Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

Será que um Fórmula 1 resistiria a Le Mans? Dizem que sim…

Compartilhe!

Será que um carro de Fórmula 1 é capaz de resistir às 395 voltas que o Porsche 919 de Nico Hulkenberg precisou de completar e vencer no último final de semana a “24 Horas de Le Mans”? A pergunta é de difícil resposta, mas o diretor técnico da Lotus, Nick Chester, acredita que sim. “Os atuais regulamentos da Fórmula 1 em relação aos motores significa que temos um motor e caixa de câmbio capazes de completar as 24 horas de competição, o que não seria possível no passado”, garante, lembrando as últimas alterações feitas ns regulamento.

lemans-2013-nacht-qualifikation-371

Com a limitação a apenas quatro unidades por ano, os motores e caixas de câmbio tiveram a resistência mecânica aumentada consideravelmente, atingindo agora níveis comparados aos dos carros de Endurance. Por isso, Chester acredita que: “os atuais carros de Fórmula 1 poderiam facilmente participar de uma corrida de resistência, pois estão preparados para a durabilidade necessária na maioria de seus componentes”, acrescentou.

“No passado, com os motores V8 e as antigas caixas de câmbio, com certeza não seria possível. Talvez fosse interessante abordarmos os organizadores de Le Mans e lançar o desafio”, disse Chester. “Seria divertido e eu adoro o desafio de engenharia de um carro de Fórmula 1 para uma corrida de 24 horas”, admitiu.

Mark Webber, que trocou a Fórmula 1 para se dedicar em tempo integral ao Mundial de Endurance (WEC), com a Porsche, defende que o WEC ultrapassou a Fórmula 1 como a competição mais exigente da atualidade. “Em especial para os pilotos”, garante. “Estão entusiasmados, vão ao limite e é arriscado, o que é bom para o espetáculo e para o público”, afirmou o ex-piloto da Red Bull aos jornalistas britânicos.

Webber reforça ainda que os melhores carros do Mundial de Endurance são “extremamente sofisticados, futuristas e sempre à espera de serem domados”.


Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *