Classic CarsSlide

30 muscle cars desprezados, mas que hoje valem milhões (parte 1 de 3)…

Compartilhe!

Isso vale para os Estados Unidos, não para o Brasil. Aqui nunca tivemos um muscle car sequer e o maior motor que já produzimos foi o Chrysler 318V8.. Mas durante o auge dos muscle cars, de 1964 a 1971, todos os fabricantes dos Estados Unidos tinham pelo menos um modelo desses em sua linha de produtos. Por exemplo, a GM fabricou 96.000 Pontiac GTO 1966 somente naquele ano. As montadoras de Detroit ofereciam inúmeras opções, níveis de acabamento e estilos de carroceria em seus modelos de muscle cars mais populares. Atualmente, o mercado de antigos acima da linha do Equador procura garimpar modelos raros, que um dia ninguém quis e hoje podem valer milhões.

por Marcos Cesar Silva

A verdade é que antigamente os compradores não podiam pagar -ou não queriam- modelos especiais, com tecnologias mais exóticas para a época e usabilidade questionável. Todos os carros desta lista hoje são raros e cobiçados, uma vez que ninguém os queria naqueles tempos. Esses eram os “filhos bastardos” da história dos muscle cars, que agora se tornaram objetos de desejos dos colecionadores. Alguns podem até estar entre os carros que definiram o apogeu da cultura dos muscle cars. Confira a lista abaixo.

A Dodge introduziu a primeira plaqueta de identificação Coronet em 1955, como o nível de acabamento mais alto para seus carros grandes. Em meados dos anos 1960, o nome passou para o segmento de médio porte e se tornou produto de sucesso da Dodge. Os Coronet eram carros intermediários atraentes para compradores familiares, com uma boa seleção de motores e níveis de acabamento. A Dodge ofereceu o famoso “pacote” de acabamento R/T em cupês e conversíveis de duas portas. Isso significava que compradores mais ambiciosos poderiam obter um motor 440V8 ou o famoso motor 426V8 Hemi em seus Coronet.

O Coronet R/T foi a resposta da Dodge ao Pontiac GTO, ao Chevelle SS396 e outros carros de desempenho intermediário. No entanto, eles construíram apenas dois conversíveis Coronet R/T 1967, super-raros e com motores Hemi, e isso torna este Coronet um item de colecionador. Curiosamente, os compradores do Coronet R/T daquela época optaram pelo confiável e quase igualmente rápido motor 440V8 Magnum, bem como pelos estilos de carroceria fechada. Quem comprou aquele conversível Hemi devia estar procurando algo potente e com muitas opções. Mas eles nunca pretenderam que os compradores usassem este carro como o “terror de semáforo”, mas sim em viagens tranquilas e noturnas de verão.

No final dos anos 1960, a Chevrolet ajudou equipes de corrida através de seus programas “backdoor”, onde desenvolveram motores e componentes especiais. Naqueles tempos, a Can-Am era uma série de corridas populares, apresentando protótipos de carros com motores V8. Mas a Chevrolet queria construir uma “usina” específica propositadamente para este campeonato. Então, em 1969, eles produziram um big block 427V8 todo em alumínio chamado ZL-1.

Era um 7.0V8 de alta rotação, que entregava até 550 cv em condições moderadas. Esse motor monstruoso era muito mais potente do que qualquer coisa que a Mopar ou a Ford produziam naquela época. A Chevrolet fabricou aproximadamente 200 desses motores. Embora a maioria deles tenha ido para suas equipes de corrida da Can-Am, a marca também construiu cerca de 12 Corvette de teste com motor big block no final de 1968.

Embora o potencial de desempenho fosse inacreditável, a Chevrolet não queria oferecer este motor de corrida ao público. Portanto, eles nunca mencionaram a opção ZL-1 para a imprensa ou em seus folhetos oficiais. Porém, motoristas abastados próximos à fábrica sabiam de sua existência e poderiam adquirir o ZL-1. É por isso que se sabe que existem apenas dois Corvette ZL-1, um amarelo e um branco. Mas a Chevrolet destruiu o resto porque eram apenas protótipos de pré-produção. Apenas dois foram para proprietários privados, onde os preservaram peças entre as mais valiosas e interessantes da história do Corvette. O modelo ZL-1 custava US$ 4.000 acima do preço base do big block Corvette C3, preço que poucas pessoas poderiam pagar. E hoje, o valor estimado é superior a US$ 1 milhão.

Um dos muscle cars mais raros e procurados é o Plymouth Hemi Cuda. No entanto, a marca Plymouth não existe mais. O Barracuda 1971, ou “’Cuda”, é a segunda e última geração deste modelo. Eles o redesenharam para 1970, apresentando nova carroceria e interior, e uma linha de motores potentes. Como a opção Hemi era extremamente rara, este Cuda tinha motor de 425 cv, que proporcionava um desempenho brutal. O estilo de carroceria conversível também era raro, então apenas sete conversíveis Hemi Cuda foram lançados em 1971.

A razão pela qual este carro era tão raro era simples. Antigamente, um conversível com o motor mais potente não era tão desejável como hoje. O motor Hemi era o preferido do público das corridas de rua que buscava desempenho. Então eles instalaram esse motor na carroceria mais leve, que era a cupê. Mas a Plymouth construiu este conversível para quem buscava viagens inesquecíveis e, para isso, você não precisa de um motor de 425 cv. É por isso que a Plymouth produziu apenas sete deles. Por serem raros, o Hemi Cuda é dos muscle cars mais caros de todos os tempos. Na verdade, um Cuda 1971 foi vendido em 2008 por inacreditáveis US$ 4,1 milhões. Embora a Plymouth tenha oferecido o Barracuda até 1974, eles descontinuaram o motor Hemi e a carroceria conversível.

Este é um muscle car interessante, pois foi esquecido por muitos anos. Na verdade, poucas pessoas sabiam da sua existência. Tudo começou em 1967, quando a Pontiac apresentou o Firebird como concorrente do Mustang e do Plymouth Barracuda. Curiosamente, o Firebird e o Chevrolet Camaro eram basicamente os mesmos carros. Eles os construíram na mesma plataforma, mas com motores e desenhos diferentes. Avançando para 1969, a Pontiac queria apresentar um modelo que pudesse homologar para as corridas da Trans-Am. Mas a fábrica, como parte da GM, ainda estava proibida de correr. No entanto, alguns torcedores e times privados usaram muitos produtos Pontiac.

Portanto, a fábrica queria apresentar uma versão que pudesse facilmente modificar para corridas. Foi assim que surgiu o Firebird Trans Am. Para mascarar suas suas reais intenções, a Pontiac apresentou o Firebird Trans Am como uma versão “comprimida”. Apresentava o famoso motor 400 V8 com sistema de admissão Ram Air III ou IV. O ram Air é a entrada de ar do capô, que força a indução para a alimentação conforme aumenta a velocidade.Mas a diferença entre esses motores foi significativa, já que o Ram Air IV apresentava muitos componentes e componentes internos aprimorados. No entanto, ambos tinham uma classificação de 366 cv, o que era uma brincadeira, claro. Esta versão especial com sua pintura branca exclusiva, listras azuis, rodas Rally II e outros equipamentos provou ser difícil de vender. Como resultado, eles comercializaram apenas 634 desses Firebird Trans Am. Entre eles, apenas oito eram conversíveis.

O Chevrolet Chevelle era um muscle car popular devido ao seu preço acessível, desenho agradável e motor potente. Na década de 1960, os clientes podiam encomendar o Chevelle com motor 396 big block. Era a unidade maior e mais potente da linha, com 325 ou 375 cv. Isso foi mais do que suficiente para ser um destaque significativo no segmento dos muscle cars. Em 1970, quando a GM suspendeu a proibição de cilindrada elevada para modelos intermediários, o Chevelle ganhou os maiores e mais potentes motores que a GM tinha a oferecer. Com o novo desenho de 1970, a mecânica aprimorada e a nova unidade big block, o Chevelle estava pronto para conquistar as pistas de arrancada. A nova e potente opção era o lendário motor 454V8. No versão básica, ele tinha 360 cv ​.

No entanto, isso era muito menor do que o número verdadeiro. Havia uma versão ainda mais potente chamada LS-6. O LS-6 foi anunciado como tendo 450 cv, mas na verdade produziu cerca de 500 cv. Embora a opção SS fosse bastante popular em 1970, apenas 3.700 carros receberam o 454 V8. Mas os carros LS-6 eram ainda mais raros. Eles produziram apenas 20 conversíveis, tornando-o um dos carros mais raros do mundo.

A American Motors Company acabou falindo em meados dos anos 1980. Mas a AMC sempre foi conhecida por sua linha de carros compactos (nos padrões americanos) e acessíveis, conceitos interessantes e mecânica confiável. No final dos anos 1960, a AMC decidiu entrar no mercado de muscle cars, na esperança de que um modelo desses impulsionasse sua linha. Esta foi uma boa decisão, porque hoje as pessoas se lembram da AMC principalmente por seus exóticos muscle cars. Na verdade, a maioria das pessoas esquece os sedãs familiares básicos, que constituíam a maior parte de sua linha de produção. A AMC apresentou dois modelos: o Javelin, cupê de quatro lugares, o AMX, cupê de dois lugares; o AMX era o único modelo americano de dois lugares além do Corvette naquela época. Eles construíram o AMX em um chassi Javelin encurtado, com mais e melhores equipamentos, motores mais potentes e muitas opções.

Embora o Javelin e o AMX tenham obtido sucesso considerável, uma versão rara e especial foi a AMX SS 390. A AMC construiu este carro em cooperação com a Hurst, empresa famosa da época. Apresentava muitas modificações e o maior motor da AMC, o 390V8, com 340 cv. Isso pode não parecer tão potente quanto alguns outros muscle cars da época, mas o AMX SS 390 era leve, compacto e brutalmente rápido. Curiosamente, eles fizeram apenas 52 deles. A maioria deles era em vermelho, branco e azul. Esses carros muito rápidos foram para as pistas de arrancada, onde pulverizavam carros muito mais potentes com facilidade.

Embora o Pontiac GTO receba todo o crédito por ser o primeiro muscle car moderno, poucas pessoas sabem que o Oldsmobile 442 começou no mesmo ano que o GTO. Desde o início, eles comercializaram o Olds 442 como um “street rod para cavalheiros”. Era um muscle car elegante e bem equipado, com detalhes luxuosos e estilo discreto. No entanto, proporcionava desempenho surpreendentemente elevado. O nome “442” causou muitas polêmicas naquela época, o significado era simples. Ele tinha motor 400V8, com “quadrijet, transmissão manual de quatro marchas e escapamento duplo”. Os clientes podiam encomendá-lo com transmissão automática, mas se quisessem tirar o máximo proveito do seu 442, adquiriam o manual.

Em 1966, a Oldsmobile preparou uma interessante versão especial para o 442, chamada W-30. O modelo veio com um sistema especial de indução de ar comprimido (ram air) com tubos que vão do para-choque dianteiro até os carburadores. Sendo um pouco conservador, o Oldsmobile não colocou nenhum gráfico ou emblema extravagante no carro, então o W-30, que era significativamente mais rápido que o modelo normal, ainda parecia o mesmo. Embora o preço do pacote W-30 não fosse alto, as pessoas ignoraram esse modelo, então fabricaram apenas 54 deles.

O Mustang explodiu no cenário automotivo em 1964, introduzindo um novo conceito no mercado de pony car. Era um cupê compacto, esportivo e bonito, com potência suficiente para um desempenho animado. O conceito fez sucesso; a Ford construiu o milionésimo exemplar apenas um ano e meio após seu lançamento. Apesar do Shelby GT350, o Mustang não tinha um motor de muscle car adequado para oferecer ao público em geral.

Eles sabiam que precisavam de um modelo que pudesse ser comparado aos poderosos Hemi ou Chevy 427. Em outras palavras, a Ford e seu Mustang não tinham muita credibilidade nas ruas. Mas tudo isso mudou em 1968, quando a Ford apresentou o novo motor 428V8 Cobra Jet. Com uma classificação conservadora de 335 cv, ficou claro que o novo motor poderia facilmente fornecer cerca de 400 cv ou mais. Mas a Ford não ficou satisfeita e apresentou uma versão ainda mais extrema chamada Super Cobra Jet.

Era um 428V8 atualizado, com cerca de 450 cv, com a conquista das pistas de arrancada em mente. A Ford planejava vencer o campeonato Super Stock em 1968 e, eventualmente, o fez, pois os Mustang com esse motor eram insuperáveis ​​naquele ano. Para homologar o motor Super Cobra Jet para uso em pista, a Ford teve que construir alguns para a rua. Eles construíram apenas 57 carros com esses motores atualizados e aproximadamente 2.000 com o motor Cobra Jet regular. Esses 57 Mustangs SCJ não eram exclusivamente fastbacks. Hoje, todos esses Cobra Jets são valiosos, e os Super Cobra Jet são extremamente caros.

ANÚNCIO – CONTINUE LENDO ABAIXO

Em 1971, o fim do segmento de muscle cars estava chegando. O endurecimento das regulamentações governamentais norte-americanas relativas à segurança e às questões ambientais estava acabando com a potência dos carros. E isso estava destruindo o mercado, já que a potência era o principal argumento de venda dos muscle cars. Além disso, o mercado de muscle cars estava repleto em 1970 e 1971. Nunca antes ou desde então houve tantos modelos para oferecer. O GTO “The Judge” é um dos muscle cars mais raros que a Pontiac fez. O Pontiac GTO sempre foi um carro vendedor, popular e potente, mas com tantos concorrentes no início dos anos 1970, as vendas caíram. Então eles introduziram o popular “The Judge” (“O Juiz”) em 1969 e continuaram em 1971.

O “Judge” apresentava motor 455V8 big block, decoração “selvagens” e um grande aerofólio para 1971. Como o limite de cilindrada foi aumentado, os carros intermediários da GM poderiam ter os maiores motores disponíveis. Então eles deram ao GTO um 455V8 big block de 335 cv. Esse foi um número modesto em comparação com os GTO anteriores. Em 1971, Detroit passou das classificações de potência DIN para SAE, o que naturalmente reduziu os números. Como a versão “Judge” era relativamente cara, ela não vendeu tão bem como antes. O conversível custava US$ 4.000 acima do preço base, o que era muito dinheiro naquela época. Como resultado, eles fabricaram apenas 17 conversíveis GTO “The Judge” 455 naquele ano. E isso o tornou um dos GTO e muscle car mais raros que já criaram.

A Chevrolet produziu o Corvette C2, de segunda geração, de 1963 a 1967. Foi um dos carros mais bonitos e de aparência agressiva da era dos muscle cars. Na verdade, o Corvette causou grande sensação quando foi lançado, porque tinha aparência muito avançada. No entanto, a Chevrolet o substituiu pelo Corvette de terceira geração em 1968. O Corvette C2 introduziu muitas coisas importantes na linha. Oferecia potência de big block, suspensão traseira independente e freios a disco. Foi também um carro de corrida popular e bem-sucedido nas mãos de muitas equipes privadas. Os Corvette equipados com motor L-88 pertenciam a uma classe à parte, já que os cabeçotes de alumínio ajudavam a produzir cerca de 600 cv.

Além disso, o L-88 tinha suspensão, freios e ajustes de dirigibilidade necessários para serviço pesado. A Chevrolet desenvolveu este modelo para pilotos. Mas era caro, quase dobrando o preço do Corvette 67 básico. E é por isso que é muito raro, com apenas 20 unidades fabricadas nas versões cupê e conversível.

CONTINUA…


Compartilhe!
1720988101