Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

Serviço: como “ler” os pneus de seu carro

Compartilhe!

Antes de mais nada, observe sempre o Manual do Proprietário, onde estão discriminadas as dimensões de pneus adequadas para o seu carro. Em caso de substituição, siga à risca as medidas descritas, para não comprometer a segurança e evitar problemas com as autoridades. Qualquer alteração nessas medidas é possível, desde que criteriosa e bem analisada.

home-tyre-image

Exemplo de dimensão de um pneu 175/70 R14 86 V

Código do Pneu

Pneus

175: Corresponde à largura da banda de rodagem do pneu, medida em milímetros. No exemplo apresentado, a largura é de 175 mm.

70: Este número é o resultado da relação entre a altura da lateral do pneu (flanco) e a largura da banda de rodagem. Neste caso concreto, a altura do flanco corresponde a 70% da largura do pneu. Em nível de dirigibilidade, a menor dimensão da altura do flanco significa maior aderência nas curvas mas, inevitavelmente, maior desconforto ao volante. E quanto mais alto for o pneu, pior a dirigibilidade mas maior o conforto.

R: Indica o tipo de construção interna do pneu, que neste caso (e em praticamente todos os pneus de automóveis atuais) é do tipo radial; antigamente existiam os pneus diagonais..

14: Este número corresponde ao diâmetro, em polegadas, da roda que recebeu o pneu. Neste exemplo, o diâmetro da roda é de 14 polegadas.

86: Valor que corresponde ao índice de carga. Cada índice corresponde a uma determinada carga medida em quilos. Neste caso isolado, para o índice 86 a carga máxima suportada é de 530 kg. Para saber todas as correspondências que determinam a carga, observe a tabela abaixo:

tabela_carga_maxima_pneu

V: Esta letra corresponde à velocidade máxima suportada pelo pneu. Os pneus com a referência V, por exemplo, não poderão ultrapassar os 240 km/h. Os índices de velocidade vão desde a letra A até Y, sendo que nos automóveis atuais, as referência mais usadas, por ordem crescente são:

interpretar-informacao-lateral-pneus-tabela-2

 Goodyear%20UltraGrip%208%20beauty%20shot_1

Consumo de combustível

Os pneus influem em20% do consumo de combustível do automóvel. Ao escolher pneus novos para seu carro, tenha em mente que pneus de qualidade e de marcas conhecidas poupam combustível e reduzem significativamente as emissões de CO2.

Aderência em piso molhado

A aderência em piso molhado é um dos fatores mais importantes a ser considerado na escolha de pneus novos. Quanto maior for a classificação de aderência, mais curta será a distância de frenagem. O Brasil ainda não adotou o programa de etiquetagem de pneus, como a Europa faz há tempos.

Lá, é possível ter a informação, por exemplo, que um conjunto de pneus com classificação A (os mais aderentes), permitem que a distância de frenagem em caso de emergência (a 80km/h), pode ser até 18 metros mais curta, se compararmos com um conjunto de pneus com classificação F (menos aderentes), por exemplo.

Ruído

Outra informação usada em pneus europeus. A escolha de pneus com boa classificação de ruído irá reduzir o impacto da sua condução sobre o ambiente em volta.

Os níveis de decibéis são medidos numa escala logarítmica. Por isso, o aumento de apenas alguns decibéis representa grande diferença nos níveis de ruído. Uma diferença de 3dB duplica a quantidade de ruído externo que o pneu produz.

Classificação do nível de ruído do pneu, tendo em conta os futuros limites europeus: 1 onda é referente a um pneu silencioso (3dB ou mais abaixo do futuro limite); 2 ondas significa que o pneu tem um ruído moderado (entre o futuro limite europeu e 3dB abaixo); por fim, 3 ondas refere-se a um pneu bastante ruidoso, cujo ruído está acima do futuro limite europeu.

Códigos adicionais do pneu

Pneus

Exemplo de código adicional de um pneu: DOT FU 3H JCT 3206

DOT – Este código é relativo ao Departamento de Transportes dos Estados Unidos, e é comum à maioria dos pneus vendidos atualmente em todo o mundo.

FU – Código da fábrica onde o pneu foi produzido.

3H – Código relativo à dimensão do pneu.

JCT – Estas três letras fazem parte de um código opcional, podendo ou não aparecer no pneu.

3206 – Semana e ano de fabricação do pneu. Neste caso, foi fabricado na 32ª semana do ano de 2006.

Verdades e Mentiras

Pneu vence?

Existe a lenda de que os pneus tem vida útil limitada a cinco anos, o que não é verdade. Sua durabilidade vai depender de vários fatores, como condições de uso, armazenamento, cuidados com calibragem, evitar buracos e guias etc.

É preciso calibrar o estepe?

Temos que calibrar os pneus a cada 15 dias e o estepe a cada 30 dias. É preciso ter cuidado, pois se o pneu de seu carro furar e o estepe estiver murcho, você não conseguirá utilizá-lo. Um estepe murcho é equivalente a um pneu furado.

Deve-se fazer rodízio?
A orientação é fazer o rodízio a cada 10.000km rodados, usando o estepe, para que os pneus tenham aumentada a vida útil.

Deve-se inverter o sentido de rodagem?
Não se deve fazer isso, pois existem pneus com sentido de rodagem definido, em que o desenho de um lado é diferente do outro. Dessa maneira, se invertermos um pneu com essas características podemos prejudicar o seu desempenho em termos de vazão de água, estabilidade e ruído. Além disso, temos que considerar também o chamado “vício do uso”, pois o pneu girando em outro sentido pode passar a apresentar deformações.

Dá para usar pneus com bolhas?
Quando uma bolha aparece no pneu é preciso trocá-lo de imediato, pois essa bolha pode, ao sofrer outro impacto, estourar, provocando um acidente. Por isso, cuidado com buracos e ao subir em guias e calçadas. É esse tipo de impacto que rompe estruturas internas do pneu, ocasionando as bolhas.

Pneu “careca” deve ser trocado?
Para saber exatamente a hora da troca, basta observarmos o indicador chamado TWI (Tread Wear Indicator), uma pequena saliência que se encontra no meio dos sulcos da banda de rodagem, a única parte do pneu que toca o solo. No momento em que o desgaste do pneu alcança esse relevo, o pneu encerra a sua vida útil. Em geral, essa durabilidade varia de acordo com o fabricante e o tipo de pneu. Um pneu pode durar de 30.000 km a 70.000 km rodados, e o que mais influencia nessa diferença é o tipo de composto utilizado na fabricação da borracha e os cuidados com calibragem e uso que o motorista tem. É importante lembrar também que quanto mais rápido e potente for o carro, mais borracha é utilizada no composto da fabricação do pneu e por razões físicas, maior é o seu desgaste, podendo muitas vezes não chegar aos 15.000 km.

É preciso realizar sempre a troca dos quatro pneus?
Em situações de desgaste normal, podemos optar pela troca parcial dos pneus, contanto que ela seja realizada nos dois pneus do mesmo eixo, para não gerar desequilíbrio entre as rodas e, importante: sempre priorizando os pneus traseiros. Isso porque, em caso de uma manobra rápida ou estouro do pneu, podemos tentar controlar as rodas dianteiras com o volante, diferente do eixo traseiro e, se estiver careca, o carro poderia derrapar sem controle.

Há problema em usar pneus diferentes? 
Há problema sim, mas somente se os pneu diferentes forem usados no mesmo eixo, pois mesmo com medidas iguais, o tamanho do pneu pode apresentar pequenas variações de um fabricante para o outro, tanto na altura como na largura. Porém, se for usada uma marca na frente e outra diferente atrás – nas medidas corretas- não há problema algum além do estético. Mas atenção0: essa regra não vale para veículos 4×4.


Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *