Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

Seville: “Querida, encolhi o Cadillac…”

Compartilhe!

Na década de 1970, o ano de 1975 foi muito ruim para a indústria automobilística norte-americana. A crise do petróleo estava no auge e a legislação de segurança, emissões poluentes e consumo de gasolina  estava cada vez mais rigorosa. Todas as marcas abriram mão de seus motores potentes, beberrões e poluidores, e criaram carros pouco memoráveis para grande parte do mercado. Modelos pequenos importados desembarcaram nos Estados Unidos, e Detroit começou a conhecer um longo período de declínio, que dura até hoje.

c11

O único lançamento que chamou atenção naquele ano talvez tenha sido o do Cadillac Seville. A marca foi forçada a investir num modelo menor, sem abrir mão do luxo. O carro era 68 cm mais curto que o DeVille e, melhor, cerca de 500 quilos mais leve. Diminuiu tamanho e peso, mas não o preço, pois o Seville estava entre os modelos mais caros da marca. O nome Seville veio de Sevilla, uma cidade da Espanha, e já havia sido utilizado antes numa versão do Eldorado feita de 1956 a 1960.

c14

A idéia era recuperar clientes perdidos para marcas importadas, em especial Mercedes-Benz e BMW, e por isso a Cadillac caprichou no desenho, criando um modelo realmente atraente. Era uma espécie de carro europeu com características americanas, uma das primeiras vezes em que isso aconteceu. Com linhas retas. tinha a “coluna C” (traseira) a quase 90°, quatro faróis retangulares, enormes pára-choques cromados e teto de vinil. E mais, usava um motor V8 alimentado por injeção eletrônica, pela primeira vez funcionando bem num carro americano.

TEMPO RECORDE

A GM quería e precisava apresentar soluções rápidas ao mercado, e por isso foi estabelecido o prazo de apenas 14 meses para o desenvolvimento do modelo, sendo que naquela época períodos normais para desenvolver um carro oscilavam de dois a três anos. Uma idéia era usar a mesma plataforma de tração dianteira já aplicada antes no Eldorado e no Oldsmobile Toronado, mas não havia produção suficiente da transmissão para atender mais um produto, e por isso essa possibilidade foi deixada de lado.

c6

A GM optou então pela “plataforma X”, que era conhecida internamente como N.O.V.A., as letras iniciais dos carros que a usavam (Chevrolet Nova, Oldsmobile Omega, Pontiac Ventura e Buick Apollo). Tinha subchassi fixado ao monobloco e foi tão mudada que ganhou identificação própria, pasando a ser conhecida como a “plataforma K”. Uma curiosidade: por usar a parte dianteira do teto de outros carros e uma seção traseira nova, o carro tinha de série teto de vinil, necessário para esconder a emenda.

O Seville tinha 5,2 metros de comprimento, 1,8 m de largura, 2,9 m de distância entre-eixos e 1.900 kg de peso. Essa diminuição de tamanho foi uma atitude corajosa da GM, pois existía a tese de que, carros de luxo menores jamais fariam sucesso no mercado americano.

COM INJEÇÃO

Mas existiam outros atrativos. O Seville  usava motor 5.7V8 (o 350V8), com comando de válvulas no bloco, 180 cv de potência e 37,9 mkgf de torque, feito pela Oldsmobile. A injeção eletrônica era fornecida pela Bendix, apresentada um pouco antes no motor 8.2V8 do Eldorado. A tração era traseira, com câmbio automático de três marchas, suspensão dianteira independente com braços sobrepostos, eixo rígido na traseira com feixes de molas e freios a disco na dianteira.

O Cadillac perdeu tamanho, mas não perdeu a pose. Só dois ítens eram opcionais: rádio e teto solar. De resto, uma longa lista de acessórios e recursos, como vidros, travas e espelhos elétricos; ar-condicionado automático; volante regulável em inclinação e profundidade; comutador automático de faróis altos e baixos; quebra-sol com espelho e iluminação, freio de estacionamento com liberação automática e até iluminação na fechadura da porta.

 O carro foi recebido com elogios, mas custava caro. Mais caro que ele, só a limusine Fleetwood 75, que tinha produção limitada. Mas a estratégia funcionou. Foram quase 45 mil unidades vendidas no primeiro ano, e isso deu segurança para a GM reduzir o tamanho de outros carros.

EVOLUINDO

 Os freios a disco na traseira foram adotados em 1977, e em 1978 a versão Elegance era pintada em duas cores e usava rodas raiadas, teto sem vinil (a tal emenda das chapas foi eliminada) e bancos revestidos de couro. Ainda em 1978, o carro ganhou painel de instrumentos digital –o Tripmaster- que reunia os mostradores e computador de bordo. Para 1979, a GM apresentou a versao Gucci, criada em parceria com a tradicional grife. Tudo isso levantou as vendas da Cadillac e a GM atingiu sua meta, que era roubar clientes dos carros europeus.

Mas também a GM relaxou e cometeu alguns equívocos. O primeiro deles foi usar um motor 5.7V8 a diesel (da Oldsmobile), com pouco mais de 100 cv e 28 mkgf. Era de série no Seville 1980, ficando o 6.0V8 a gasolina de 145 ou 160 cv, como opcional. Afinal, motor diesel dava certo nas Mercedes-Benz, mas a GM esqueceu que os alemães tinham amplo know how no assunto, enquanto o motor a diesel americano era de manutenção difícil e pouco confiável. Felizmente durou pouco.

c12

Em 1980 veio o motor 6.0 8/6/4, de 140 cv e 36,5 mkgf, que desligava cilindros (dois ou quatro) conforme a necessidade. Mas os recursos para isso funcionar na época eram ruins, e logo vieram as queixas dos consumidores. Outra tentativa para consumir menos foi em 1981, ao usar o motor 4.1V6 de 125 cv, variação do 3.8V6 Buick. Esse foi o primeiro motor de seis cilindros usado em um Cadillac em muitos anos. Em 1982, o Seville ganhou motor 4.1V8 (chamado de HT 4100) com cabeçotes de alumínio, 125 cv e 27,6 mkgf; em 1983, ganhou mais 10 cv.

QUE TRASEIRA!

 O mais interessante é que o Seville 1980 surpreendeu em termos de desenho, com a traseira inspirado nos Rolls-Royce de antes da guerra. A plataforma passou a ser a K, com tração dianteira e suspensão traseira independente com nivelamento automático. Toda a parte mecância e dianteira era comuns entre o Seville e o Eldorado.

c13

Por dentro, o mesmo luxo e novas tecnologias, incluindo bancos elétricos com memórias, ar-condicionado automático e painel digital, além de retrovisores externos com desembaçador e o opcional Full Cabriolet Roof, teto que transfomava o sedã num quase conversível. E de quatro portas! Bancos de couro, calotas raiadas e pintura em duas cores eram também disponíveis.

c7

O Seville 1986 diminuiu ainda mais de tamanho e entrou na faixa que os americanos chama de “carros compactos”, pois ficara 40 cm mais curto e cerca de 170 kg mais leve. A traseira voltou a ser “normal”, com a tradicional coluna traseira vertical lançada em 1975.

c9

A mecânica também evoluiu, pois tinha câmbio automático de quatro marchas com alavanca no assoalho e freios a disco nas quatro rodas. A suspensão traseira era com feixe de molas transversal, de plástico reforçado com fibra de vidro, e nivelamento automático. Na lista de opcionais, freios ABS, telefone celular, retrovisor interno fotocrômico, som Bose e pintura em dois tons. Ao mesmo tempo a Cadillac lançou um outro modelo, menor ainda. Era o Cimarron, na verdade o nosso velho conhecido Monza com acabamento mais ou menos Cadillac. Um desastre.

EM BAIXA

Mas apesar do luxo e equipamentos, o Seville 1986 não fez muito sucesso, e as vendas caíram de quase 40 mil unidades para apenas 19 mil. Isso se explica pelo fato de que a carroceria era compartilhada com outros modelos da GM, como o Oldsmobile Calais, que custava três vezes menos. A situação ficou ruim até ser lançada em 1988 a versão STS (Seville Touring Sedan), mais esportiva, equipada com o motor 4.5V8. Esse motor tinha coletor de admissão variável em duas fases, 155 cv e 33 mkgf.

Para o próximo ano, 1989, uma das novidades era o pára-brisa com desembaçador (ElectriClear) e chave codificada. No ano seguinte, o motor V8 ganhou injeção multiponto e por isso a potência foi para 180 cv e 34 mkgf, enquanto airbag passou a ser de série para o motorista. Mais um ano e o Seville recebeu o motor 5.0V8 de 200 cv e 38 mkgf, acoplado a um câmbio automática com gerenciamento eletrônico.

Na linha 1992, o Seville ficou não só mais largo, como 30 cm mais longo, e cada vez mais luxuoso. O eficiente motor Northstar 4.6V8 com bloco de alumínio, duplo comando de válvulas nos cabeçotes e 32 válvulas tinha 295 cv e 40 mkgf, e passou a ser usado na linha 1993. Vieram ainda o airbag frontal para o passageiro e, no STS, controle de tração e suspensão inteligente, com três três níveis de amortecimento: Comfort, Normal e Sport. No ano seguinte, o SLS (Seville Luxury Sedan) passou a usar um motor Northstar amansado, com 270 cv, enquanto controle de tração e suspensão eletrônica equipavam todos os Seville.

c17 02

Um novo painel surgiu em 1996, e para 1997 o carro ganhou controle eletrônico de estabilidade –o Stabilitrack- e limpador de pára-brisa automático, com sensor de chuva. O STS recebeu melhorias na suspensão, e a GM apresentou o sistema OnStar de assistência ao motorista.

MÉDIO DE NOVO

Como em 1996 o Fleetwood saiu de linha, o Seville se tornou o carro de tamanho médio da marca, abaixo apenas do DeVille. Sua última geração foi lançada em 1998, apenas como evolução discreta do anterior, mas com melhor aerodinâmica (Cx 0,30) e mais seguro. A plataforma era uma variação da usada nos Buick Riviera e Park Avenue e Oldsmobile Aurora.

c8

O motor Northstar de 32 válvulas chegava a 275 cv no SLS e 300 cv no STS. A suspensão traseira era multilink e usava braços de alumínio (presentes também na dianteira), sempre com ajuste eletrônico de amortecimento. Airbags laterais na frente e cintos com pré-tensionadores ajudavam na segurança. Por dentro, ainda mais sofisticação, como no banco do motoristam que tinha 10 sensores ligados a um dispositivo que variava a pressão sobre o corpo. O som Bose tinha 425 watts, subwoofer e CD Player de 12 discos.

c16 02

Com um excelente carro em mãos, a Cadillac planejou exportar o Seville para cerca de 40 países. A linha 2000 chegou com sensores de estacionamento na traseira e, em 2002, o modelo ganhou GPS; para 2003, comando de voz, ajuste elétrico para o volante.

O FINAL

O Seville passou para a história em abril de 2004, quando a Cadillac apresentou um novo STS. O novo carro era mais moderno, com a plataforma Sigma do CTS e motor 3.6V6 de 255 cv ou 4.6V8 de 320 cv, sempre automático de cinco marchas. Assim mesmo, o mais eficiente carro compacto da Cadillac deixou de ser fabricado exibindo o que havia de melhor na marca, além de ter quebrado paradigmas em relação ao tamanho, num momento necessário da história.

c10


Compartilhe!
English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano Português Português Español Español