Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

TEST DRIVE: Land Rover Discovery Sport HSE Luxury

Compartilhe!

Apresentado em 2008 no Salão de Detroit como o conceito LXR e lançado no mercado dois anos depois, o Range Rover Evoque se tornou um sucesso sem precedentes na sua categoria em todo o mundo, inclusive no Brasil. Repleto de qualidades, logo se transformou numa espécie de “SUV da moda”, para alegria da marca britânica.

A Jaguar Land Rover não perdeu tempo, sabia que tinha bom produto para trabalhar e capitalizou de várias maneiras. A principal foi espalhar detalhes do desenho do Evoque em outros modelos de sua linha. Inclusive no modelo de entrada, o Land Rover Discovery Sport, que se tornou o seu veículo mais vendido no Brasil. Feito no Rio de Janeiro desde o ano passado e equipado com o novo motor 2.0 diesel da linha Ingenium, o SUV mostrou porque vende bem.

 

 

É um carro de entrada da marca, mas é bom lembrar que estamos falando de Land Rover, e não de sorumbáticos carrinhos populares. Assim, mesmo de entrada, continua luxuoso e bem equipado. A versão que AUTO&TÉCNICA avaliou é a top de linha HSE Luxury, que custa cerca de R$ 300 mil e não é menos eficiente que seus “irmãos ricos” dentro da marca.

MOTOR NOVO

Antes usava motor 2.2 diesel, feito pela Ford. O Discovery Sport nacional rompe esse último vínculo com a Ford. que havia sido controladora da marca. Agora é equipado com motores próprios, nesse caso da linha Ingenium, que há cerca de um ano já é usado nos Discovery Sport e Evoque. Esse 2.0 Ingenium, turbo, tem 180 cv de potência máxima e 43,8 kgfm de torque a 1.750 rpm, ou seja, 10 cv a menos e 1 mkgf a mais que o velho 2.2 Duratorq da Ford.

Com isso, praticamente não se nota diferença no desempenho, mas o consumo melhorou. Pulou de 9 km/litro de diesel na cidade para 11 km/l, e de 11 km/l para 13 km/l em estrada. O câmbio é o fantástico automático ZF de nove marchas, com opção sequencial e “paddle-shfits”. A direção é elétrica e os freios contam com discos ventilados na frente e sólidos atras.

 

Mesmo sendo um modelo básico, a lista de equipamentos é longa (lembre-se, é um Land Rover): bancos dianteiros tem ajustes elétricos e memória, rodas de liga leve aro 18, sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, câmera de ré, faróis de neblina, faróis de xenônio com iluminação diurna por LEDs, bancos de couro e multimídia “InControl Touch”. Sem contar teto panorâmico de vidro, navegação por GPS e sistema de som Meridian com 16 alto-falantes.

ACABAMENTO

Estranhou quando dissemos que ele é básico? O acabamento do Discovery Sport é muito bom, com couro marrom claro na versão avaliada. O comando do câmbio automático é feito por meio de um botão giratório no console. Ele fica recolhido e, quando se dá a partida (sem chave), ele se desloca para cima. Realmente, é “de entrada”, mas no patamar de um carro de R$ 300 mil.

Trata-se de um veículo grande, e por isso um dos destaques é seu espaço interno. Tem 4,59 metros de comprimento, (cerca de 30 cm a mais que o Evoque), 2 m de lagura, 1,72 m de altura e 2,74 m de entre-eixos. Os maiores beneficiados foram o espaço para os ocupantes e a capacidade do porta-malas, que acomoda 454 litros. Conta ainda com uma terceira fileira de bancos,  espaço apertadinho indicado para crianças. Lá atras existem saídas do ar-condicionado e tomada 12V.

Land Rover é sinônimo de eficiência em qualquer piso. O Discovery Sport conta com o sistema “Terrain Response”, que distribui o torque pelas quatro rodas de acordo com o tipo de terreno. Além disso, o SUV conta com a função “All Terrain Progress Control. Ao ser ativada, o Discovery Sport assume acelerador e freio, mantendo velocidade constante -entre 1,8 e 30 km/h- restando ao motorista o trabalho de controlar o volante.
 
O ângulo de entrada é de 25 graus e o de saída 31 graus. O vão livre em relação a slo é de 21 cm. 

Quem pensar num carro desse porte com motor 2.0 pode até ficar desconfiado, mas seu desempenho é muito bom. Turbo e torque elevado facilitam tudo. A aceleração de zero a 100 km/h é feita em 9 segundos, e a velocidade máxima limitada em 190 km/h. 

CONCLUSÃO

Outra característica da marca é o talento de manter luxo e conforto a bordo, qualquer que seja as condições do piso. O mundo pode estar acabando d lado de fora, mas os ocupantes estarão usufruindo de luxo, bancos confortáveis e suspensões -com componentes de aço e alumínio-  calibradas para garantir o bem estar. O nível de ruído do motor é muito baixo.

 

Tem R$ 300 mil para gastar e busca um SUV de respeito? Então compre. O Land Rover Discovery Sport HSE Luxury tem bons argumentos para te convencer disso. É um SUV bem equipado -mesmo sendo de entrada- confortável e realmente eficiente no fora de estrada.

Com o novo motor 2.0 diesel Ingenium, ficou surpreendentemente mais econômico. É um modelo mais indicado para famílias do que o Evoque, por oferecer mais espaço interno e capacidade de porta-malas.

 


Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *