Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

Pistas de testes… no teto das fábricas!

Compartilhe!

Qualquer automóvel, moto ou caminhão, antes de ser lançado no mercado, necessita ser testado em várias condições, para o fabricante se certificar que tudo funciona com perfeição, ou pelo menos quase isso. Uma das melhores maneiras de testar um automóvel, é efetuar esses testes numa pista dedicada para isso, antes ir para as ruas e, foi assim que foram construídas as pistas de testes dos fabricantes. No Brasil, a GM tem a sua em Indaiatuba (SP) e a Ford infelizmente está descontinuando a sua de Tatuí (também no Interior de São Paulo).


Tudo começou quando os irmãos Dodge deixaram de colaborar com Henry Ford e começaram a construir os seus próprios automóveis, em 1914. Uma das primeiras coisas que fizeram, foi construir uma pista de testes, junto à fábrica da Dodge. O piso era de madeira e tinha até uma subida íngreme, para simular o aclive de uma serra.

Esta foi a primeira pista de testes do mundo. Várias outras marcas se seguiram, como a Ford e a Packard e mais tarde a General Motors e a Chrysler. Mas, nem todas as empresas tinham a possibilidade de utilizar os terrenos vizinhos para a construção de uma pista, nascendo assim a ideia de construir uma pista de testes no teto das fábricas, apesar de ser uma prática pouco comum. AUTO&TÉCNICA mostra três fábricas quem têm ou tiveram sua pista de testes no telhado.

Fábrica da Fiat em Lingotto (Turim)


Esta é das pistas de testes mais famosas, localizada no centro da cidade de Turim e imortalizada no filme “The Italian Job” (“Um Golpe à Italiana”, no Brasil). Esta fábrica de quatro andares e meio quilômetro de comprimento, foi desenhada por Giacomo Mattè Trucco, em 1916, e terminada em 1923.

Uma pista de testes na cobertura: a arquitetura industrial da ...

A construção dos automóveis iniciava-se no térreo e continuava por vários andares, até serem finalizados no quarto andar e, então, saiam para a pista, para serem testados. Posteriormente, desciam para a rua, por meio de duas rampas. A produção de automóveis terminou ali em 1979, com a construção da fábrica de Mirafiori. A antiga fábrica foi transformada em hotel, shopping center e sala de convenções, mas a pista foi mantida intacta pelo seu valor histórico!

Palácio Chrysler, em Buenos Aires


Em 1928, o distribuidor da Chrysler na Argentina inaugurou o Palácio Chrysler. Um lindíssimo edifício de três andares, com várias utilidades, que incluíam estande de exposição, escritórios administrativos, depósito e local onde eram montados os automóveis Chrysler recebidos na Argentina em CKD.

Palacio Alcorta - Alchetron, The Free Social Encyclopedia

O edifício foi desenhado por Mario Palanti para Julio Fevre, que tinha os direitos de representação da Chrysler na Argentina. O mais interessante do edifício era a sua pista no telhado, onde na zona central poderiam estar 3.000 pessoas a assistir às avaliações de automóveis, assim como outras ac\tividades.

Em 1990, após o cessar de produção de automóveis naquele local, o edifício foi adquirido por outra empresa, que o transformou em apartamentos e escritórios, substituindo o nome para Palácio Alcorta. Mas, ao contrário da fábrica de Lingotto, a pista foi demolida, sendo substituída por mais apartamentos e uma piscina ao centro.

Fábrica da Impéria na Bélgica


Impéria é uma marca de automóveis belga pouco conhecida, que teve a produção ativa de automóveis entre 1906 a 1957, fabricando os seus próprios automóveis, e ainda modelos de outras marcas, como a Hotchkiss, Adler e Superior-Triumph, além disso detinha também outra marca de automóveis de luxo, a Minerva.

A Impéria também parceria com a Avions Voisin. Além de bastante inovadora, a Impéria também produziu diversos automóveis de competição, mas, durante mais de 20 anos, os seus automóveis eram testados nas estradas. Isso até 1928, quando decidiu construir uma pista de quase 1 km no teto da fábrica.

Imperia car factory – Off-Limits

Hoje, apesar da marca ter anunciado o retorno em 2009 e do atual proprietário planejar demolir a fábrica original, esta continua inativa e com parte da pista existente. A torcida é que a marca volte um dia e que, pelos menos, o que resta da pista, seja mantida.


Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *