CarrosSlide

Lançamento: este é o elétrico Xiaomi SU7 2024

Compartilhe!

A chinesa Xiaomi dispensa qualquer tipo de apresentação. A gigantesca empresa é mais conhecida por seus eletrônicos e smartphones. Mas o Grupo está dando um passo além com seu primeiro carro de produção, no qual investiu mais de US$ 1,4 bilhões. O 7 Xiaomi SU2024 (SU de Speed Ultra 7) é um amontoado de tecnologia e desenvolve até 673 cv. Para situar, a Volkswagen fabrica carros e salsichas, a Bentley carros e potes de mel, a GM perdeu o rumo e a Xiaomi fabricará carros eletrificados e itens eletrônicos. Quem está no caminho certo?

por Ricardo Caruso

Fabricado sob licença pela BAIC (Beijing Automotive Industry Holding Co Ltd), como podemos observar pelas fotos a dianteira tem clara inspiração McLaren, guardadas as devidas proporções, enquanto a traseira tem um jeitão de Kia Stinger. Mas a verdade é que o carro é visualmente muito atraente, no estilo cupê sportback. Chama atenção também as generosas tomadas de ar e o conjunto de pinças de freio da Brembo, pintadas de amarelo. Elas se escondem atrás de belas rodas, de 19 ou 20 polegadas, conforme a versão.

Na traseira, as lanternas ocupam a largura total. Outros destaques incluem as maçanetas das portas niveladas com a carroceria e o sensor (radar) Lidar instalado no teto, já que o Xiaomi SU7 dará grande importância à tecnologia de direção autônoma. A distância entre-eixos é de 3 metros. Soma-se a isso os 4,99 m de comprimento, 1,96 m de largura e 1,4 m de altura, o que significa enorme espaço interno. Em termos de espaço de bagagem, o Xiaomi tem dois porta-malas, um traseiro com 517 litros, e mais 105 l na dianteira.

A Xiaomi confirmou que os sistemas de condução autônoma e multimídia ocupam grande das atenções no seu novo modelo. Baseado em um software derivado do HyperOS, desenvolvido pela própria empresa, estamos praticamente falando de um smartphone com rodas, tal a quantidade de funções que ostenta. Para controlar as várias funcionalidades, uma tela 3K de 16,1 polegadas no painel.

Compatível com AirPlay, Android Auto e Apple CarPlay, é muito intuitivo de operar e inclui inúmeras aplicações bem conhecidas. A integração será total com os celulares da marca, claro. Soma-se a isso o painel de instrumentos digital atrás do volante, console central minimalista com poucos botões e o “Head-Up Display” de nada menos que 1,42 m.

Existe também duas telas na segunda fileira de bancos para controlar o sistema multimídia principal e reproduzir seu próprio ambiente de info entretenimento. A fabricante fala até na possibilidade de controlar certos eletrodomésticos a distância a partir do próprio veículo, como cafeteiras , ar condicionado ou micro-ondas.

No que diz respeito à condução autônoma, a Xiaomi utiliza a tecnologia Nvidia. Apoiado por um processador Qualcomm Snapdragon 8295, possui um sensor LiDAR, câmeras de alta definição, sensores de proximidade e ultrassônicos. Como destaque máximo, a Inteligência Artificial lidará com as situações mais complicadas, sendo capaz de reconhecer situações inesperadas, aprender rotas, conectar-se com a infraestrutura ao redor e tornar o estacionamento completamente autônomo.

“O motorista pode deixar o carro enquanto a manobra de estacionamento é feita de maneira autônoma, em espaços com uma margem de apenas 5 cm de cada lado.”

A Xiaomi acaba de entrar no mercado automotivo, e pela porta da frente. Seu modelo é comparado aos Porsche, Mercedes-Benz e Tesla, no alto da cadeia alimentar do segmento, e entendemos entenderá rapidamente o porquê. O projeto demorou menos de três anos completos para a empresa realizar “uma das partes mais importantes da estratégia da Xiaomi”, e em apenas 1.003 dias eles construíram um dos melhores carros elétricos do mercado.

E que todos fiquem espertos, pois Lei Jun, chefão da marca, é bastante claro sobre o futuro: “trabalhando duro pelos próximos 15 a 20 anos, nos tornaremos um dos cinco maiores fabricantes de carros do mundo”. Para trulhar esse caminho, a Xiaomi começou com SU7 oferecendo até quatro opções mecânicas:

  • V6: Um único motor elétrico HyperEngine de 299 cv, tração dianteira e estrutura de 400V. A velocidade máxima será limitada a 210 km/h. Aceleração de zero a 100 km/h em 5,28 segundos. Ele está associado a uma bateria com tecnologia LFP, fornecida pela BYD com capacidade de 73,6 kWh. O peso é de 1.980 kg.
  • V6S: dois motores HyperEngine somando 663 cv, tração integral, estrutura de 800V e 21.000 rpm. Graças aos seus 84 mkgf de torque instantâneo, atinge os 265 km/h e acelera de zero a 100 km/h em 2,78 segundos. Inclui um spoiler traseiro ativo e uma bateria NMC (níquel, manganês e cobalto) “Max” da CATL com capacidade de 101 kWh. A autonomia de acordo com o ciclo de homologação chinês (mais folgado que o WLTP) será de 800 km.
  • V8S: chegará em 2025 com um motor capaz de girar a 27.200 rpm (na indústria atual mal chegam a 20.000 rpm).
  • Mais adiante, oferecerá um motor ainda misterioso, capaz de atingir uma potência de 35.000 rpm, tornando-se o motor elétricode maior desempenho do mundo.

A estrutura de 800V permitirá repor 390 km de autonomia em 10 minutos, graças a sistemas de carregamento ultrarrápido com corrente contínua. As baterias possuem construção específica, chamada “Cell to Body” (CTB), que permite reduzir o centro de gravidade do carro, bem como alcançar melhor rigidez estrutural, proteção e isolamento.

E quando chega?

O Xiaomi SU7 já está em produção e será inicialmente comercializado na China. Por lá, já está disponível para pré-venda, e as primeiras unidades da”Founders Edition” começam a ser entregues a partir do próximo mês de fevereiro. de 2024. Curiosamente, a Xiaomi usará a mesma estratégia da Tesla para produzir seus veículos, empregando uma enorme máquina de prensagem. Por enquanto, os preços e se ele será vendido fora da China são informações ainda desconhecidas.


Compartilhe!
1720930318