Auto&Técnica | Desde 1995, 23 anos de boas notícias.

VW up!: para desencalhar, duas portas e câmbio I-Motion

Compartilhe!

Move_up_0004 (640x427)A Volkswagen está apressada em tirar o up! do marasmo em que se encontra. A marca contava com vendas mensais atingindo o patamar de 10.000 unidades, mas no primeiro mês de comercialização (março) foram emplacados apenas 3.517 unidades, e em abril esse número não deve mudar muito, mantendo o carro fora da lista dos 10 mais vendidos do mês. O Gol também está ruim das pernas.

Por isso, de uma tacada só, lançou duas novidades no recém nascido: carroceria de duas portas e câmbio I-Motion, que passam a ser oferecidos para complementar a linha apenas três meses após a apresentação do quatro portas. Com preço sugerido a partir de R$ 26.900, o up! duas-portas é R$ 2.000 mais barato que o quatro portas, o que melhora sua relação custo-benefício e o coloca como o Volkswagen mais barato do País. Suas versões são as take up! e move up! –esta com preço de R$ 28.300. As opções high up!, black up!, white up! e red up! permanecem com oferta apenas de carroceria quatro portas.

O modelo também estreia a nova transmissão I-Motion (SQ100), o que o torna o modelo equipado com câmbio automatizado –e não automático- mais acessível do mercado. O up! também se torna o primeiro veículo com motor 1.0 do Brasil a oferecer transmissão automatizada, como opcional a partir do move up! de duas portas.

DESENHO

Assim como no quatro portas, o desenho do duas portas precisou ser revisto, para que o modelo pudesse atender ao gosto do consumidor local. O resultado é a lateral toda nova, com maior área envidraçada e, no interior, alguns recursos para melhorar a ergonomia. Em relação ao modelo europeu e a exemplo do quatro portas brasileiro é mais comprido (6,5 cm), o que possibilitou aumentar um pouco as janelas traseiras, que na Europa são basculantes. Para isso, toda a coluna “C” teve de ser retrabalhada

Move_up_0005 (640x427)

As janelas maiores ampliam campo de visão dos passageiros, melhorando a visibilidade a partir do banco de trás do carro e tamb’’em a iluminação natural interna. Além desses benefícios, a janela maior passa a impressão de que o carro é mais longo.

A coluna “B” não é aparente, tornando a visão lateral do up! duas portas mais “limpa”, com menos interferências. Esse recurso, na verdade, possibilitou que a área das portas seja uma das mais amplas da categoria, facilitando o acesso ao interior. Com as portas maiores, o vista lateral do up! duas portas tem apelo mais esportivo, apesar de não existir esportividade nenhuma num carro 1.0.

Outro recurso inovador é o sistema de rebatimento dos assentos dianteiros “easy entry”. Tanto no banco do motorista como no do passageiro frontal, há duas hastes de comando para que o encosto recline: uma na direita e outra na esquerda. Ou seja, é possível rebater o banco pelo lado que for mais cômodo.

O habitáculo segue o mesmo das versões quatro portas, com tecidos, cores e materiais exatamente iguais entre as configurações. No take up!, os bancos trazem o tecido “orion” cinza; na move up!, o “phoenix” azul, com seção central azulada e faixas laterais em cinza, conferindo ao up! duas portas acabamento bom dentro da categoria.

MOTOR

Um dos detalhes que está freando as vendas do up!, por incrível que pareça, é seu motor 1.0 de três cilindros. Não que o motor tenha algum problema, mas faltou à marca comunicar ao cliente as vantagens apresentadas. Consultamos um concessionária na zona oeste de São Paulo, e o vendedor que nos atendeu confirmou: ”quando o interessado descobre que o motor é de três cilindros, a venda se complica”. Resumindo: ou gasta em publicidade, ou capenga nas estatísticas. Simples assim. O preço também é considerado alto pelos compradores ou interessados.

Move_up_0007.tif (640x427)

O up! chega ao mercado equipado com o mesmo motor 1.0 de três cilindros Total Flex, da linha EA211, produzido em São Carlos, SP. Moderno e econômico, o motor é bastante premiado, afinal é o mais potente da categoria, com bloco e cabeçote de alumínio, o que colabora para reduzir o peso do conjunto, e quatro válvulas por cilindro. O motor dispõe de tecnologias como o sistema de partida a frio “e-flex”, que dispensa o tanque auxiliar.

Com potência máxima de 82 cv (com etanol) e de 75 cv (com gasolina), tem torque máximo é de 10,4 mkgf a 3.000 rpm (etanol) e 9,7 mkgf (gasolina). Já a partir de apenas 2.000 rpm, 85% do torque máximo está disponível, o que garante boa agilidade no uso urbano e retomadas de velocidade satisfatórias na estrada.

O motorzinho 1.0 pode ser combinado com a transmissão manual MQ200 ou com a automatizada SQ100. Em ambos os casos, as relações de marcha são longas, permitindo ao motor trabalhar em rotações mais baixas, o que resulta em menor consumo de combustível e redução nas emissões. O tanque de combustível tem 50 litros de capacidade.

I-MOTION

A outra novidade do up!, a partir da versão move up!, é a nova transmissão I-Motion (SQ100). A caixa automatizada utiliza atuadores eletromecânicos, para garantir menores tamanho e peso. Com aproximadamente 30 kg e 12 mkgf de capacidade de torque, a nova caixa é uma das mais leves do mercado e seu desenvolvimento teve como objetivos conforto, precisão de respostas, eficiência, baixo peso e padrão de manutenção Volkswagen.

high up! I-Motion (6)

Por meio da nova alavanca sem cabos (“shift by wire”) no console o motorista seleciona “D”, “M”, “N”, “R. No modo automático “D”, a caixa seleciona os pontos de troca que melhor atendam critérios de economia de combustível, conforto e segurança. O software de gerenciamento da transmissão foi feito –segundo a VW- em parceria com a Porsche, sendo que os mapas foram elaborados a partir dos dados de eficiência do motor e das vias urbanas, estando adaptadas às necessidades do consumidor brasileiro.

Se necessário, a qualquer momento, é possível trocar a marcha escolhida manualmente, por meio da alavanca, movendo-a no sentido longitudinal (para a frente e para trás). Ou seja, apesar de estar rodando em modo automático, a TCU sempre dá prioridade ao comando do motorista. Após algum tempo, dependendo das condições de rodagem, o sistema volta automaticamente a gerenciar em modo “D”. Caso o motorista deseje mais rapidez nas respostas, pode selecionar o modo “M” e trocar de marchas manualmente de forma fixa. Nesse caso, a interferência da TCU ocorre somente em caso de segurança.

As relações de marchas são específicas da caixa SQ100 e diferentes das do câmbio MQ200, que equipa a versão manual do up!. Foram implementados degraus menores entre as marchas iniciais, de forma a melhorar as trocas em baixas velocidades e aumentar ainda mais o conforto.

Na prática, é um meio termo entre o câmbio com acionamento manual e o puramente automático. O automatizado continua dando “cabeçadas” nas trocas de marcha, mas representa, sem dúvida, algum conforto no trânsito urbano.

MANUAL

A outra transmissão é a mesma manual já apresentada antes no duas portas. Com comando a cabos e feita de alumínio, a caixa de câmbio manual é uma nova versão da transmissão MQ200, projetada especificamente para o up! e desenhada para se adequar ao motor 1.0.

Move_up_0001 (640x427)

O motor de partida foi instalado em nova posição, visando permitir que a bateria do veículo ficasse em uma posição mais baixa e distante do capô, para aumento da segurança. As trocas de marcha seguem o padrão de precisão dos Volkswagen.

O up! também vem com o recurso que indica no painel de instrumentos a marcha ideal a ser selecionada. Como em outros produtos da Volkswagen com este recurso, a unidade de comando, ECU, calcula continuamente qual marcha deve ser engatada para uma condução econômica, mas sem abrir mão de segurança, durabilidade e conforto.

DESEMPENHO

O desempenho do up! é bom, e surpreende quem não conhece seu motor de três cilindros. Com o câmbio manual (MQ200), a aceleração de zero a 100 km/h ocorre em 12,6 segundos (gasolina) e em 12,4 segundos (etanol). A velocidade máxima é de 163 km/h (gasolina) e 165 km/h (etanol).

Move_up_0008 (640x427)

Quando equipado com o câmbio I-Motion, o up! perde um pouco, ao contrário do que aconteceria com um câmbio genuinamente automático:  acelera de zero a 100 km/h em 13 segundos (gasolina) e em 12,8 segundos (etanol). A velocidade máxima é de 166 km/h e 168 km/h, respectivamente.

A posição de dirigir é favorecida pelo desenho dos bancos. Há ainda ajustes de altura para o banco do motorista (milimétrico) e para a coluna de direção, o que garante a ergonomia do modelo. O up! também conta com apoio para o pé esquerdo do motorista. O volante tem formato inspirado no do Fusca, com a base reta; na high up! o volante possui apliques na cor preto brilhante. Nas versões black up!, red up! e white up! há apliques em chrome effect, com o nome do modelo.

VERSÕES

O up! mede 3,60 metros de comprimento (ganho de 6,5 centímetros sobre o modelo europeu), 1,64 m de largura (sem retrovisores) e 1,50 m de altura (acréscimo de 2 centímetros). Seu entre-eixos tem 2,42 m de comprimento. O peso total do modelo é de 892 kg, o que representa um grande avanço no segmento de veículos onde atuará.

Move_up_0002_02 (427x640)

Com a carroceria de duas portas o up! está disponível nas versões take up! e move up!. Desde a versão take up! o modelo oferece extensa lista de equipamentos, entre os quais limpador, lavador e desembaçador do vidro traseiro; banco do motorista com regulagem de altura; espelho no para-sol do passageiro; cintos traseiros laterais retráteis e palhetas “aerowischer”.

A abertura da tampa do porta-malas é feita por meio da fechadura elétrica “push button”. Seu destravamento é feito pela porta do motorista. O miolo da chave gira em falso em caso de tentativa de arrombamento.

O up! oferece como opcional direção com assistência eletromecânica. Esse recurso tem como principal vantagem colaborar para economia de combustível, pois diferente dos sistemas de assistência hidráulica, a elétrica só funciona quando há demanda.

Entre os recursos oferecidos de série ou como opcionais para o modelo está o sensor de estacionamento “park pilot”. Esse sistema funciona por meio de três sensores instalados no pára-choque traseiro. Quando equipado com sistema de som, o sistema permite visualização gráfica do veículo na tela do rádio.

O porta-malas do up! tem 285 litros de capacidade, contra 221 litros do europeu. É suficiente para um modelo essencialmente urbano. Quando o encosto do banco traseiro é totalmente rebatido, o compartimento pode carregar 976 litros de carga. De série a partir do move up! é oferecido o “s.a.v.e.”; porta-malas com sistema de ajuste variável de espaço, que altera o tamanho do compartimento e permite acomodar bagagens de tamanhos variados de forma simples, prática e inteligente.

O up! oferece como opcional, para a versão move up!, o “maps & more”, sistema de infotainment e navegação. Esse recurso é oferecido pela primeira vez no mercado brasileiro pela Volkswagen. Trata-se de um dispositivo com tela sensível ao toque (touchscreen) que funciona como extensão do rádio e do computador de bordo do veículo, oferecendo também conectividade multimídia e sistema de navegação (GPS), já com mapas brasileiros e com antena interna de GPS, dispensando conexão com aparelhos adicionais. É instalado no centro do painel e tem tela de 5 polegadas. O “maps & more” tem ainda as funções de rádio, media-player (controla CD player, entradas auxiliares e as listas de reprodução) e Bluetooth.

CONCLUSÃO

Lance um carro com uma campanha publicitária ruim e repetitiva, que não mostra as virtudes do carro, e estáa feito o estrago. Isso aconteceu com o up! E muitos outros carros, alguns amargando injusto ostracismo no mercado.

Move_up_0006 (640x427)

Agora a VW comeca a corrigir isso. Baixou o preço (vai precisar baixar muito mais) e passa a oferecer carroceria de duas portas (como convém a um carro “pé-de-boi”) e transmissão automatizada. Agora é esperar e ver como o consumidor reage.


Compartilhe!
English English Français Français Deutsch Deutsch Italiano Italiano Português Português Español Español