Renault Kwid surpreende e já é vice-líder do mercado

Compartilhe!

A vida do VW Up e do Fiat Mobi não estava nada fácil, como nada é fácil no Brasil. Mas o que restava de sossego pra os dois acabou com a chegada do Renault Kwid.

Em seu primeiro mês completo de vendas, o compacto da Renault (que a marca teima em chamar de “SUV dos compactos”), assumiu o segundo lugar de vendas, com mais de 10.000 carros vendidos (exatas 10.358 unidades). Só perde para o Chevrolet Onix, que vendeu 17.236 exemplares); atrás do Renault vem Ford Ka (8.727) e Hyundai HB20 (que despencou para 8.530).

E por qual razão o Kwid está agradando tanto? O carrinho foi lançado dentro de estratégia de vendas digital, onde só podia ser adquirido no site da marca e com preço promocional. Isso gerou uma fila de interessados, com espera de até seis meses. 

O Kwid foi apresentado em 2015 na Índia e chegou ao Brasil com a missão de ser o sucessor do Clio, que por sua vez ocupou espaço do Twingo. É produzido em São José dos Pinhais, PR, em três versões de acabamento, todas com motor de três cilindros, 1.0 e com transmissão manual. Os preços começam em R$ 30 mil na despojada versão Life e chega aos R$ 40 mil na Intense.

 

KWID INTENSE – GALERIA DE FOTOS

De série todos tem airbags laterais e fixações tipo Isofix para cadeirinhas infantis. Não há previsão para a aplicação de câmbio automatizado (disponível no indiano), mas isso é questão de tempos. Detalhe interessante é a garantia de três anos, que passa a ser de cinco anos se o carro for financiado pelo banco Renault.

SUV?

O Kwid não é um SUV, como divulga a Renault, mas é um simpático hatch com ares levemente aventureiros, que traz estilo robusto, apesar de ser pequeno. A grade é ampla, os para-lamas tem largas molduras plasticas e  o capô tem vincos fortes. Para tentar justificar ser ou não um SUV, o vão livre do solo é grande, de 18 cm. E só. Nada mais de SUV há no carrinho.

As rodas são aro 14, de aço em todas as versões, mas no Intense são usadas calotas plásticas. Uma curiosidade: as rodas usam três parafusos de fixação, que antes só foram usadas no Brasil nos Renault Dauphine/Gordini/Interlagos e nos Ford Corcel/Belina/Del Rey (que também era projeto Renault). Na questão, nenhum problema. Em termos de tamanho, o Kwid fica bem na categoria dos subcompactos, com comprimento de 3,68 metros, distância entre-eixos de 2,42 m, largura de 1,58 m e 1,47 m de altura.

KWID ZEN – GALERIA DE FOTOS

A carroceria pequena é  a primeira impressão que se tem do carro. Por dentro, a simplicidade causada pela aplicação excessiva de plásticos está bem disfarçada. O grupo de instrumentos é analógico, com indicador para o momento ideal de troca de marcha e uma barra com as cores verde, amarelo e laranja, que mostram se a condução está econômica; conta-giros e computador de bordo só na versão top de linha.Tudo é bem desenhado, e a versão Intense pode ser equipada até com o multimídia Media Nav (com tela touchscreen de sete polegadas e câmera traseira de ré).

ECONOMIA

Os mais atentos vão notar sinais de economia no acabamento, invitáveis num carro de preço mais baixo. O controle elétrico de vidros é só para os dianteiros e sem função one-touch; o sistema de som só usa dois alto-falantes; não há espelho de cortesia no para-sol do motorista; o retrovisor interno do Life não tem anti-ofuscamento; não há aviso de faróis acesos e o botão que destrava o capô é muito simples. Mas tudo é compensado pelo preço.

O porta-malas é bom, com 290 litros de capacidade. Na versão Life não há revestimentos nas laterais da área de bagagem, enquanto a Intense traz abertura da tampa traseira por comando a distância (nas outras duas a abertura é feita por meio de uma alavanca no assoalho). O estepe é posicionado de maneira interna, mais protegido dos amigos do alheio.

Em relação ao espaço interno, não há muito milagre, pois as leias da física regulam esse quesito. Os pedais são muito próximos, e volante e bancos não regulam em altura. Mas não é difícil encontrar a posição ideal para dirigir. Atras, o sacrifício é inevitável.

PLATAFORMA E MOTOR

O Kwid usa a plataforma CMF-A no Brasil, inédita e própria. Sigla de Common Module Family, é a menor entre as usadas hoje pela Nissan-Renault. Com isso, há as vantagens de conseguir menor peso e aproveitar melhor o espaço. A versão indiana, de 660 quilos, teve problemas nos testes de segurança. Para o Brasil, foram feitas diversas mudanças estruturais, que elevaram o peso em 120 kg (780 kg na versão Life). E com isso se foram as duvidas em relação à segurança.

KWID LIFE – GALERIA DE FOTOS

O motor é atual, o SCE 1.0 de três cilindros com bloco de alumínio, duplo comando de válvulas e quatro válvulas por cilindro, o mesmo usado no indiano e lançado aqui este ano, nos Sandero e Logan, mas sem variação de abertura das válvulas e com menor taxa de compressão (caiu de 12:1 para 11,5:1). Com isso a potência foi de 79/82 cv para 66/70 cv e o torque de 10,2/10,5 mkgf para 9,4/9,8 mkgf, com gasolina/etanol. 

Fora a necessidade de reduzir custos, a configuração do motor está adequada ao compromisso do carro. Acelera de zero a 100 km/h em 15,5/14,7 segundos e tem velocidade máxima de 152/156 km/h, gasolina/etanol.

CONCLUSÃO
E o que achamos do primeiro contato com o Kwid? Trata-se de um carro tipicamente urbano -como o Mobi e Up- agradável de ser dirigido, com bom acerto mecânico  e desenho agradável.

É uma boa alternativa entre os carros baratos do mercado, econômico, com bom espaço para bagagem, suspensão alta e airbags laterais, ausentes dos concorrentes. Por essas razões, está explicado o sucesso imediato do carrinho, longe de ser um SUV, mas uma boa opção para o consumidor.

VERSÕES – PREÇOS – EQUIPAMENTOS• Kwid Life (R$ 29,9 mil) – Alerta para uso do cinto, airbags laterais, abertura interna da tampa traseira, desembaçador do vidro traseiro, fixação Isofix, indicador de troca de marcha e de condução, pre-instalação para rádio e rodas de aço aro 14. Opcionais: ar-condicionado e direção com assistência elétrica.

• Kwid Zen (R$ 35,9 mil) – Acrescenta ao Life, alerta para faróis acesos, ar-condicionado, compartimento de bagagem revestido, controle elétrico de vidros dianteiros e travas, direção com assistência elétrica, limpador do vidro traseiro, rádio com Bluetooth, entradas USB e auxiliar e retrovisor interno dia/noite.

• Kwid Intense (R$ 39,9 mil) – Acrescenta ao Zen abertura elétrica do porta-malas, ajuste elétrico dos retrovisores, câmera traseira, chave tipo “canivete”, computador de bordo, conta-giros, encosto de cabeça central no banco traseiro, faróis de neblina, rodas com calotas, sistema multimídia áudio Media Nav com GPS. A partir deste mesma será oferecido sem alguns destes itens.

 


Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *