Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

TEST DRIVE: NOVO RENAULT CLIO

Compartilhe!

Em 2007, quando apresentou o Sandero, a Renault não sabia muito bem o que fazer com o já veterano Clio. Pensou rápido, “limpou” o pequeno hatch e o colocou no segmento dos carros de entrada, com preço mais acessível. Só que depenou ele demais, e por isso o carrinho ficou esquecido na gama, só vendendo por conta do preço.

Como esse é um segmento nada desprezível dentro do mercado brasileiro, os franceses resolveram dar mais atenção ao modelo, que é importado da Argentina. Trazer o novo e recém lançado Clio IV seria caro e exigiria muitos investimentos –o que muitas marcas não acreditam merecer o consumidor brasileiro- então a solução foi reestilizar o velho Clio II. E assim surgiu o Novo Clio.

O carro continua com desenho típico dos anos 1990, mas  recebeu a nova identidade visual da marca na dianteira e alguns retoques gerais  na traseira e interior. As novidades da dianteira são os faróis, pára-choques,  capô e grades. A inspiração para o Clio II veio, é claro, do Clio IV,
apresentado no recente Salão de Paris.

MUDANÇAS

O trabalho desenvolvido pelas equipes do Renault  Tecnologia Américas (RTA) e Renault Design América Latina (RDAL) para a  concepção o Clio resultou em cerca de 180 peças novas ou evoluídas na carroceria  e acabamento quando comparado com o seu antecessor

Na traseira as mudanças foram bem menores. As lanternas  são praticamente iguais, e agora há um spoiler com terceira luz de freio e  novos vincos na tampa.

No interior, os instrumentos ficaram parecidos com os dos  Logan e Sandero, com marcadores de nível de combustível e temperatura digitais e  computador de bordo (de oito funções). O conta-giros tem quatro áreas diferenciadas,  para orientar o motorista para as zonas de rotação do motor em busca de  economia de combustível, o que a Renault chama de Eco-monitor. A faixa verde,
por exemplo, indica o momento de menor consumo; a área branca mostra o motor em  marcha lenta, e o espaço delimitado em amarelo significa o momento de maior  desempenho do motor. O conjunto tem iluminação na cor âmbar, e o volante é de  três raios.

Comandos do ar-condicionado e controles de ventilação têm novos botões, de formato mais anatômico e com acabamento cromado. Os bancos  tiveram a textura do tecido modificada e estão com padronagem visual  diferenciada, projetados com sistema antimergulho.

MAIS BARATO

Para aliviar o lado do comprador de um carro quase de  coleção (mas ainda assim eficiente), os preços foram reduzidos em quase R$ 1  mil. A versão Authentique duas portas começa em R$ 23.290, preço que vai para  R$ 24.290 no quatro portas. Acima, mais equipado, está o Expression, que custa  R$ 24.950, disponível apenas com quatro portas. Mais barato que isso, só Ford  Ka e Fiat Mille.

A economia foi o foco das alterações feitas na  mecânica do Clio, incluindo pneus de baixa resistência a rolagem. O motor  ganhou as mesmas bielas e bomba de óleo do motor 1.2 16V turbo, que é usado na  Europa, e a taxa de compressão saltou de 10:1 para 12:1. Esse motor recebeu 71 peças  novas, de junta de cabeçote até a borboleta de aceleração, passando por injetores  e coletor de admissão de ar, até chegar aos pistões arrefecidos por jatos de  óleo.

Segundo a Renault, o Clio chega ao mercado como o  modelo com o melhor nível de consumo de combustível da sua categoria, já que  ele obteve a nota “A” na categoria “Subcompacto” do “Programa Brasileiro de  Etiquetagem Veicular” do Inmetro, tanto na versão de entrada como na equipada  com ar-condicionado e direção hidráulica.

Quando abastecida com etanol, a versão equipada com  ar-condicionado e direção hidráulica faz 9,1 km/litro na cidade e 9,6 km/litro  na estrada. Com gasolina, fica em 13,1 km/litro na cidade e 14,3 km/litro na estrada.  O modelo sem ar e direção obtém índices melhores, com 9,5 km/litro e 10,7 km/litro  (etanol) e 14,3 km/litro e 15,8 km/litro (gasolina).

POTENTE

Comparando com o antigo Hi-Flex, o novo Hi-Power teve  ganho de potência tanto com etanol quanto com gasolina. São 80 cv e 77 cv,  respectivamente, a 5.750 rpm. O torque também melhorou. Agora são 10,1 kgfm,  com gasolina, e 10,5 kgfm com etanol, a 4.250 rpm.

Apesar de mais econômico, o Clio registra números mais  favoráveis de desempenho. Com etanol, faz de zero a 100 km/h em 13,7 segundos e  chega a 168 km/h de velocidade máxima. Com gasolina, a aceleração de zero a 100  km/h é feita em 14,3 segundos e a velocidade final fica em 167 km/h.

O câmbio também mudou. Continua sendo o mesmo manual  de cinco marchas feito pela Renault no Chile, mas agora conta com diferencial  de relação mais longa. Com essa alteração, a relação final de todas as marchas  foram alongadas, para que o carro ficasse mais econômico e ganhasse velocidade  máxima.

A suspensão do Clio continua com dianteira tipo McPherson,  com amortecedores hidráulicos telescópicos e molas helicoidais, e traseira semi-independente,  com molas helicoidais e amortecedores hidráulicos telescópicos verticais e  barra estabilizadora.

O Clio é equipado com rodas aro 13 e pneus na medida  175/70.  Esse é outro fator importante na
melhora do consumo. A combinação de novos compostos na confecção da borracha e  o desenho da banda de rodagem permitiram pneus com menor resistência ao  rolamento, sem comprometer a segurança.

PERSONALIZAÇÃO

No quesito design, o Clio ainda acena com um  importante diferencial: por meio de kits de personalização, os consumidores  poderão dar um toque pessoal e de exclusividade ao modelo, tanto externa quanto  internamente.

São quatro kits de personalização disponíveis, sendo três  para o exterior: Sport, Look e Adesivos; e um para o interior, o kit Estilo. A  instalação do conjunto Sport, por exemplo, faz o hatch ficar com aparência de  que está “grudado” ao chão, como convém a um esportivo (o que não é o caso,
claro). Já o kit Look tem friso lateral das portas com filete personalizável e retrovisores  externos pintados na cor da carroceria, combinando assim, com os frisos  laterais.

O Clio está disponível em oito opções de cor: Bege Poivre, Cinza Quartz, Prata Etoile, Vermelho Fogo (metálicas), além de Branco  Glacier, Preto Opaco e Vermelho Vivo (sólidas). A linha 2013 oferecerá ainda  uma nova tonalidade a mais: Branco Creme.

VERSÕES

O Clio vai ser comercializado em duas versões de  acabamento: Authentique (duas ou quatro portas) e Expression (quatro portas). A  Authentique traz de série computador de bordo com oito funções, alarme de  luzes acesas, contagiros com Eco-monitor,  relógio digital e terceira luz de freio.  Opcionalmente, é possível acrescentar ar-condicionado.

A Expression vem ainda com limpador, lavador e  desembaçador de vidro traseiro; ar quente; volante com o contorno do logo  cromado e botões do painel com acabamento cromado. Direção hidráulica e ar-condicionado são opcionais. Em ambas as versões, é possível instalar, como
acessório: alarme, vidros e travas elétricas. O carrinho pode ainda ser  equipado com sistema de som com CD, MP3 e MWA, além de conexão Bluetooth e  entrada USB.

Justiça seja feita, o Clio foi o primeiro compacto de  sua categoria a oferecer três anos de garantia total de fábrica (ou 100.000 km  o que ocorrer primeiro). A linha 2013 do modelo continua oferecendo isso. Hoje  a Renault conta com 212 concessionárias, que cobrem 82% do território nacional.  Segundo a marca, manter o Clio em ordem custa menos de R$ 1 por dia, ao longo
dos três anos de garantia original.

Com tudo isso, a empresa espera que as vendas do Clio  cresçam 30% em 2013. Tarefa das mais fáceis para um carro que quase havia  desaparecido do mercado.

 

 


Compartilhe!
English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano Português Português Español Español