Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

Você sabe qual é o motor mais vendido do mundo?

Compartilhe!

No próximo churrasco com amigos, depois de falarem de mulheres, futebol, política e até religião, quando o assunto for motores, tire da manga este trunfo: qual é o motor de combustão mais vendido do mundo? Ninguém saberá responder.

É uma pergunta que muitos já devem ter feito. Qual é o motor de combustão mais vendido do mundo? Muitos pensam no Volkswagen “a ar” ou no Toyota Corolla, mas estão longe da resposta correta. Quem disser que “pode ser um Honda” -porque a marca nipônica é o maior fabricante mundial de motores a gasolina- chegou bem perto.

1959
 
Chega de suspense. O motor de combustão mais vendido do mundo é um Honda, mas não pertence a um automóvel, pertence a um scooter: o Honda Super Cub. Isso mesmo, aquele pequeno motor de um cilindro a quatro tempos é o motor de combustão interna mais vendido de todos os tempos.
2017

Lançado em 1958, o Honda Super Cub alcançou este ano a marca de 100 milhões de unidades produzidas. Quando o Honda Super Cub foi lançado, o mercado de motos de baixa cilindrada era dominado pelos motores de dois tempos; até as motos de alto desempenho eram todas de dois tempos. Eram motores mais barulhentos e poluentes, mas menos complexos e mais interessanteses. 

Quando o Super Cub surgiu, equipado com um pequeno motor monocilíndrico a quatro tempos arrefecido a ar, causou grande impacto. Este motor era inquebrável, aguentava muito desaforo e praticamente dispensava maior manutenção. Não consumia quase nada de gasolina nenhuma, e a embreagem centrifuga contribuiu para o scooter conquistar muitos clientes. Só vantagens na conta.

Mas não foi só graças ao motor que o Honda Super Cub ganhou o status que tem hoje pelo mundo (no Brasil, a Honda CG 125 fez esse papel). A sua ciclística também escondia muitas vantagens. O baixo centro de gravidade, a acessibilidade mecânica e a capacidade de carga são trunfos que duram até aos dias de hoje. Se já visitaste algum país asiático, certamente que já quase foi atropelado por uma dessas Honda. Sem exagero, se o Ford T colocou  mundo sobre rodas, foi esta pequena moto que colocou a Ásia sobre rodas. Praticamente foi o veículo que substituiu o jegue na escala evolutiva…

 

O conceito original do Honda Super Cub é tão genial que, após 59 anos de produção, a Honda praticamente não mexeu na fórmula. “Não se mexe em time que está ganhando”, lembram? O motor monocilíndrico de quatro tempos ainda hoje conserva a arquitetura original. A maior mudança em termos tecnológicos aconteceu em 2007, quando o Super Cub adotou o sistema de injeção eletrônica de combustível PGM-FI e aposentou o velho carburador.

O sucesso continua até hoje. O Super Cub é produzido atualmente em 15 países e é vendido em 160 mercados. Além de ostentar o motor de combustão mais vendido do mundo, foi durante muitos anos a “galinha dos ovos de ouro” da Honda.

No final da década de 1980, a Honda atravessava um dos melhores períodos da sua história. Em todas as áreas de negócio (carros, motos, motores estacionários, geradores etc) as coisas corriam de maneira perfeita para a marca japonesa. Até que Soichiro Honda, chefão e fundador da marca, morreu em 1991.

Não foi um grande baque, mas o suficiente para a Honda ser alcançada pelos seus principais concorrentes. O Civic e o Accord deixaram de vender o que vendiam (principalmente nos Estados Unidos), e os lucros caíram bastante. Naquele período pouco feliz, o Super Cub prosseguiu sua trajetória de sucesso e salvou a Honda do colapso.

Foi produzida no Brasil como Honda C100 Dream, entre 1992 e 1998. Seu motor tinha 97,1 cm3 com 8,5 cv de potência; o câmbio era de 4 marchas semi-automático (embreagem automática).

A C100 Dream nacional, de 1992 a 1998.

 


Compartilhe!
English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano Português Português Español Español