Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

TRADIÇÃO: A MERCEDES E O PAPAMÓVEL

Compartilhe!

 new-mercedes-g-class-1_600x0w

 A Mercedes-Benz é a fornecedora de veículos para viagens e aparições oficiais dos chefes da Igreja Católica há mais de 80 anos e continua a tradição no Brasil, onde o Papa Francisco utiliza um Mercedes-Benz Classe G modificado, trazido do Vaticano especialmente para isso.

O envolvimento entre a marca e o Vaticano começou em 1930, com um sedã Nürburg 460 Pullman para o Papa Pio XI e teve continuidade na década de 1960, quando um 300D landaulet conversível com transmissão automática foi construído para o Papa João XXIII. Seu sucessor, Paulo VI, usou um Mercedes-Benz 600 Pullman landaulet e, mais tarde, um 300 SEL. Muitos desses carros estão guardados hoje na coleção da Mercedes-Benz, em Stuttgart.

A designação “papamóvel” foi usada pela primeira vez na década de 1980 como referência ao Mercedes-Benz Classe G modificado que o Papa João Paulo II usou com regularidade em celebrações na Praça São Pedro, em Roma, o mesmo onde sofreu o atentado. Em 2002, a Mercedes-Benz preparou um Classe M para ficar à disposição do Santo Padre. Essa versão especialmente desenvolvida também foi usada por seu sucessor, Bento XVI.

“Estamos muito satisfeitos pela confiança de Sua Santidade, o Papa Francisco, na segurança e conforto de nossos veículos e porque, ao fornecer o papamóvel, continuaremos a acompanhá-lo em suas viagens no futuro”, afirmou Dr. Dieter Zetsche, presidente do Conselho de Administração da Daimler AG e CEO da Mercedes-Benz Automóveis, após um encontro na Casa Santa Marta, hospedaria dos visitantes do Vaticano e atual residência do Papa. “Esta tradição é um grande motivo de orgulho para nós”.

MERCEDES PARA O PAPA: A TRADIÇÃO

Por muitos séculos, os papas usaram carruagens e liteiras em suas viagens, procissões e aparições públicas. Entre elas, destacava-se a Sedia Gestatoria, o trono papal móvel. Sua função era muito semelhante a dos modernos “papamóveis”, que tem o assento elevado: tornar o pontífice visível aos fiéis à distância, nas solenidades assistidas por grandes multidões.

1930: o Papa Pio XI recebe a Mercedes Nurburg 460P.
1930: o Papa Pio XI recebe a Mercedes Nurburg 460P.

Após a invenção do automóvel, em 1886, passaram-se várias décadas até que o Vaticano utilizasse um veículo motorizado para locomoção do papa. E o escolhido foi um Mercedes-Benz. A idéia, de 1929, veio de Robert Katzenstein, o encarregado da publicidade da marca em Frankfurt, na Alemanha. Assim nasceu a ideia de criar uma limusine especial para o pontífice.

O Classe M papal.
O Classe M papal.

Na entrega, o Papa Pio XI não escondeu o prazer de seu passeio experimental no automóvel pelos jardins do Vaticano. “Uma obra-prima da engenharia moderna”, declarou ao descer da limusine Pullman baseada no Mercedes-Benz Nürburg 460. O elegante veículo com a estrela de três pontas sobre o capô foi entregue a ele por uma delegação da Daimler-Benz e entrou para a história como o primeiro automóvel a ser usado regularmente por um papa. Era o início de um estreito relacionamento entre o Vaticano e a fabricante de Stuttgart.

Nas décadas seguintes, a Mercedes-Benz ofertou regularmente ao Vaticano automóveis amplamente modificados para uso papal. Nos últimos anos, imagens na televisão e na imprensa tornaram universalmente conhecidos os “papamóveis” baseados em veículos off-road da Mercedes-Benz, das Classes G e M. As muitas viagens de João Paulo II, especialmente, tornaram famosos esses veículos, pintados nas cores branco pérola e dourado e equipados com a característica cabine envidraçada a prova de balas. Além deles, landaulets e limusines baseados na Classe S também participam das aparições públicas do pontífice.

O Mercedes-Benz Nürburg e os atuais carros papais, um Classe M e um Classe G com carrocerias especiais, são os marcos extremos da história dos automóveis da casa de Stuttgart especialmente fabricados para o Santo Padre. O primeiro modelo moderno, após a Segunda Guerra Mundial, foi um Mercedes-Benz 300D -o “Adenauer”-, entregue ao Papa João XXIII. O modelo foi transformado num landaulet com plataforma estendida, com cobertura conversível de tecido no compartimento traseiro e rígida na dianteira.

Em 1965, uma delegação da fábrica entregou a Paulo VI uma versão landaulet do Mercedes-Benz 600 e, nos dois anos seguintes, três exemplares do 300 SL série 190. Para a visita do Papa João Paulo II à Alemanha em 1980, a Mercedes-Benz criou o primeiro “papamóvel” com uma estrutura transparente baseado em modelo off-road, um Classe G modificado, que foi doado ao Vaticano em 1982. Em 1985, a frota do Vaticano recebeu uma versão especial do Mercedes-Benz 500 SEL, seguida em 1997 por uma versão landaulet com grande distância entre-eixos do S500. Em 2002, foi entregue um “papamóvel” nos moldes já consagrados pelas versões da Classe G, mas agora baseado no ML 430.


Compartilhe!
English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano Português Português Español Español