Alamagny Rhomboid Automobile (foto abaixo) apresentou um carro de quatro lugares, dois a dois de costas. Outros fabricantes tentaram essa disposição, que por algum tempo foi considerado o futuro dos automóveis.

Hemmings Sunday Cinema – the rhomboids, the first Ba | Hemmings Daily
O Alamagny Rhomboid 1947. Você não sabia se ele estava indo ou vindo.

Voltando ao Pininfarina, o interior podiam se acomodar quatro pessoas com bastante espaço.

Rhomboid Dream: The 1960 Pininfarina X | Mac's Motor City Garage


Como curiosidade, Battista “Pinin” Faria dirigiu o PF-X diversas vezes, indo para vários eventos, de modo a chamar atenção e conseguir algum tipo de apoio para poder produzir seu aerodinâmico carro em série. No entanto, como todos sabem, isso não aconteceu. Outra curiosidade é que só em 1961 a empresa se passou a chamar Pininfarina, até então era Pinin Farina, mas este modelo já foi apresentado com o nome todo junto.

1960 PININFARINA X SEDAN


O Pininfarina X permaneceu no museu da marca até 2007, quando foi adquirido pelo colecionador John Rosatti, na mesma condição de que foi apresentado em 1960. Depois foi levado a leilão nos Estados Unidos em 2015, arrematado por US$ 330 mil.

Pininfarina's dream: the PFX - Italian Ways

Farina trabalhou duro para vender a ideia aos grandes fabricantes, mas ninguém se interessou. Além da posição diferente das rodas, o que fazia com que os passageiros da traseira sentassem sobre a linha imaginária do eixo central da carroceria, o sistema de tração e direção em apenas uma roda comprometia a durabilidade dos pneus.

Concept Car of the Week: Pininfarina X (1960) | Article | Car ...

Outro problema era a capacidade de arrefecimento do motor, que tinha apenas a entrada de ar na tampa e radiador atrás do motor, recebendo o calor do motor.

Pininfarina's dream: the PFX - Italian Ways

Para tentar contornar isso, a Pininfarina pediu para Morelli outro desenho, o modelo Y, desta vez com as quatro rodas em posição convencional. Era muito parecido com o X, mas a busca pela melhor praticidade fez o Cx subir para 0,27, mostrando que os conceitos de aerodinâmica originais de Morelli eram corretamente. Desta vez o carro foi baseado num Fiat 600D, e foi exibido no ano seguinte, em 1961, também no Salão de Turim, mas a ideia parou por aí.

O Pininfarina Y, reestudo do X, tinha as quatro rodas no lugar certo, apenas duas portas e menor entre-eixos, mas também não teve interesse. A ideia era seduzir a Fiat…

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *