Segurança: alerta de ponto cego pode ser obrigatório no Brasil

Compartilhe!

Nosso combalido Brasil está com sua indústria automotiva ladeira abaixo, numa pindaíba de dar dó (carros caros, juros absurdos, financiamentos restritos, desatualização tecnológica, estratégias de marketing e publicidade desastrosos etc) mas, pelo menos em termos de segurança, os sinais vitais estão preservados. E mesmo estando muito atrás do que é exigido em outros mercados, de vez em quando a conversa toma um rumo mais interessante para o consumidor pelo menos no quesito segurança. Mudanças rápidas na legislação são quase impossíveis, pois a produção local se torna excessivamente cara em um País onde as montadoras transformaram os carros em artigo de luxo destinados a uma minoria. Mas vamos que vamos…

por Ricardo Caruso

Ver a imagem de origem

Por enquanto, no Brasil, a legislação exige que os novos veículos comercializados incluam pelo menos dois airbags e freios ABS de fábrica, e embora já se tenha tentado implementar o controle eletrônico de estabilidade, a aprovação deste item ainda não foi alcançada, apesar de ser um elemento que salva muitas vidas. Mas há um Projeto de Lei do Senado que pretende alterar o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) para incluir o “sensor de colisão lateral”, ou o chamado “alerta de ponto cego” como equipamento obrigatório dos veículos. O nome técnico é BLIS (Blind Spot Information System, ou Sistema de Informação sobre Ponto Cego)

Isso mesmo. Incluir na lista de equipamentos obrigatórios dos veículos o sensor de colisão lateral é o tema do PLS 673/22, que tramita no Senado Federal. De autoria da senadora Eliziane Gama (do CIDADANIA/MA), o texto altera o CTB, pois o Projeto de Lei quer incluir o alerta de ponto cego como equipamento obrigatório dos veículos. Ficaria a cargo do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) regulamentar a matéria.

Ainda de acordo com o Projeto, a implementação ocorreria de forma progressiva. Primeiro, o recurso seria incorporada aos novos projetos de automóveis e dos veículos deles derivados, bem como os fabricados, importados, montados ou encarroçados aqui, a partir do primeiro ano após a definição pelo Contran das especificações técnicas necessárias e dos respectivos cronogramas de implantação. E, a partir do quinto ano, após esta definição, para os demais automóveis zero quilômetro de modelos ou projetos já existentes e veículos deles derivados.

O surpreendente é que só agora o governo possa considerar a obrigatoriedade de incluir um recurso tão útil nos veículos. Aparentemente, de acordo com estudos, com a detecção de pontos cegos é possível reduzir os acidentes de mudança de pista em até 14% e reduzir significativamente as colisões no trânsito urbano.

Este elemento é viável para todos os fabricantes, pois não é caro (estima-se que não ultrapasse os R$ 300) e oferece muita segurança aos usuários. Atualmente, em nenhum país no mundo o “BLIS” é obrigatório, e o Brasil pode ser o primeiro a pelo menos anunciá-lo, uma vez que se estuda que a medida possa entrar em vigor em 2024.

Na Europa e Estados Unidos, no momento, não há nada sendo discutido nesse sentido, mas é verdade que há muitos veículos que incorporam o recurso, seja como equipamento padrão ou opcionalmente, tanto em carros top de linha quanto nos modelos de entrada.


Compartilhe!
简体中文 简体中文 English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano 日本語 日本語 Português Português Español Español