SlideTecnologia

Sete montadoras se unem pelos elétricos; Ford, VW e Toyota ficaram de fora

Compartilhe!

A única preocupação do cliente de carro elétricos é em relação à autonomia e facilidade de carregamento. As montadoras sabem destas dificuldades e ouviram os receios dos consumidores nesses dois pontos, em relação ao futuro e aos veículos elétricos, e um grupo de sete delas pretende resolver o problema.

por Marcos Cesar Silva

Uma coalizão de sete das principais montadoras do mundo anunciou uma joint venture para criar uma rede de carregamento rápido para veículos elétricos, com as primeiras estações sendo ligadas nos Estados Unidos durante no início de 2024, com outras estações sendo seguidas em seguida no Canadá.

A ação de sete montadoras inclui BMW, General Motors, Honda, Hyundai, Kia, Mercedes-Benz e Stellantis. As montadoras fundadoras permanecerão abertas a membros adicionais dentro e fora da indústria automotiva. Causou estranheza Ford e Grupo Volkswagen estarem ausentes da lista de membros fundadores.

A joint venture operará de forma independente das montadoras fundadoras, com direitos iguais mantidos. Mais detalhes sobre a estrutura organizacional serão anunciados em breve. O grupo espera que a joint venture, que ainda não recebeu um nome formal, seja estabelecida ainda em 2023, aguardando aprovação regulatória.

Visando disponibilizar pelo menos 30.000 carregadores rápidos, o grupo disse que os pontos de recarga estarão localizados em pontos urbanos e rodoviários com foco em confiabilidade, integração, rapidez e comodidades. O objetivo é se tornar a rede líder de carregadores rápidos confiáveis na América do Norte, mas mais adiante isso pode se espalhar por outros mercados.

Cada carregador terá no mínimo 350 kw e contará com conectores CCS e NACS da Tesla. Sempre que possível, os postos de recarga contarão com marquises, banheiros e operações de food service ou varejo nas proximidades ou no local, como um posto de abastecimento ou shopping center. As principais estações de carregamento contarão com comodidades adicionais, que está sendo chamado de uma “experiência premier“, mas nenhum detalhe foi compartilhado.

Todos os veículos elétricos terão acesso aos carregadores, embora os veículos feitos pelas montadoras fundadoras apresentem integração perfeita, incluindo a capacidade de fazer reservas, plug-and-charge e cobrança automatizada. As montadoras envolvidas no empreendimento também observaram a integração em seus aplicativos para smartphones, sistemas de informação e entretenimento de veículos para navegação completa e funções de planejamento de rotas, além de gerenciamento de energia.

Embora todos os veículos elétricos tenham acesso aos carregadores, as montadoras não comentaram se veículos de outras montadoras pagariam uma taxa mais alta pelo carregamento. Os preços serão comparáveis e competitivos com as redes existentes hoje, disse o grupo. A coalizão explicou que os preços serão definidos de forma independente por cada provedor de serviços de mobilidade, sugerindo que pode haver algum tipo de estrutura semelhante a franquia como os postos de combustíveis atuais.

O empreendimento, que disse que atenderá e ou excederá os requisitos do programa de Infraestrutura Nacional de Veículos Elétricos (NEVI) do presidente Biden, avaliará opções em termos de trabalho com o governo local e financiamento público.

Melinda Mernovage, da Mercedes-Benz, disse que a joint venture não muda ou afeta a própria rede de carregamento de veículos elétricos da marca, anunciada em janeiro. Essa rede pretende lançar mais de 10.000 carregadores até o final da década, com mais de 400 estações operacionais na América do Norte até 2027. A montadora alemã está trabalhando com a empresa ChargePoint para configurar sua rede.

Já Darryll Harrison, da General Motors, afirmou que a joint venture também não afetará sua rede de carregamento de 350 kw anunciada em 2022. A GM se uniu à Pilot Company e à EVgo para construir uma rede de 2.000 pontos de carregamento em 500 paradas de descanso “Pilot” e “Flying J”, com alguns locais previstos para estarem operacionais ainda em 2023. Além disso, a GM e a EVgo estão adicionando mais de 3.250 carregadores de alta velocidade em cidades e subúrbios dos Estados Unidos até o final de 2025. O objetivo final é ter carregadores em intervalos de 80 km em todo o país.

A Ford, por meio de Martin Gunsberg, afirmou que a BlueOval Charge Network da montadora (que é essencialmente uma “colcha de retalhos” de parcerias que a Ford tem com redes de carregamento) é a maior rede integrada de carregamento rápido nos Estados Unidos e Canadá. Gunsberg também destacou a parceria da Ford com a Tesla, que permitirá o uso de “superchargers” para a Ford em 2024.

A Toyota, por meio de Michael Kroll, disse que não tinha nada a anunciar neste momento quando perguntado por que a Toyota não faz parte da joint venture e se fez parte das negociações.

O porta-voz da Electrify America, Octavio Navarro, disse que a empresa de carregamento sentiu que esta joint venture é um passo positivo para o setor. “A demanda por estações de carregamento públicas na América do Norte continuará crescendo à medida que a propriedade de veículos elétricos se torna necessária. Este anúncio valida ainda mais nosso modelo de negócios de rede de alcançar consumidores em áreas urbanas e rodoviárias. Acreditamos que o impulso para atender à necessidade de infraestrutura de carregamento de veículos elétricos é um desenvolvimento positivo para os consumidores.”

Por fim, um porta-voz da Volkswagen (sempre ela na conta-mão…) disse não ter “nenhum comentário”, embora a Electrify America seja uma subsidiária do Volkswagen Group America como parte do rescaldo do caso fatídico do Dieselgate.


Compartilhe!
1717073836