Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

Os carros franceses e seus faróis amarelos. Sabe por que?

Compartilhe!

Quem é atento e acompanha a história do automóvel, com certeza deve ter reparado que muitos carros franceses mais antigos usavam faróis amarelos, ao invés da luz branca comum. E, ao contrário do que a maioria imagina, isso não acontecia por razões estéticas. Diz a lenda que, como os faróis amarelos diferenciavam os veículos militares franceses dos alemães, o governo da França queria também diferenciar os seus carros nas ruas estrada. Mas isso não é exatamente verdade, com o dissemos, é lenda.

af629a1ce5f1962ab434c22f211ca601

Para descobrir o verdadeiro motivo temos que recuar até os anos  1930.

Em novembro de 1936, entrou em vigor na França uma lei que obrigava todos os veículos motorizados a estarem equipados com faróis dianteiros que emitissem luz amarela. O motivo era simples: de acordo com um estudo feito pela esta  Académie des Sciences, esta luz provocava menos ofuscamento do que a luz branca convencional, principalmente em condições atmosféricas desfavoráveis, como chuva ou nevoeiro.

A partir do ano seguinte, 1937, todos os carros emplacados na França –inclusiove importados– passaram a usar faróis amarelos. Os faróis amarelos eram mesmo mais eficientes e por isso eram sempre os preferidos para conduzir com condições adversas.

O segredo está na forma como o olho humano processa os diferentes tipos de luz. O branco reúne todas as cores, e o azul, roxo e violeta são aquelas com menor comprimento de onda. São, por isso, as mais difíceis de processar, além de causarem mais ofuscamento. Retirando esses tons, obtemos a luz amarela, que para a mesma intensidade, apresenta menos brilho, facilitando a tarefa do nossos olhos.

Por outro lado, vários estudos feitos na segunda metade do século passado –principalmente um trabalho feito na Holanda em 1976– concluíram que, na prática, não havia grandes diferenças de visibilidade entre os dois tipos de luz. Verificou-se a intensidade do feixe de luz amarela era menor, e isso contribuía para a sensação de menor ofuscamento por parte dos motoristas, e não necessariamente melhor visibilidade.

A verdade é que a iluminação automotiva na época não era tão pesquisada, independentemente da luz ser branca ou amarela. Como todo o resto, a iluminação foi evoluindo ao longo dos anos e, pressionada pela União Europeia, que queria uniformizar a legislação, a França passou a adotar as luzes brancas em 1993, abandon ando o amarelo e seguindo o exemplo dos demais países da Europa.

Hoje em dia, os faróis amarelos são proibidos em França, exceção feita aos veículos licenciadois antes de 1993 ou quando são apenas os faróis de neblina. E nos GTs em Le Mans, para diferenciar das outras categorias…


Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *