Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

Torneira fechada: Fiat, Jeep e Alfa Romeo também desistem do Salão de Paris

Compartilhe!

O Salão de Paris deste ano, que acontecerás entre os dias 4 e 14 de outubro, está beirando o fiasco. Depois da Volkswagen, Opel, Nissan e Ford, entre outras, é a vez do Grupo Fiat (Abarth, Fiat, Alfa Romeo e Jeep) avisar que não vai participar do evento parisiense.

 

“Já não existe a obrigatoriedade de estar presente em todos os Salões internacionais. Para cada um, procedemos a uma análise cuidada no sentido de sabermos se o evento se encaixa na nossa estratégia global de lançamento de novos produtos, o que não é o caso do Salão de Paris”, afirmou um porta-voz da Fiat Chrysler.

As marcas Fiat, Abarth, Jeep e Alfa Romeo não terão, assim, nenhum estande no Salão de Paris -rebatizado Paris Motor Show- que celebrará este ano o seu 120.º aniversário. Se juntam na ausência a Volkswagen (que falta pela primeira vez da sua história), Ford, Infiniti, Mazda, Nissan (apesar da parceria com a Renault e do Micra ser produzido em França), da Opel (subsidiária da francesa PSA), Mitsubishi, Subaru, Volvo e Lamborghini(confirmou ausência na semana passada).

A nova estratégia dos fabricantes parece agora passar por beneficiar a área de marketing e depreciar a de imprensa e relações públicas, que é justamente para que servem s Salões. A redução de custos inerentes à presença nas feiras internacionais e a aposta mais econômica em outros meios de comunicação (plataformas digitais, redes sociais, eventos específicos, participação em encontros de tecnologia e até, acredite, de moda) evam a esse desastre. O ritual dos salões parece assim perder qualquer.

O primeiro tiro de misericórdia foi dado pela Volvo, subsidiária da chinesa Geely, em 2014, quando decidiu que a partir dali só estaria presente num Salão internacional por cada região do planeta a cada ano; para a Europa, a marca sueca decidiu-se pelo Salão de Genebra (em detrimento do Salão de Frankfurt e do Salão de Paris).

Jean-Claude Girot, chefão do Paris Motor Show, lamenta a ausência de tantas marcas no evento “com o maior número de visitantes do mundo”, e prometendo várias mudanças. A começar na duração mais curta, criação de um novo espaço dedicado às novas formas de mobilidade e utilização dos carros, espaço Mondial Tech dedicado às novas tecnologias reservado para empresas e inteligente parceria com o CES de Las Vegas.


Compartilhe!
English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano Português Português Español Español