Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

Tristeza na Itália: Mahindra pode comprar a Pininfarina

Compartilhe!

A indústria automotiva italiana está vivendo uma espécie de “março negro”. Depois da venda da Pirelli para uma empresa chinesa, poderá acontecer agora outro evento triste, com um dos seus mais históricos estúdios de desenho, o Pininfarina Carrozzerie, passando para as mãos dos indianos da Mahindra.

 

Mundialmente famosa pelas suas inúmeras e belíssimas criações, a Pininfarina é uma das mais tradicionais casas de desenho italianas, tendo assinado no passado projetos como os Ferrari Testarossa e Enzo, Maserati Gran Turismo ou Fiat 124 Sport Spider, entre centenas de outros. No entanto o futuro do estúdio poderá passar pela Índia, já que a Mahindra & Mahindra deverá concretizar em breve a compra da empresa, especialista em desenho de automóveis. O acordo ainda não está fechado e especialistas afirmam que existe uma possibilidade grande desta aquisição não se confirmar.

Fundada em 1930, a Pininfarina Carrozzerie construiu uma sólida reputação ao longo das várias eras da indústria automotiva, mas os tempos mais recentes -de profunda crise econômica- não têm sido fáceis, já que a empresa contabilizou prejuízos em 10 dos últimos 11 anos. Por sua vez, a Mahindra anunciou, em 31 de março do ano passado, uma generosa verba de US$ 1,3 bilhões para investimentos a curto-prazo, o que significa que dinheiro não é problema para os asiáticos. Ainda segundo alguns analistas, este negócio será importante para aumentar o apelo dos automóveis da Mahindra e também da sua subsidiária SsangYong, sempre peando pelo desenho pouco atraente de seus modelos.

A Pininfarina já trabalhou no passado com a marca indiana, por exemplo na criação do esportivo elétrico Halo, apresentado no Salão Automóvel de Nova Deli, no ano passado. Por isso mesmo um dos responsáveis do estúdio italiano contornou o assunto, indicando apenas que as duas empresas colaboram entre si e têm boa relação. Da parte da Mahindra um executivo disse apenas “que a empresa não comenta especulações”.


Compartilhe!
English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano Português Português Español Español