Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

SALÃO DO AUTOMÓVEL: TUDO O QUE MERECE SER VISTO

Compartilhe!

Repleto de novidades e lançamentos em praticamente todos os estandes, o Salão do Automóvel de São Paulo, edição de 2018, foi uma clara indicação dos rumos que o mercado nacional -com algum atraso- irá seguir nos próximos anos. Duas coisas ficaram bem claras: primeiro, que o processo de eletrificação é realidade e, segundo, que estamos muito atrasados nesse quesito. Entre os modelos mais importantes expostos no Salão desse ano estão os conceitos Volkswagen Tarok, Fiat Fastback e Hyundai Saga; os elétricos Chevrolet Bolt, Nissan Leaf e Renault ZOE, e a volta das versões esportivas GTS, desta vez nos VW Polo e Virtus.

Textos e fotos: Ricardo Caruso e Marcos Cesar Silva.

 

Confira com AUTO&TÉCNICA as boas atrações da 30a. edição do Salão do Automóvel de São Paulo.

CHEVROLET

A Chevrolet anunciou que irá vender o elétrico Bolt e o reestilizado Camaro, ambos para 2019. O Bolt será vendido em versão única por R$ 175 mil. O modelo tem cerca de 380 km de autonomia em ciclo 100% elétrico. As recargas são feitas por meio de sistema plug-in (em tomadas) e pelos sistemas de recuperação de energia, que recarregam a bateria durante frenagens e desacelerações.

O Bolt é um carro elétrico que foge à regra de ser feio ou esquisito. Tem desenho hatch, agradável, e é capaz de carregar cerca de 60% da sua bateria em apenas 30 minutos ligado à tomada. O modelo tem importantes itens de segurança e já pensa em tecnologias semi-autônomas, com o uso de assistente de permanência em faixa, frenagem automática e alertas de colisão frontal,  ponto cego e tráfego cruzado, entre outros.

Como todos os modelos da marca lançados a partir de 2019, o Bolt também oferecerá conexão 4G e Wifi como itens de série. 

Outra novidade apresentada foi a reestilização do Camaro, nas versões SS cupê e conversível. Continua com versão única, motor 6.2V8 de 461 cv e, agora, ganhou câmbio automático de 10 marchas, substituindo o anterior de oito velocidades.

Cada vez mais descaracterizado em relação ao estilo dos Camaro dos anos 1960, o esportivo recebeu dianteira com grade maior e mais agressiva, que incorpora faróis e ampla entrada de ar do para-choque. Na traseira, novas lanternas fumê e com elementos mais separados. As rodas de 20 polegadas também foram redesenhadas e o preço parte de R$ 350 mil.

Outra atração grande da GM foi a versão SS do Cruze Sport6. Com carroceria hatch e sem previsão alguma para ser vendido, foi montado apenas para ser exposto no Salão do Automóvel, mas é bem interessante. O motor 1.4 turbo recebeu preparação e, segundo a GM, tem 300 cv. A suspensão foi rebaixada e as rodas são de 20 polegadas, pintadas de preto. Por dentro, bancos “concha” com cintos de segurança de quatro pontos vermelhos. Por fora, spoilerNa parte externa, o Cruze agora carrega um spilre maior na tampa traseira e todos os detalhes de grade, retrovisores e acabamentos cromados foram feitos em preto, destacando o apelo esportivo do conceito.

A série Midnight, já disponível para a picape S10 e o SUV Tracker, chegou ao Equinox. O modelo segue o conceito “all black” (todo preto) para carroceria, detalhes, rodas e até a gravatinha Chevrolet. O Onix Sound exibe projeto de sonorização da JBL e sistema multimídia com tela de 10 polegadas. O carro, exposto em cenário alusivo ao festival Lollapalooza, exibe ainda o futuro sistema de internet a bordo da Chevrolet.

Por fim, a Chevrolet aproveitou o Salão do Automóvel de São Paulo para exibir uma versão adaptada para PsDs (Pessoas com Deficiência) do Novo Spin, com rampa na traseira para facilitar o acesso de cadeirantes, que conta ainda com sistema de fixação e ancoragem para cadeiras de roda. O sistema foi desenvolvido em parceria com a Cavenaghi.

 VOLKSWAGEN

O reinado da Fiat Toro e da Renault Oroch pode estar ameaçado pela Volkswagen. O modelo que mais chamou atenção dos jornalistas e público visitante do Salão foi a picape Tarok. O modelo antecipa a futura picape média-pequena, que se posicionará entre Saveiro e Amarok, que entrará em produção em breve para brigar direto com as concorrentes da Fiat e da Renault. A Volkswagen garantiu que ela terá boa parte do desenho do conceito apresentado no Salão.

O estilo da Tarok é claramente inspirado no SUV T-Cross, outra atração da marca no evento. As lanternas são interligadas na traseira por uma faixa horizontal. Na verdade, a Tarok irá brigar mesmo direto com a Fiat Toro, que domina com tranquilidade esse segmento de picapes no Brasil. O conceito exibiu, por exemplo, a possibilidade de ampliar a capacidade da caçamba reclinando a segunda fileira de banco e recolhendo uma divisória.

Para alegra dos saudosistas, uma das expectativas de apresentação da Volkswagen era para o retorno da linha de esportivados GTS. A montadora mostrou o Polo GTS e Virtus GTS, ainda como conceitos. Mas fique tranquilo, no primeiro semestre de 2019 os dois estarão nas ruas.

GTS é uma das siglas mais cultuadas pelos fãs da Volkswagen por aqui. Polo GTS e Virtus GTS já haviam sido anunciados pela marca em seus planos de expansão no Brasil. No Salão, Virtus GTS e Polo GTS traziam o mesmo motor 1.4 TSI do Golf com 150 cv e transmissão automática de seis marchas.

FIAT

A Fiat poderá ter um SUV médio, baseado na picape Toro. Um sinal disso é o Fiat Fastback, que misturou boa parte do visual sofisticado com carroceria SUV cupê, já vista nos Ssangyong Action e nas BMW X6 e X4. Sem ter nenhum dado de sua mecânica revelado, o Fastback se transformou em um dos modelos mais importantes do Salão 2018. Depois do Freemont importado, pode ser agora que, finalmente, a Fiat vai entrar no segmento de SUVs.

E isso é mais do que necessário e urgente. O Freemont não passava de um “rebadge”do Dodge Journey, e a Fiat nunca teve um SUV para chamar de seu. Além do , mostrou o 500X, o Fiat Cinquecento anabolizado que cede plataforma para diversos modelos da FCA. A marca também mostro a última geração do 500.

O SUV da Toro tem visual ousado, com a dianteira modificada em relação à picape. As luzes superiores com LED ganharam um pequeno ressalto e são afiladas, enquanto as luzes inferiores têm desenho diferente. O para-choque foi redesenhado e ganhou entradas de ar maiores.

Visualmente menor que a Toro, o Fastback tem teto baixo e vidro traseiro muito bastante inclinado. As lanternas traseiras são por LEDs e atravessam horizontalmente a tampa do porta-malas. Por dentro, ganhou outro painel, com destaque para a central multimídia.

O 500X se distancia do Renegade, pela carroceria mais elegante e com linhas arredondadas. Como o nome explica, 500X é inspirado no espetacular 500, e traz faróis redondos, lanternas traseiras sofisticadas e friso cromado na dianteira. Por dentro, muito conforto e boa dose de luxo.

Desenvolvido e lançado praticamente ao mesmo tempo do Jeep Renegade, o Fiat 500X não era vendido no Brasil. Por causa da presença ainda não tão impactante da Jeep por aqui, a Fiat provavelmente temia que o 500X  atrapalhasse as vendas do Renegade. Com a Jeep sendo um sucesso no Brasil, pode ser que o simpático 500X chegue às concessionárias, isso se o dolar deixar. Se agradar ao público no Salão, deverá ser importado.  É idêntico ao Renegade em termos mecânicos, pois compartilha a mesma plataforma. Se for vendido aqui no Brasil, poderá ter os motores com turbo 1.0 e 1.3 disponíveis na Europa. 

Já o 500 pode voltar a ser vendido aqui, também na pendência de uma cotação mais decente do dolar. O modelo traz nova dianteira, para-choques redesenhados, lanternas traseiras e faróis com luzes diurnas de LED e novo interior. 

Além dessas novidades, a Fiat trouxe para o Salão de São Paulo uma versão esportiva do Argo, ainda em forma de conceito, com para-choques esportivos, suspensão rebaixada, faróis de LED e interior mais sofisticado. A cor amarela é exclusiva deste conceito. Por fim, a Toro Rescue, com visual aventureiro, pneus off-road, rodas de aço, suspensão elevada e elementos que remetem a operações de salva-vidas, e o Cronos Sport, com roupagem esportiva e interessante para o sedã.

FORD

A Ford levou uma grande quantidade de atrações para o Salão. Antecipadas aos jornalistas pela marca dias antes, as principais novidades se concentram mesmo nos SUVs, o principal foco da Ford. Entre elas a reestilização do Edge, o EcoSport sem estepe traseiro e o inédito Territory.

Para o Edge, a Ford anunciou as vendas da versão esportiva ST, equipada com motor 2.7V6 biturbo de 335 cv de potência. Nem preço e nem data de comercialização foram reveladas.

Como já aconteceu nos Estados Unidos e na Europa, o EcoSport perdeu o estepe externo na traseira, mas só na versão topo de linha, Titanium, que chegará às lojas em 2019.  Sem estepe, o EcoSport agora conta com pneus run-flat, que podem rodar até 80 km, mais um kit de reparo rápido que permite rodar mais 200. 

Já o Territory foi exibida para avaliar a reação do público brasileiro e por isso não tem vendas confirmadas. Ainda em forma de conceito, o SUV chinês terá configurações a gasolina, híbrida e híbrida plug-in.

Para entrar na categoria dos “utilitários de butique”, o Ka Sedan foi para o Salão com o conceito Urban Warrior. Além da pintura na cor laranja da carroceria, o sedã ganhou acabamentos em grafite nas rodas, retrovisores, grades e molduras plásticas nos para-lamas e saias dax caixas de ar.

Quem esperava a reestilização da Ranger teve que se contentar com dois modelos conceituais, Black e Storm. A Black segue a tendência das versões com visual “tudo preto”, com carroceria, rodas, logos e detalhes na cor preta. Ela traz o logo antigo da Ford na grade e nas saídas de ar laterais falsas nos para-lamas dianteiros. A Storm tem visual robusto, incluindo pneus lameiros, pintura em duas cores, snorkel e muitas molduras plásticas.

Mas quem gosta de picapes acabou se deliciando com uma das picapes mais cobiçadas do mundo, a impressionante F-150 Raptor, considerada a picape mais eficiente já produzida pela Ford. Segundo a montadora, foi inspirada nas corridas de deserto, comuns na Baixa California. Não há nenhuma previsão de sua comercialização no Brasil. 

Para a linha 2019, a F-150 Raptor 2019 ganhou o Trail Control, controle de cruzeiro quando se dirige em terrenos fora de estrada. Conta também com Start/Stop, que desliga o motor ao parar em ponto morto, para economizar combustível, religando-o imediatamente quando se solta o pedal de freio. O sistema reconhece ainda quando a picape está tracionando reboque ou em modo 4×4, e interrompe seu funcionamento.

A suspensão dianteira é independente e são usados amortecedores Fox ajustáveis, rodas de alumínio forjado de 17 polegadas e pneus BF Goodrich 315/70, de uso misto. Outra exclusividade da Raptor são os seis modos de condução que ajustam automaticamente seus parâmetros (rodagem normal, esportiva, chuva/neve, lama/areia, pedra e baja).

Confira no vídeo abaixo:

Também não faltaram diversos exemplares do Mustang, inclusive uma unidade preparada, o BTS 1000. Desenvolvido pela Batistinha Garage, é  baseado no Mustang GT,. Recebeu dois turbos em seu motor 5.0V8, que agora produz -segundo o preparador- 1.000 cv de potência máxima. O sistema de escapamento também foi desenvolvido pela BTS e usa abafadores com válvulas ativas para ajuste do som.

A suspensão recebeu molas esportivas. As rodas são Forgeline GF3  20×11 e 20×13, de três peças, que necessitou o uso de alargadores de para-lamas. Para finalizar, generoso spoiler na frente e pintura cinza fosca (Quartz Gray), também obra da BTS.

RENAULT

Dividindo atenção os eletrificados e SUVs, as picapes também estiveram com forte presença no Salão. A Renault não fugiu à regra, e a Renault, até então participante desse segmento com a média-pequena Oroch, apoveitou a mostra para fazer a estreia da inédita Alaskan. Isso sem contar a versão aventureira Outsider do Kwid e o Captur Bose.

A primeira picape média da era moderna da Renault, a Alaskan usa o mesmo conjunto mecânico da Nissan Frontier e compartilha com a irmã japonesa diversos componentes. A dianteira segue o visual dos demais modelos atuais da Renault, com destaque para os faróis integrados à grade.

A traseira traz lanternas com o mesmo recorte da Nissan, mas com elementos diferentes, enquanto a tampa da caçamba tem desenho próprio, com logo Renault ao centro e inscrição Alaskan. A lateral é idêntica à da Frontier, incluindo as mesmas portas e lateral da caçamba.  A cabine também é idêntica à da Frontier, exceto o logo Renault no volante.

A mecânica é a mesma da Nissan, mas ainda não foi definida  pela Renault a versão escolhida para o mercado brasileiro. A Frontier usa motor 2.3 turbo diesel de quatro cilindros com 160 ou 190 cv ou 160 cv. A transmissão é automática de seis marchas com tração 4×4. A Renault não revelou também o preço da Alaskan, nem assim a data de lançamento; além disso, ela sequer foi mostrada aos jornalistas.

Conceito no Salão de 2016, a versão Outsider do Kwid retornou ao evento para fazer sua estreia para o publico. As vendas começam em 2019, e o Kwid Outsider investe no visual aventureiro para assumir o posto de versão top de linha do pequeno Renault. O Outsider se diferencia pelos para-choques exclusivos com visual, novas molduras de para-lamas, rack de teto, calotas pretas e retrovisores com carcaça escurecida. Por dentro, revestimentos exclusivos e detalhes em cor laranja.

Outra novidade mostrada no Salão é o Captur Bose. O modelo conta com sistema de som premium e terá vendas iniciadas no próximo ano. A Renault não tocou no assunto preços ou posicionamento da nova versão dentro da linha.

O Salão de São Paulo foi marcado pelo lançamento oficial de três carros totalmente elétricos: Chevrolet Bolt, Nissan Leaf e Renault Zoe. O modelo francês chega com uma vantagem importante sobre os rivais: o preço. O Zoe é hoje o “carro elétrico mais barato do Brasil”, custando R$ 149.990, o que, convenhamos, não é tão barato assim…

Pioneira e líder na venda de veículos elétricos no mercado europeu, a Renault já iniciou as vendas do Zoe ao público, pois até agora era comercializado no Brasil apenas para empresas envolvidas em projetos de zero emissão. As reservas podem ser feitas no site www.eletricos.renault.com.br, no estande no Salão ou em concessionárias selecionadas em São Paulo e em Curitiba.

 HYUNDAI
A Hyundai apresentou o Saga EV. Conceito de SUV compacto urbano 100% elétrico,  antecipa o estilo do novo HB20, que deve chegar em 2019. Desenvolvido pelo Hyundai Design North America (HDNA), na Califórnia, em parceria com a área de Planejamento de Produto da Hyundai no Brasil, o Saga EV traz a evolução da identidade de estilo da marca, denominada “Esportividade Sensual”.
 
A Hyundai garante que é só um conceito, mas despido dos exageros típicos de modelos de exibição para Salões, pode apostar que esta é a segunda geração do HB20. Além disso, a Hyundai mostrou os modelos importados pela CAOA para o Brasil, ssem data de lançamento, mas confirmados: Santa Fé, Azera, Elantra, Sonata Hybrid e Ioniq.

KIA

Com 14 modelos em seu estande, todos esperavam que a Kia anunciasse a chegada do hatch Rio, já homologado para venda no Brasil. Mas só vai ser vendido aqui se o dólar baixar muito, ou como afirma a empresa, tudo depende da“viabilidade cambial para que posso chegar com preço competitivo ao consumidor”. O esportivo Stinger foi apresentado por Emerson Fittipaldi.

Outro modelo exposto foi o pequeno SUV Stonic, mas apenas como teste junto aos visitantes, pois em 2019 a Kia terá n mercado outro SUV, com a mesma plataforma do Cerato, trazido do México e ainda sem nome oficial.

Entre os automóveis eletrificados, a Kia Motors exibiu o Soul EV, Niro Hybrid e o Optima Hybrid, que segundo a empresa estão em fase final de homologação e que podem chegar ao mercado, desde que se enquadrem em alguma tributação diferenciada. 

AUDI

O novo Audi Q8 foi uma das atrações da Audi no Salão. O modelo, completamente novo, mistura as linhas de um cupê de quatro portas com um SUV de grande porte. As vendas do novo Q8 devem ser iniciadas em 2019, mas os preços ainda não foram definidos.

O modelo tem 4,98 metros de comprimento, 1,99 m de largura e 1,70 m altura. O porta-malas tem 605 litros de capacidade, que pode chegar a até 1.755 litros com os encostos traseiros rebatidos. O sistema de tração do Q8 traz tecnologia híbrida (MHEV), com bateria de íons de lítio e sistema elétrico de 48 volts. A bateria recarregável fica localizada abaixo do piso do porta-malas.

SMART

Praticamente desaparecida do Brasil, a Smart marcou presença no Salão de carona nos lançamentos da Mercedes. Não confirmado para o nosso país, o elétrico ForFour EQ esteve no Salão e fica na pendência de novas alíquotas de impostos para chegar às ruas, segundo a marca.

Com 3,49 metros de comprimento, tem motor elétrico de 82 cv e 16,3 mkgf de torque, com autonomia de 155 km. Como não há previsão de vendas, também não há de preços para o simpático modelo. A marca também não confirmou se voltará a vender o ForTwo nestas paragens, mas é certeza que os modelos a gasolina da Smart não serão mais oferecidos aqui, já que a linha será 100% elétrica a partir de 2020 para todos os mercados.

CHERY

A Chery mostrou o sedã nacional Arrizo 5. Com preços partindo dos R$ 65.990, ele pretende disputar mercado com VW Virtus e versões mais completas do Fiat Cronos. Tem 430 litros de capacidade no porta-malas, 2,65 m de entre-eixos e 4,53 m de comprimento. As vendas começam logo após o Salão.

MERCEDES

Todos apostavam na apresentação da picape Classe X no Brasil, mas ao que parece a Mercedes-Benz preferiu deixar a picape para uma outra ocasião, talvez no segundo semestre de 2019. No Salão, mostrou o Classe A, renovado e em carrocerias sedã e hatch.

 O hatch começa a ser vendido ainda este ano,  e o sedã no primeiro trimestre de 2019. Os modelos trazem o sistema MBUX, de reconhecimento de voz para controle de diversos sistemas do carro, incluindo som e até abertura do teto solar. O Classe A terá inicialmente a série especial Edition 1, com detalhes exclusivos.

Um dos destaques da marca foi o hiperesportivo AMG Project One. Baseado nos carros de Fórmula 1 da marca, o modelo teve todas as suas unidades já vendidas, incluindo uma para o ex-piloto Nico Rosberg e três unidades para o mercado brasileiro, a R$ 10 milhões cada. Usa motor 1.6V6 biturbo associado a quatro motores elétricos, para ofecerer mais de 1000 cv de potência máxima.

Além da dupla de Classe A, o Salão teve ainda o lançamento do AMG GT de quatro portas. O modelo será vendido na versão top de linha 63 S com motor biturbo, que leva o carro de zero a 100 km/h em 3,2 segundos. O câmbio é automático de nove marchas.

Para encerrar, a Mercedes trouxe o conceito EQ, que antecipou o elétrico EQC já mostrado na Europa. Segundo a própria Mercedes, o modelo estava no Salão Brasil para antecipar a chegada da linha EQ ao nosso mercado, mas que ainda não foi confirmada.

PORSCHE

No estande da Porsche podia ser visto o SUV Macan, o modelo da marca mais vendido atualmente, reestilizado e já disponível para o nosso mercado. Com 252 cv e câmbio PDK de 7 marchas, o SUV recebeu novos faróis e novo para-choque dianteiro. As luzes diurnas e o farol de neblina foram reposicionados, integrados às entradas de ar da dianteira.

Na traseira, as lanternas adotaram a identidade visual atual da marca, com um friso horizontal atravessando toda a tampa. O interior recebeu novas saídas de ar e central multimídia com tela sensível de 11 polegadas.  De série, essa versão ainda oferece bancos elétricos, suspensão ativa e rodas de 21 polegadas. As versões S e Turbo serão lançadas somente no ano que vem. O 2.0 turbo, disponível inicialmente, parte de R$ 329 mil na pré-venda, começando as entregas em 2019.

Outra atracão, além de um antigo 356 1957 que pertenceu a Ferry Porsche, era o 911 GT3 RS, já à venda no Brasil. As 19 unidades importadas do penúltimo esportivo da linha 911 serão oferecidas pela bagatela de R$ 1,2 milhões cada.

Com motor 4.0 boxer de seis cilindros, o GT3 RS tem 520 cv a 9.000 rpm. O câmbio é automatizado de sete  marchas, evolução do PDK, com dupla embreagem. Com 1.430 kg na versão Weissach, equipada com teto e capô de fibra de carbono, o modelo faz de zero a 100 km/h em 3,2 s, por conta da excelente relação peso/potência de 2,75 kg/cv.

SUZUKI

A discreta Suzuki venderá a nova geração do Jimny por aqui só no segundo semestre de 2019. Com preço inicial estimado em R$ 85 mil, será chamado de Jimny Sierra e vendido junto com a atual geração do pequeno jipe.

A nova geração adotou desenho retrô, com linhas mais quadradas, que remete ao antigo Samurai. A moldura preta na grade, o desnível na linha das janelas laterais e as lanternas integradas ao para-choque traseiro são referências claras disso.

Construído no mesmo chassi do Jimny atual, o Sierra mantém suspensão com eixo rígido e as opções de tração 4×2, 4×4 e 4×4 reduzida com seletor eletrônico. Mas é novo o motor de quaro cilindros,1.5 de 108 cv e a opção de câmbio automático. O interior é mais moderno e confortável, oferecendo como itens de série ar-condicionado digital, multimídia com conexão para smartphones, volante multifuncional e cruise cntrol. Como item de segurança, traz controles de tração e estabilidade e assistentes de subida e descida em rampa.

MITSUBISHI 

A Mitsubishi aproveitou o Salão para anunciar a venda do novo Pajero Sport no primeiro semestre de 2019. Com preço estimado de R$ 260 mil, o SUV grande passou por renovação completa. O exterior traz a identidade mundial da Mitsubishi, com a grande grade em “X” na dianteira. Com sete lugares, terá 11 airbags, sistemas de auxílio de frenagem (ABS e EBD), cruise control adaptativo e seletor de modos de terreno para a tração.

O motor é turbodiesel 2.4 de 190 cv de potência e 44 mkgf de torque, com são fornecidos por um motor 2.4, com transmissão automática de oito marchas.

Outra atração era o Eclipse Cross, que será produzido em Catalão (GO) no segundo semestre de 2019, conforme foi anunciado pela montadora. Este SUV tem motor 1.5 turbo de 165 cv e os preços começam em R$ 149.990 na versão 4×2 e de R$ 155.990 na 4×4.

HONDA

A Honda levou para o Salão a 10ª geração do sedã Accord no mercado brasileiro. Um dos primeiros veículos comercializados oficialmente pela marca no Brasil e vendido por aqui desde 1992 chegou completamente reformulado, com novo desenho, novo motor e mais equipado. As vendas começam ainda em 2018, na versão única Touring e custará R$ 198.500.

A marca japonesa deu as mãos para a rival Toyota, e ambas ficaram sem modelos inéditos para apresentar no Salão do Automóvel. Depois do HR-V (2014) e o WR-V (2016), a Honda chega ao Salão sem novidades, e a atração acabou sendo mesmo a nova geração do Accord, com motor 2.0 turbo de 255 cv e câmbio automático de 10 marchas, mais tração integral.

Além disso, a Honda informou que terá três carros híbridos no Brasil em um período de cinco anos, ou seja, tudo a muito longo prazo. Também confirmou que venderá a versão Touring do HR-V, equipada com motor turbo 1.5, o mesmo do Civic, em 2019. Mas o carro não estava no Salão.

LIFAN

O Salão de São Paulo marcou a estreia do Lifan X70 no Brasil. O modelo, que será intermediário dentro da linha da marca, será lançado ainda no primeiro trimestre do ano que vem. Já a minivan M7 e o SUV MyWay estavam no Salão para conhecer a reação do público e podem ser importados no próximo ano.

 

Com porte de SUV médio, o Lifan X70 chega ao Brasil com motor 2.0 de quatro cilindros e 140 cv, transmissão CVT ou manual de cinco marchas. O modelo tem itens como painel de instrumentos parcialmente digital, bancos revestidos de couro e teto solar panorâmico.

Já o SUV de sete lugares, o Lifan MyWay, custará o mesmo que uma Chevrolet Spin, segundo a marca. O modelo tem carroceria alta e suspensão elevada, misturando minivan com SUV. Com tração traseira, o 1.8 de 128 cv trabalha com transmissão automática ou manual de cinco marchas, mas não há nenhuma data para o lançamento. Por fim, outro modelo trazido pela Lifan é a minivan M7, que lembra o Ford S-Max europeu. Tem bom espaço interno, acabamento caprichado e o mesmo motor do X70. A transmissão é manual de cinco marchas ou CVT e também não há perspectiva de lançamento.

NISSAN

 A Nissan teve uma grande participação no Salão, e o maior destaque foi o anúncio do início da pré-venda de seu hatch elétrico Leaf. A novidade da marca japonesa já pode ser encomendada e custa R$ 178.400. 
 
A nova geração do Nissan Leaf tem melhor desempenho e maior autonomia, além de retoques no visual, que foi atualizado. O hatch traz o e-Pedal, sistema que proporciona maior eficiência no consumo de energia. Segundo a montadora, o Nissan Leaf tem autonomia para rodar até 240 km (ciclo combinado urbano/rodoviário) e até 389 km em ciclo urbano. O novo conjunto motor e-Powertrain permite ao hatch dispor do equivalente a 149 cv e 32,6 mkgf, o que significa acelerações mais rápidas.
 
Ainda na área de eletrificação, a Nissan exibiu o X-Trail híbrido no Salão. O modelo tem motor 2.0, 147 cv de potência e 21,1 mkgf de torque. O segredo está na unidade elétrica, que garante mais 40 cv de potência (187 cv ao todo) e 16 mkgf de torque. O XMotion antecipa o que a marca japonesa imagina sobre o futuro dos SUVs médios. De acordo com a Nissan, todos os carros desse tipo serão autônomos e conectados em poucas décadas. Seu projeto curioso indica que ele leva seis ocupantes em três colunas de bancos. A Nissan trouxe ainda ao Brasil o protótipo do seu novo carro da Fórmula E, sendo a marca a primeira fabricante japonesa a disputar a categoria.

A Frontier exibida já é fabricada na Argentina, com minimas mudanças em relação ao modelo mexicano. Como conceito, mais para show car, a Nissan levou ao Salão uma versão aventureira chamada Sentinel, como veículo de resgate.

TOYOTA

Sem grandes novidades para o mercado brasileiro, pois lançou o Yaris no início do ano, a Toyota teve na Hilux GR-S sua maior atração no Salão do Automóvel. Em série limitada a 420 unidades, que começará a ser vendida no início de 2019. O preço? R$ 205 mil.

A linha Yaris ganhou uma nova versão, a X-Way, com visual mais esportivo, repleta de apliques plásticos mas sem nenhuma alteração mecânica. Começa a ser vendida a partir de fevereiro de 2019, mas a Toyota não informou o preço.

A Toyota levou também para o evento modelos da linha concept i: concept i-walk e concept i-ride.

A Toyota Hilux GR-S teve mudanças em relação ao modelo que é sucesso em vários mercados. Ganhou rodas e capô pretos e novos detalhes ao redor da carroceria. Já pode ser encomendada no site da marca, mas as entregas dos 420 modelos começam apenas em janeiro próximo. A nova Hilux GR-S está equipada com motor 2.8 de 177 cv de potência a 3.400 rpm e 45,9 mkgf de torque máximos, com transmissão automática de seis velocidades e tração 4×4.

 

 

A marca reservou grande espaço de seu estande para a tecnologia híbrida. O Prius foi o pioneiro da marca na categoria, e tem servido de testes para a homologação de novo modelo eletrificado flex. Trata-se de projeto dos engenheiros brasileiros da Toyota, o primeiro híbrido que também consome etanol no mundo. Nos planos da marca está uma versão híbrida do Corolla no Brasil.

AS MULHERES DO SALÃO…

 

 

 


Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *