Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

SONIC: JÁ ACELERAMOS O NOVO CHEVROLET

Compartilhe!

A Chevrolet vem numa sequência impressionante de lançamentos no Brasil, cumprindo sua promessa de renovar toda a linha até o final de 2012. Cruze, Cobalt, S10 e Cruze hatch já estão nas lojas. Agora dois dos mais aguardados lançamentos da marca para 2012 também foram mostrados. O Chevrolet Sonic, importado da Coréia do Sul, será vendido no mercado brasileiro nas carrocerias de quatro portas hatch e sedã.

O Sonic foi projetado para ser um carro compacto, mas adequado ao uso no dia a dia, disponibilizando soluções práticas e qualidade para consumidores mais novos, com gosto pelo desenho e sofisticação. Com o objetivo de assegurar bom equilíbrio entre estabilidade e conforto, os engenheiros da Chevrolet desenvolveram uma carroceria que se encontra entre as mais rígidas do segmento.

Tanto o Chevrolet Sonic hatch quanto o Sonic sedã serão vendidos nas versões LT e LTZ, equipados com o atual e inédito no mercado brasileiro motor Ecotec 1.6 16V, combinado com um câmbio manual de cinco marchas ou um automático de seis.

DESENHO ATUAL

De todos os ângulos, o Sonic impressiona pelo desenho e acabamento. No Brasil a Chevrolet não tem muita experiência com carros compactos premium, mas as linhas esportivas, faróis circulares separados (de volta!) e soluções aerodinâmicas vão facilitar o trabalho da montadora. É realmente um carro interessante, que terá como principais concorrentes os Honda Fit e City, e os Ford New Fiesta.

Na dianteira, o destaque vai para o interessante conjunto ótico. Os faróis com os canhões de luz expostos chamam atenção ao primeiro olhar e se tornam característica do carro. A GM chegou a pensar em mudá-los, mas felizmente isso não foi feito. A grade bipartida aloja a “gravata” e está montada em posição mais baixa. A borda do capô forma uma linha de que flui pelas laterais, numa linha de cintura alta.

O sedã e o hatch são modelos bem distintos. O sedã, visto de perfil, atende o público mais maduro. À primeira vista, parece um hatch de três portas porque as fechaduras das portas traseiras estão escondidas na coluna “C”. A traseira do Sonic hatch inclui lanternas pouco convencionais, inspiradas nas motocicletas.

POR DENTRO

Por dentro, é fácil observar a atenção aos detalhes, que resultou em maior qualidade, típica de carros de segmentos superiores. Nas mesmas versões, não existem diferenças de configuração interna entre o hatch e o sedã.

Assim como outros modelos Chevrolet, o duplo cockpit incorpora outro elemento de desenho característico: o painel envolvente que vai até as portas da frente. Nas extremidades, saídas circulares de ventilação se destacam. O painel de instrumentos é claramente inspirado nos de motos, incluindo um mostrador analógico e um visor digital LCD. A iluminação é na tonalidade Ice Blue.

Os vários locais para os compartimentos porta-objetos não foram esquecidos. Além dos dois portaluvas (no superior, tomada USB integrada), vários pequenos compartimentos e bolsas nas portas, bem como três porta-copos à frente, permitem acomodar objetos de diversos tamanhos. Todos os dispositivos eletrônicos instalados no porta-luvas superior podem ser operados por meio dos comandos no volante ou do sistema de áudio.

O porta-malas do sedã tem 477 litros de capacidade de carga, o que o coloca entre as melhores da categoria. Na traseira do hatch, é possível transportar o equivalente a 665 litros com o banco traseiro se encontra rebatido. Em posição normal, são 265 litros de capacidade.

MOTOR ECOTEC

A dirigibilidade é muito boa. A suspensão dianteira do Sonic é independente, tipo McPherson, com molas helicoidais e barra estabilizadora e, em conjunto com a suspensão traseira, por eixo de torção, proporciona um rodar estável e equilibrado. A direção conta com sistema hidráulico progressivo.

Apesar de projetado na Coréia, o carro teve participação dos engenheiros da Chevrolet brasileira no seu desenvolvimento, que forneceram dados sobre as condições de piso encontradas aqui. Além disso, antes de começar a ser importado para o mercado brasileiro, os engenheiros rodaram mais de 1,7 milhão de quilômetros, nas mais diferentes condições de piso e clima, já que, além dos acertos de suspensão, freio e direção, a engenharia brasileira também trabalhou no desenvolvimento da versão bicombustível do motor 1.6 16V Ecotec.

A linha de motores Ecotec reúne o que há de mais sofisticado em termos de engenharia e tecnologia dentro da GM. Seu cabeçote conta com duplo comando de válvulas continuamente variável (Dual CVVT), com variação do tempo de abertura das válvulas de admissão e de escapamento.

Além disso, o 1.6 16V do Sonic tem coletor de admissão variável, o que torna as respostas do motor mais rápidas. O coletor “curto” é mais utilizado em altas velocidades, quando o carro necessita de potência. Em baixas rotações, o coletor se torna “longo” privilegiando o torque. Além disso, o sistema permite uma queima de combustível mais eficiente, proporcionando melhor desempenho, economia e menor emissão de poluentes.

SOFISTICADO

E não é só. Este motor tem bielas forjadas, em vez de fundidas, o que garante mais durabilidade. São utilizadas, por exemplo, em carros de corrida e de alto desempenho. O cabeçote é feito de alumínio, como o cárter, e junto com o bloco conta com galerias internas para arrefecimento especialmente desenhadas, de modo que a temperatura no cabeçote seja menor, permitindo maior avanço de ignição, o que resulta em menor consumo.

Graças a estas tecnologias, o 1.6 16V Ecotec do Sonic rende 120 cv de potência máxima com etanol e 116 cv com gasolina, a 6.000 rpm. O torque máximo, com etanol, é de 16,3 kgfm a 4.000 rpm. Com gasolina, o torque é de 15,8 kgfm, na mesma rotação. E, além dos bons números, vale ressaltar que 90% do torque já estão disponíveis a partir das 2.200 rpm.

Além da caixa de transmissão manual, de cinco velocidades, o Sonic oferece para as duas carrocerias câmbio automático, com seis velocidades e opção de mudanças no modo sequencial. O câmbio automático também se adapta ao estilo de condução do motorista, e conta com um sensor de inclinação, que modifica as marchas segundo a necessidade. Por exemplo, em uma descida, ele reduz marchas para ajudar a segurar o carro, mesmo sem a intervenção do motorista. Em subidas, evita trocas desnecessárias.

VERSÕES E PREÇOS

O Chevrolet Sonic chega ao Brasil em duas versões, como os outros modelos comercializados pela Chevrolet: LT e LTZ. A versão LT já é bem completa de série, com ar-condicionado, airbags dianteiros, direção hidráulica, computador de bordo, ABS com EBD, “trio elétrico”, rodas de liga leve aro 15 e desembaçador do vidro traseiro.

Já a versão LTZ oferece tudo o que a LT traz e acrescenta sensor de estacionamento, faróis de neblina dianteiros, apliques cromados nas maçanetas internas, friso lateral cromado, rodas de liga leve aro 16 com pneus 205/55, descansa-braço central, controles para o rádio no volante e rede porta-objetos no porta-malas. Além disso, a versão do Sonic LTZ oferece a opção do câmbio automático de seis marchas, piloto automático e o revestimento dos bancos em couro.

O Chevrolet Sonic será comercializado em seis diferentes cores, algumas de nomes bem estranhos: Vermelho Flame, Azul Boracay (exclusiva do hatch), Cinza Urban, Prata Switchblade, Preto Carbon Flash (todas metálicas) e Branco Summit (sólida). O Sonic hatch parte de R$ 46.200 para a versão LT e chega a R$ 53.600 na LTZ automática. O sedã começa em R$ 48.700 (LT) e alcança R$ 56.100 na LTZ automática.

– Leia mais em AUTO&TÉCNICA e SUPER CHEVY.


Compartilhe!
English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano Português Português Español Español