SlideTestes

Teste: RAM Rampage R/T 2.0 Turbo

Compartilhe!

A picape RAM Rampage foi apresentada no meio do ano. A versão mais interessante é a top de linha R/T (lembra dos Dodge Charger R/T?), a mais esportiva. Esta picape foi criada a partir da Fiat Toro, um sucesso de vendas, mas é praticamente impossível encontrar semelhanças entre elas. A Stellantis é composta por diversas marcas, e isso facilita diversificar sua linha de produtos, preenchendo praticamente cada espaço do nosso pobre mercado. Podemos dizer que a Rampage é uma Toro com a griffe RAM, mas apenas a distância entre-eixos é a mesma, bem como a suspensão traseira independente indicam a origem. A RAM segue outro caminho, e tem no excelente desempenho seu principal argumento de vendas, sem contar o desenho atraente e imponente -como convém a uma RAM- e interior bem cuidado.  

por Ricardo Caruso

E tudo isso por um preço atraente na categoria. Até a Rampage, a RAM oferecia no Brasil modelos importados, que começavam em mais de R$ 370 mil e superavam fácil o meio milhão de reais. A nova Rampage tem a missão de tornar a marca mais acessível, sem perder a pose e oferecendo um conjunto que realça o conceito da marca RAM, atingindo um público bem maior. Mais ou menos o que o Renegade fez com a Jeep.Ram Rampage R/T 2024

A versão esportiva R/T, que AUTO&TÉCNICA avaliou, de maneira inteligente resgata o espírito e esportividade dos antigos Dodge Charger R/T. É a versão mais cara oferecida e custa R$ 277.990, e ainda oferece o P”acote Elite”, que soma cerca de R$ 6 mil ao valor final. O resumo das pretensões da Rampage R/T é popularizar a marca e tirar do imaginário os antigos Dodge esportivos, do qual usa até o mesmo logotipo.

A Stellantis não economizou itens de série em nenhuma versão da Rampage. Todas tem sete airbags; controles de tração e de estabilidade; assistente de partida em rampa e controle de declive; painel de instrumentos digital em tela de 10,3 polegadas; sistema multimídia com tela de 12,3 polegadas, mais Android Auto e Apple Car Play sem fios; carregador de celular por indução e chave presencial com partida por botão ou remota na chave.

Mas não para por aí. O ar-condicionado automático é bizone; sistema de iluminação todo por LEDs; freio de estacionamento elétrico com auto hold; Start/Stop; cruise control (controle de velocidade de cruzeiro) adaptativo; alerta de ponto cego; assistente de permanência em faixa; frenagem autônoma de emergência; espelhos com ajustes elétricos e rebatíveis; retrovisor interno fotocrômico; câmera de ré; sensores de estacionamento dianteiro e traseiro; sensor de chuva nos limpadores e acendimento automático dos faróis, entre outros. Um belo “pacote” de equipamentos e recursos.

Por isso tudo, optar entre as versões disponíveis (Rebel, Laramie e R/T) acaba acontecendo pelo visual e diferentes diferentes acabamentos oferecidos em cada uma delas. No caso da R/T avaliada, a versão esportiva ganhou rodas aro 19 exclusivas e pintadas de preto; emblemas que identificam a versão por todos os lados; tecla de acionamento do modo “R/T” (Esportivo); suspensão mais firme e 8 cm mais baixa; sistema de escapamento duplo e esportivo; teto pintado de preto, faixas decorativas e revestimento interno de material sintético que imita couro com alcântara (camurça sintética, muito agradável ao toque).

A Rampage R/T tem o banco do motorista com ajustes elétricos, mas quem quiser agradar o passageiro que vai ao lado, vai gastar os tais R$ 6.000 do “Pacote Elite”, que também acrescenta o fantástico sistema de som Harman Kardon e luz ambiente interna por Leds, conjunto este que está disponível para todas as versões da Rampage ao mesmo preço.

Entre os motores possíveis, as versões Rebel e Laramie oferecem o motor 2.0 turbodiesel de 170 cv e 38,8 mkgf, mas a versão R/T usa apenas o novo Hurricane-4 apenas a gasolina, já usado no Jeep Wrangler, e pela primeira vez equipado um modelo fabricado no Brasil. Tem injeção direta de combustível e comando de válvulas variável na admissão e no escapamento e impressionantes 272 cv de potência e 40,8 mkgf de torque. O torque é tão alto que supera o do motor 2.0 diesel. A transmissão é a mesma em todas as versões, com o mesmo câmbio automático de 9 marchas já usados pela Jeep e Fiat, com sistema de tração integral de atuação automática.

A Rampage tem 5.028 mm de comprimento, 1.886 mm de largura e 2.994 mm de distância entre-eixos. A R/T, como vimos antes, é recalibrada e por isso a carroceria é mais baixa em 8 cm. Ela tem 1.771 mm de altura, contra 1.780 mm das demais versões. Com o motor a gasolina, o tanque tem 55 litros de capacidade, contra 60 litros das versões a diesel, o que deveria ser o contrário.

A plataforma da Toro ficou mais pesada por ser reforçada, e isso se reflete na RAM Rampage pelo peso de 1.917 kg de peso na R/T. Po conta do novo desenho da carroceria, a caçamba na RAM é maior que a da Fiat Toro, oferecendo 980 litros de capacidade e capacidade de carga (em todas com motor a gasolina) é de 750 quilos. Este modelo da RAM surgiu do extenso retrabalho da plataforma “Small Wide 4×4” da Stellantis, a mesma lançada em 2016 no Jeep Renegade e que chegou à Fiat Toro, Compass e Commander.

A RAM acelera de zero a 100 km/h em 6,6 segundos, e o consumo é de 6,5 km/litro de gasolina na cidade e 11,9 km/l na estrada. A velocidade máxima é empolgante: 220 km/h. Afinal, estamos falando de um modelo esportivo.

CONCLUSÃO

A Stellantis fez um excelente trabalho ao reduzir as gigantes medidas das picapes RAM e criar a terceira picape Dodge nacional (antes dela vieram a D100 e a Dakota), um veículo menor e bem resolvido em todos aspectos. Tudo nela continua imponente: os faróis são estreitos e posicionados altos, a grade praticamente vertical intimida, exatamente como acontece com suas “irmãs” mais nutridas. Na traseira, as lanternas são verticais e trazem uma representação da bandeira americana, enquanto a caçamba tem abertura convencional para baixo, e não bipartida como a da Toro. É um detalhes que poderia ter sido melhor cuidado no projeto 

A versão R/T é brilhante, graças ao novo motor 2.0 turbo a gasolina. Com ele, a Rampage não faz feio nunca. Até o som do escapamento ajuda. A Stellantis atingiu seus objetivos com a RAM Rampage em todas as versões, mas em especial com a R/T. Não é um “esportivo de shopping”, é um esportivo real, que merece ostentar a sigla “R/T”.

Se você estiver planejando uma picape média, pode encarar a Rampage sem medo, pois ela está um passo acima das concorrentes. Se couber no orçamento, compre sem medo. A diversão no caso da R/T está garantida.

Ram Rampage R/T 2024 interior
Ram Rampage R/T 2024 interior
MVA_5681
MVA_5689
MVA_5698
MVA_5706
MVA_5708


Compartilhe!
1716347006