Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

Top 10: os ícones dos anos 1970

Compartilhe!

Esta lista de carros que se tornaram ícones dos anos 1970 celebra o surgimento de uma nova era de veículos de alto desempenho, a base dos esportivos atuais e uma nova forma de encarar os modelos sobre quatro rodas.

diez-coches-icónicos-años-setenta-porsche-911-carrera-rs-2_7

Cada vez mais sofisticados, a corrida dos fabricantes na busca pelo melhor desempenho havia começado e a luta para oferecer carros exclusivos que um cliente endinheirado podia comprar estava cada vez mais dura. Nesta lista estão 10 dos carros mais marcantes dos anos 1970. Tudo muito diferente do que se oferecia aqui no Brasil.

A criatividade dos construtores deixou esta espetacular sequência de obras de arte, e mudou a forma de admirar os carros, com modelos que hoje fazem parte da história do automóvel. Verdadeiras peças de musu.

1- Ferrari Dino 246 GT

diez-coches-icónicos-años-setenta-ferrari-dino-246-gt

Surgida da necessidade de enfrentar os Porsche, a Ferrari desenhou a Dino modelo de tração traseira, com motores V6 e V8, e a preços mais acessíveis. Uma curiosidade: para identificar as Dino eram usadas a cubicagem do motor e o número de cilindros. Assim, a Ferrari Dino 246 GT tinha motor 2.4 e 6 cilindros (e 195 cv de potência).

2- Jensen Interceptor

diez-coches-icónicos-años-setenta-jensen-interceptor

Inspirado no Brasinca brasilero, o Jensen Interceptor foi desenhado nos anos 1960 e fez sucesso na década seguinte. Três versões diferentes foram feitas a mão em Birmingham durante os 10 anos em que foi comercializado. A primeira, com motor Chrysler 6.3V8 de 270 cv. Em 1971 veio o motor 7.2V8 em duas versões, uma com carburador quadrijet e 305 cv, e outra com três carburadores duplos e 330 cv. Esta última versão tinha tração integral e foi batizada de Jensen FF.

3- Porsche 911 Carrera RS 2.7

diez-coches-icónicos-años-setenta-alfa-romeo-2000-gtv

Das sete gerações do Porsche 911, nenhuma foi tão emblemática e reverenciada como o Carrera RS 2.7. A enorme asa traseira em forma de cauda de baleia era seu cartão de visita. Foi fabricado entre abril de 1972 e julho de 1973, em apenas 1.580 unidades. Seu sucesso veio da combinaçao do motor boxer de seis cilindros e 2700 cm3 – que podia chegar aos 3 litros- de 210 cv, com apenas 900 kg de peso.

4- Lamborghini Countach

diez-coches-icónicos-años-setenta-lamborghini-countach

 A Countach foi, sem dúvida, o primero carro de desenho radical da Lamborghini, o mais puro dos esportivos da marca até hoje. A primeira serie, a LP400 de 1974, usava motor 4.0V12 de 375 cv. Demorou três anos para passar da fase de protótipo para a produção oficial. Está sendo oferecida em leilão no mercado internacional uma Countach 1979, avaliada em US$ 1 milhão.

5- Lotus Esprit

diez-coches-icónicos-años-setenta-lotus-esprit-s1

Construida durante 28 anos em quatro gerações diferentes, a Lotus Esprit S1 de 1976 faz parte da lista de carros marcantes dos anos 1970. Apresentada no Salão de París de 1975, foi a substituta da Lotus Europa. Característica da marca britânica, sempre preocupada em economizar peso, a Esprit tinha 898 kg combinado con motor de quatro cilindross em linha, o mesmo do Jensen Healey, de 2 litros e dois carburadores, que rendía 160 cv despejados direto nas rodas traseiras. Destacava-se por sua excelente dirigibilidade.

6- BMW 3.0 CSL

diez-coches-icónicos-años-setenta-bmw-3.0-csl

O 3.0 CSL foi o primeiro modelo criado pela BMW Motorsport, o pioneiro da linha M. Ao mesmo tempo, derivava do cupê 3.0 CS que recebeu importante redução de peso para se transformar no 3.0 CSL e competir no Campeonato Europeu de Turismos. Usava motor de seis cilindros en linha de 206 cv, com caixa câmbio manual de quatro marchas e tração traseira.

7- Renault-Alpine A110

diez-coches-icónicos-años-setenta-alpine-renault-a110

Parente direto do nosso Willys Interlagos. Apesar da sua produção ter começado em 1962, o Renault Alpine A110 não fez muito sucesso até conseguir vencer o Rally de Montecarlo de 1971 e o Mundial de Rally de 1973. Era equipado com diversos tipos de motorizações, que variavam de 1.108 a 1.647 cm3, atingindo os 140 cv de potência máxima. Isso não impedia de passar dos 200 km/h e acelerar bem, graças aos seus 544 kg de peso.

8- Alfa Romeo GTV 2000

diez-coches-icónicos-años-setenta-alfa-romeo-2000-gtv

Nenhuma Alfa Romeo pode ficar de fora de listas de carros marcantes. A GTV 2000, por exemplo, nasceu em 1971 com o objetivo de substituir a linha 1750 e tinha versões cupê, sedã e spyder. Seu motor 2.0 de 132 cv vinha acompanhado de faróis duplos, ar condicionado, teto solar e rodas especiais. Sem contar o desenho, absolutamente sedutor.

9- Iso Grifo

diez-coches-icónicos-años-setenta-iso-grifo

Este carro foi desenhado por Giotto Bizzarrini na década de 1960, mas em 1970  o Iso Grifo ganhou esse desenho agressivo, inspirado nos muscle-cars americanos, em especial na sua linha lateral e nos faróis escamoteáveis. Usava motor 5.8V8 ou 7.0V8 de Corvette, com potências de 350 e 435 cv, respectivamente. Depois passou a usar motores Ford, preparados pela Boss. A Série II do Iso Grifo é a mais cotada, com seu motor 7.0V8 e velocidade máxima de 300 km/h, segundo o fabricante.

10- Mercedes-Benz SLC

diez-coches-icónicos-años-setenta-alfa-romeo-2000-gtv

A  versão cupê do conversível SL. Produzido entre 1973 e 1981, a Mercedes-Benz SLC  surgiu da necessidade de acalmar as queixas referentes ao pouco espaço traseiro da versão conversível e era o modelo mais caro que a marca alemã produzia na época, por conta da qualidade e muitos equipamentos e recursos embarcados. O motor mais potente usado na SLC foi na versao 450: era o 5,0V8 de 240 cv.


Compartilhe!
English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano Português Português Español Español