Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

TESTE: JAC T60 210T

Compartilhe!

Lançado no final do ano passado, o JAC T60 não é uma evolucão do T6, SUV da marca vendido no Brasil em 2015 e 2016. Na época, o T6 não chamou muita atenção no disputado segmento dos SUVs, por estar disponível apenas com câmbio manual onde transmissão automática é mandatória. Mas isso é passado. O novo SUV da JAC Motors é outro carro, agora soim mais preparado para brigar no segmento dos SUVs médios. Na verdade, ele tem preço de Jeep Renegade, por exemplo, e tamanho de Compass, líder de vendas entre os utilitários esportivos médios.

O T60 é uma boa surpresa em cada detalhe. Desembarcou por aqui estreando o eficiente motor 1.5 turbo, que trabalha apenas com gasolina. Tem 168 cv de potência máxima e 21,4 mkgf de torque também máximo a 2.000 rpm. Nem manual nem automático puro.

O motor do T60 trabalha em conjunto com a transmissão automática CVT, de seis marchas simuladas. Assim como acontece com o T40, o T60 utiliza esse tipo de transmissão, que permite mudanças manuais pela alavanca, mas sem comandos (“paddle shifts”) no volante.

O T60 turbo acelera de zero a 100 km/h em 9,6 segundos e é capaz de chegar aos 195 km/h de velocidade máxima. Em termos de consumo, faz cerca de 9 km/litro na cidade e 11 km/litro na estrada, e só roda com gasolina.

Este motor 1.5 Turbo, inédito nos JAC vendidos no Brasil, tem intercooler (radiador ar/ar), injeção direta e variador da abertura das válvulas, o que permite atingir bons níveis de potência e torque, o que torna a dirigibilidade muito agradável. 

Na parte mecânica, nada revolucionário, mas um bom conjunto, equilibrado e sempre eficiente: suspensão McPherson na frente, eixo traseiro de torção atrás e freios a disco nas quatro rodas (com pinças pintadas de vermelho). Como dissemos antes, o nome pode até sugerir que se trata de uma evolução do T6, mas o T60 é outro carro, todo novo e muito melhor.

O T60 foi lançado em versão única, a 210T (referência ao torque do motor 1.5 (210 Nm, o mesmo que 21,4 mkgf) e ao turbocompressor. Assim, o modelo na configuração básica tem preço de R$ 111.990 mil e é chamada de “Pack 2” (curiosamente não existe o Pack 1). Os opcionais, chamados de Pack 3, aumentam o preço em R$ 5 mil.

O desenho do T60 é agradável e, segundo a marca, foi criado no estúdio da marca em Turim, Itália. Tem linhas angulosas e muito estilo. As rodas são de liga-leve aro 17, calçadas com pneus 215/50. Os faróis têm desenho bastante bem cuidado, com acendimento automático,  luzes diurnas por leds e regulagem elétrica de altura.

De uns tempos para cá, o interior dos JAC surpreende não só pelo desenho, mas também pelo acabamento impecável e aparência sofisticada, que criam um ambiente bastante agradável. O banco do motorista conta com regulagens elétricas, mas falta a regulagem do volante em profundidade. O espaço interno é muito bom para quatro ocupantes adultos.

O conjunto de instrumentos usa uma tela digital colorida, de boa visualização, que exibe algumas opções visualização. A leitura digital do velocímetro está ao centro, e as informações disponíveis incluem pressão e temperatura dos pneus, consumo médio, ajustes do veículo e autonomia.

Mais ao centro do painel temos a central multimídia com tela de 10,25 polegadas, que permite espelhar o celular sem uso de fios no caso de sistema IOS ou com fio para Android. O aparelho também pode ser conectado por wi-fi com a rede de dados móveis do smartphone. Tudo numa aparência bastante luxuosa. Os bancos são bem desenhados e confortáveis, revestidos de material sintético que imita couro (está proibido falar em couro ecológico…).

A capacidade de bagagem no porta-malas é de 650 litros (1.210 com o rebatimento do banco traseiro). Os ajustes do sistema de ar-condicionado são feitos pela tela do multimídia, mas sem saídas para a parte traseira. Sentimos falta também do rebatimento elétrico dos retrovisores, mas tudo isso com certeza será corrigido pelo tempo. 

Mimos interessantes são as quatro câmeras ao redor do carro, que servem para matar o seu cunhado de inveja e auxiliar em manobras, criando a visão aérea de 360 graus; este recurso está cada vez mais presente nos SUVs. Bastante útil é o freio de estacionamento elétrico , que pode ser ativado ou liberado de maneira automática.

O volante tem desenho bonito e moderno, com três raios, revestido de couro e com boa pega. Cruise control, porta-óculos, comando elétrico dos vidros com função one touch nos quatro e duas tomadas USB traseiras, também estão presentes.


Existe uma versão elétrica deste novo SUV, chamada de iEV 60, já disponível no mercado brasileiro, comque motor de 150 cv e excelente torque (33 mkgf), com preço de R$ 229.900, pouco mais que o dobro do modelo a gasolina.

Na avaliação que fizemos, foi possível observar que o motor se comporta muito bem, com potência e torque mais que suficientes para as acelerações e ultrapassagens. As suspensões estão bem calibradas e o câmbio CVT mostrou estar de acordo com o compromisso do SUV.

A suspensão bem calibrada e pneus largos garantem a boa estabilidade do T60, para o qual contribui, claro, o controle eletrônico de tração e estabilidade. O carro conta com apenas os dois airbags definidos por lei; não há bolsas laterais ou de cortina.

Resumindo, o JAC T60 é muito interessante e deixa clara a constante e rápida evolução dos carros chineses. Ele tem as qualidades necessárias para um veículo familiar e uso no dia a dia. Merecem destaque o conjunto motor/câmbio, o acabamento e o bom nível de equipamentos. Trata-se de um bom e equilibrado projeto, com desenho agradável e que pode ajudar a marca chinesa a se recuperar no mercado brasileiro.

O que determina o sucesso ou não de um carro são vários fatores: qualidade do projeto, preço, custo/benefício, custo de manutenção e rede de assistência técnica. Em alguns quesitos a JAC vai bem, em outros nem tanto.

 De qualquer maneira, o JAC T60 210 T mostra com clareza que a fabricante chinesa está evoluindo a cada lançamento, esquentando ainda mais a concorrência no segmento mais aquecido, não só no Brasil, mas no mundo todo.


 Querer brigar bem no segmento e conseguir uma fatia do mercado de SUVs é a ambição de qualquer marca instalada aqui. Uma hora a moda passa, mas isso ainda demora. Nos últimos 10 anos -de 2009 a 2019- a representatividade dos SUVs no total de veículos vendidos no País subiu de 6,4% para 26,6%, o que é muito. Nenhum outro segmento passou perto desse número. A JAC está bem municiada nessa briga, e seus produtos devem ser considerados, ainda mais se o preço pesar na decisao de compra.

Equipamentos e Preços

• T60 Pack 2 – Condicionador de ar automático, banco do motorista com regulagem elétrica, câmeras externas 360 graus, central de multimídia com tela de 10,25 polegadas e espelhamento de celular, chave presencial para acesso, partida por botão, cruise control,  comando elétrico de vidros com fechamento a distância, controle eletrônico de tração e estabilidade, faróis com acendimento automático, faróis de neblina, fixação Isofix para cadeirinha infantil, freio de estacionamento elétrico, luzes diurnas por leds, monitor de pressão e temperatura dos pneus, instrumentos digitais configurável entre três modos, rodas de alumínio aro 17, sensores de estacionamento na dianteira e traseira e volante revestido de couro multifuncional com ajuste de altura, por R$ 199.990.

• Opcionais – Pack 3, com bancos revestidos de material sintético imitando couro e teto solar com acionamento elétrico, por R$ 5 mil.


Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *